Saúde acima do interesse comercial

Fallo por el tabaco sienta precedente: salud por encima de interés comercial

Por Martín Viggiano

La lección tras el fallo del juicio con Philip Morris

Saúdeacima

El contundente fallo del Centro Internacional de Arreglo de Diferencias Relativas a Inversiones (Ciadi) sobre el arbitraje de la tabacalera Philip Morris contra el Estado uruguayo desestima cada uno de los reclamos de esa compañía internacional con distintos argumentos, pero destaca uno de fondo que permitió al gobierno de Tabaré Vázquez celebrar una victoria histórica.

Según insiste el fallo de forma clara y reiterada, Uruguay sale vencedor del diferendo porque ejerció el principio “válido” del poder de “policía del Estado” para proteger la salud de la población, incluso por encima de intereses económicos y pérdidas comprobadas que deriven de esas decisiones en el privado.

Ello, además del precedente que de por sí generaba la noticia a nivel mundial, provoca un antecedente claro sobre la prevalencia del cuidado de la salud por sobre los intereses comerciales de las empresas.

“La protección de la salud pública se ha reconocido como una manifestación esencial del poder de policía del Estado por mucho tiempo, que permite que los Estados nieguen a admitir inversiones por razones de seguridad, orden público, salud pública o moralidad”, dice la sentencia de 250 páginas en uno de sus pasajes concluyentes.

“A Uruguay le asiste el derecho de ejercer su poder soberano inherente de proteger la salud pública sin incurrir en responsabilidad en términos generales”, agrega.

Los jueces del Ciadi citan en su sentencia legislación internacional establecida en 1987 por la cual se avala esa doctrina: “Un Estado no es responsable de la pérdida de una propiedad u otra desventaja económica que resulte de gravámenes impositivos generales, regulaciones, confiscación penal u otra acción similar de buena fe comúnmente aceptada dentro del poder de policía de los Estados, mientras no sea discriminatoria”.
La tabacalera había presentado su reclamo en febrero de 2010, alegando perjuicios económicos y empresariales por las medidas aplicadas por el gobierno de Vázquez (2005-2010) en el marco de su política antitabaco.

Si bien en su planteo no cuestionó los objetivos del país en preservar la salud de la población, ni tampoco negó los perjuicios que tiene para la salud el tabaco, dijo que esas medidas habían perjudicado a sus marcas y reducido sus ingresos.

Philip Morris intentó establecer que Uruguay le “expropió” varias de sus marcas de cigarrillos que vendía en el mercado local hasta el establecimiento de las disposiciones restrictivas de comercio y publicidad.

Entre otras, el gobierno uruguayo impidió a las tabacaleras ofrecer al mercado cigarros del tipo “suave” o contenidos bajos de alquitrán y otros productos nocivos, como forma de captar fumadores o distorsionar la percepción de daños.

También limitó el espacio en las cajillas para mostrar sus marcas, para colocar allí pictogramas alusivos al daño causado por el tabaco .

La compañía aseguró que con esas disposiciones tuvo que sacar de circulación varias de sus marcas, con lo cual perdió el valor y la plusvalía de ellas.

Dijo en el juicio que registró una caída en sus ventas, y recordó incluso que tuvo que retirar su producción en Uruguay para luego importar el producto desde Argentina.

Tanto en ese como en todos los puntos cuestionados por la demandante, el tribunal del Ciadi fue contundente a favor de Uruguay.

El ejercicio de policía del Estado aplicado de forma “razonable” y “de buena fe” en cuestiones tales como “el mantenimiento del orden público, la salud o la moralidad, excluye la indemnización, aún si causa un perjuicio económico a un inversor”, dice el fallo. Y agrega:

“Las medidas adoptadas con ese fin no se deberían considerar expropiatorias; no halló un reconocimiento inmediato en las decisiones sobre tratados de inversión”.

Vázquez no dejó que le hagan sombra

La sentencia favorable a Uruguay tuvo nombre y apellido: Tabaré Vázquez. El presidente de la República se anotó una victoria histórica por haber sido el defensor de las políticas de salud antitabaco, incluso cuando había dudas y miedos desde la izquierda.

Y el mandatario lo sabe. Por eso eligió no solo ser el portador de la noticia el pasado viernes 8 de julio, sino que además dio una orden al resto de su plantel de gobierno: el único vocero es el presidente.

Ese viernes 8 se sabía de alguna forma que Uruguay había tenido éxito en el arbitraje internacional de Philip Morris, pero fue Vázquez quien confirmó la noticia y sus detalles. Y lo hizo en cadena nacional de radio y televisión, algo reservado para las cosas importantes.

Esa cadena, que lo mostraba detrás de un mostrador junto a una bandera uruguaya, se repitió en dos horarios ese viernes: 17 y 20 horas.

Según pudo saber El Observador, el presidente dio la orden expresa de que él sería el único vocero del tema.
Por lo tanto, nadie, ni siquiera los involucrados en el arbitraje por la parte uruguaya, podrían abrir la boca en los medios de comunicación para sacarse la foto.

La semana pasada, cuando el presidente recibió en la Torre Ejecutiva a representantes de los partidos por el tema hidrocarburos, la reunión se inició con una ronda de felicitaciones y halagos al mandatario. Vázquez, con el pecho inflado, agradeció.

Fonte: El Observador

Textos correlatos:

Mulheres e drogas: relações pessoais, sociais e tratamento.
Por que cervejeiro é empresário e dono de “boca de fumo” é traficante?
Vender doenças está mais difícil… na França.
“Mídia e publicidade influenciam nos transtornos mentais”

A saúde e as propagandas enganosas

Entrada gratis para quem entrar na festa sem ter consumido álcool.

Celibato e pedofilia na Igreja Católica

Celibato e pedofilia na Igreja Católica

Por Marcelo Gruman

IC
Com certo atraso, vi outro dia Spotlight – Segredos revelados, vencedor do Oscar de Melhor Filme em 2016. Em resumo: um grupo de jornalistas do Boston Globe, jornal de maior circulação de Boston, cidade da costa leste norte-americana cuja população é majoritariamente católica, resolve “desenterrar”, a partir da chegada do novo editor, casos de pedofilia que aparentemente haviam sido ignorados pela justiça ou haviam sido mal explicados pelas autoridades locais e eclesiásticas. Ao longo da trama, a investigação desvenda que o cardeal à época, Bernard Law, contribuiu para a omissão de centenas de casos de pedofilia envolvendo padres ao realoca-los em outras paróquias ou em “centros de tratamento”, onde permaneciam livres para voltar a abusar de crianças inocentes. Muitas das vítimas foram pressionadas a se calar, outras tantas fizeram acordos informais com a Igreja Católica, sem que houvesse ingerência do sistema judicial terreno. As primeiras matérias lançadas em 2002 decorrentes das investigações denunciaram setenta padres culpados de abusar de crianças em suas paróquias, o que levou à renúncia do cardeal Law em dezembro do mesmo ano. Ao fim do filme, quando sobem os créditos, é mostrada uma lista com as várias cidades em que foram registrados casos de pedofilia de padres em todo o mundo. Quatro cidades brasileiras aparecem: Arapiraca (AL), Franca (São Paulo), Mariana (MG) e Rio de Janeiro (RJ).

A coordenadora da ONG Católicas pelo Direito de Decidir, Regina Jurkewicz, em artigo* publicado há poucos anos, afirma que as raízes da impunidade residem na própria política da Igreja Católica ao lidar com as denúncias de abuso sexual, a “política do silêncio”, que nega acusações e protege padres agressores. O Código de Direito Canônico orienta a hierarquia a manter o silêncio e até a encobrir a transgressão para evitar escândalos, buscando-se a salvação da imagem da instituição eclesiástica e do sacerdócio. Os bispos são orientados a agir com máxima discrição e, mesmo diante da necessidade de punição, aplica-la internamente, sem torna-la pública, tais punições visando ao arrependimento do agressor e ao retorno deste para o “caminho de Deus”. Ou seja, se o agressor diz se arrepender e promete não “pecar” novamente, é perdoado e retorna às suas funções. Ainda segundo Regina, um problema dessa envergadura necessita de um tratamento estrutural como, por exemplo, divulgar instâncias eclesiais da estrutura burocrática responsáveis por receber denúncias, prestar contas à sociedade sobre os casos já ocorridos, indenizar vítimas, oferecer apoio psicológico e jurídico a denunciantes e não impedir que a Justiça civil julgue abusadores sexuais que fazem parte da hierarquia católica. E termina seu texto com uma espécie de desabafo:

“Nós, mulheres católicas, não queremos temer ao enviar nossos filhos à catequese ou aos inúmeros colégios católicos. Esperamos que o Papa Francisco cumpra as promessas que vem fazendo e implemente medidas para erradicar a pedofilia. Esperamos ainda que a Igreja seja um local de acolhimento e não represente mais ameaça às crianças e mulheres, atualmente ainda vulneráveis à violência sexual de religiosos.”

Um pequeno passo foi dado, devemos reconhecer. O Papa Pop Francisco divulgou, recentemente, decreto que prevê a destituição de bispos culpados de “negligência no exercício de suas funções” ante casos de “abusos sexuais contra menores”. Este decreto foi incorporado ao Direito Canônico.

É comum ouvirmos que o crime de pedofilia, que corrói os alicerces da Igreja Católica, seria resolvido, ou diminuído drasticamente, se fosse banida a obrigação do celibato, proposta sugerida, por exemplo, pelo tentáculo eclesiástico australiano. Se fosse assim, não haveria pedófilos casados ou solteiros não celibatários. Acho improvável e questionável “cientificamente” que “a ocasião faz o ladrão”, que um homem celibatário não possa conter seus impulsos sexuais quando em contato com crianças porque, se fosse assim, não conseguiria conter seus impulsos sexuais com adultos que considerasse indefesos. E, justiça seja feita ao catolicismo, também estariam em perigo as crianças de um jardim de infância qualquer cujo professor ou professora resolveu abster-se da alimentação metafórica de carne humana. O mesmo raciocínio pode ser utilizado para os casos de abuso entre presos do sexo masculino que, “sedentos de sexo”, e por não terem contato frequente com mulheres, resolvem aliviar o apetite sexual no colega de cela. Neste caso, acredito que o que está em jogo é a luta pelo poder, pela dominação de um território, pelo exercício da força. Essa estória de instinto é conversa para boi dormir. É possível “aliviar a tensão” de outras formas, aliás, o onanismo é tão antigo quanto o mundo…

Deixemos uma coisa clara: pedofilia é uma doença, e ataca celibatários e não celibatários, heterossexuais e homossexuais.

O celibato é um problema não por incitar “instintos pedófilos”, mas por ser uma perda de tempo, por privar o ser humano do gozo físico, o êxtase inexplicável, que não cabe em palavras, a “petite mort” tão bem definida pelos franceses, aquele período pós-orgástico em que quase perdemos a consciência e transcendemos à outra realidade. O celibato é uma aberração porque deriva de outra aberração, a noção de pecado, de um crime a ser castigado por uma instância divina invisível que tudo vê e tudo ouve. O problema, portanto, é a natureza da religião, neste caso, a católica apostólica romana.

Para finalizar, uma piada:

O padre fala para o rabino:

— Vocês ainda têm aquela mania besta de não comer carne de porco?
— Sim – reponde o rabino -, esta ainda é uma das nossas crenças!
— Mas – torna o padre – o senhor nunca comeu carne de porco?
O rabino:— Bem… uma vez eu sucumbi a tentação e provei um pouco…
— Não é uma delícia? – perguntou o padre.
— Sim… sim… – respondeu o rabino – é muito boa! — fez uma pausa e depois continuou:
— Mas e vocês, católicos? Ainda continuam com aquela mania besta de não poderem ter relações sexuais?
— Sim… sim… – falou o padre – o celibato faz parte de nossa fé!
E o rabino: — Mas o senhor nunca caiu na tentação da carne?
O padre: — Bem, para ser sincero… um vez eu fraquejei e fiz amor com uma mulher…
Aí, o rabino: — É muito melhor que carne de pouco, não é?

O rabino e o padre viraram ateus.

(Licença poética)

*Link: http://catolicas.org.br/biblioteca/artigos/papa-francisco-pedofilia/

Fonte: Des-Construindo Marcelo

Textos Correlatos:
Terapeuta pedófilo abusa sexualmente de 35 crianças
Abuso infantil: a responsabilidade dos pais e da sociedade.
A psicopatologia e o WhatsApp.
Religião e laicidade: discriminação e violência.
Trajetória ateista de Sigmund Freud (1856-1939)* (4)
Encerrando o debate com Flávio Aguiar incluindo editorial do Charlie Hebdo sobre laicidade.

 

Policial: se és racista, tira o uniforme.

Una oficial de policía del estado de Ohio (EE.UU.), mostró a través de las redes sociales su repudio a los agentes involucrados …

Fonte: LARED21

Textos correlatos:

Narcisismo, homofobia e discriminação na política.

Conduta Discriminatória: tentativa de conceituação motiva correspondência entre psiquiatras.
Racista: uma definição que compete à Saúde Mental
Síndrome do Distúrbio Racial: seria um bom diagnóstico para o racista brasileiro? E para o antissemita?
Educação e criminalização não previnem discriminação
Religião e laicidade: discriminação e violência.

Discriminadores: um grupo que aumentará enquanto não houver interesse em prevenção.

 

 

 

 

 

 

Médicos + laboratório = fraude milionária

Fonte: Viomundo

Textos correlatos:

A Medicina, provavelmente, não está selecionando as pessoas certas.

O neuropsiquiatra e o ditador

A Indústria Farmacêutica, os “homicídios involuntários” e os “cadáveres nos armários”.

Abusos psiquiátricos em crianças e adolescentes

Cartel de médicos é prejudicial à saúde

Convertendo gente sadia em enferma e cronificando doenças ao invés de curá-las

Médicos e hospitais corruptos. É possível prevenir?

 

Publicidade e discriminação sexista nem sempre estão juntas.

Mercado uruguaio lança guia para uma publicidade não-sexista

Por Redação Adnews

publicidadsexista

Como parte da última edição do Desachate 2016, principal evento do mercado publicitário no Uruguai, o Observatorio de Género del Círculo Uruguayo de la Publicidad apresentou o “Decálogo de boas práticas para uma comunicação publicitária não-sexista”. Como o próprio nome sugere, o documento é uma espécie de manual e manifesto do mercado publicitário contra as produções sexistas que a propaganda do mundo inteiro ainda insiste em lançar em pleno 2016.

De acordo com a organização do evento, o Decálogo tem como principal objetivo “construir uma indústria responsável, livre de sexismo, onde as mulheres e os homens tenham os mesmos direitos e as mesmas oportunidades”.

Para divulgar a iniciativa, foi produzido um vídeo com a contribuição de profissionais de diferentes áreas do mercado. O manifesto conta com apoio de algumas organizações que trabalham no tema, como a ONU Mulheres, Cotidiano Mujer e Mirá Mamá.

Confira abaixo o vídeo da iniciativa:


 

 

decálogo

Fonte: ADNEWS

Textos correlatos:

Mulheres e drogas: relações pessoais, sociais e tratamento.

“Mídia e publicidade influenciam nos transtornos mentais”

Discriminadores: um grupo que aumentará enquanto não houver interesse em prevenção.
Homofobia: no Canadá querem prevenir. E aqui quem não quer?
Prevenindo a Conduta Discriminatória Machista.
A venda de doença e a mulher.

Entrada gratis para quem entrar na festa sem ter consumido álcool.

Una minoría de 8% bebe la mitad del alcohol que se consume en Uruguay

Por Macarena Saavedra

Son 261.000 uruguayos los que presentan un uso problemático de la droga
Gratis

El alcohol es la droga más consumida por los uruguayos. En 2015 se incrementó la ingesta –a contracorriente con lo que ocurrió en el resto del mundo- y se tomaron 42,5 litros de bebidas alcohólicas per cápita.
Pero esa cifra no concuerda con la realidad, porque las personas no consumen de manera equitativa. De hecho, un informe de la Junta Nacional de Drogas al que accedió El Observador, revela que más de la mitad del alcohol es ingerido por el 21% de los consumidores, lo que corresponde al 8% de los uruguayos. Este dato surgió de la VI Encuesta Nacional de Hogares realizada en 2014.
El uso problemático de alcohol es aquel que genera situaciones vinculadas al consumo que afectan la salud del individuo, tanto a ellos mismos como en la esfera social. Pero no necesariamente tiene que ser alguien que consume siempre, sino que se incluye a quienes toman solo en eventos sociales pero que cuando lo hacen ingieren en gran cantidad.
“La percepción del daño que produce el alcohol es bajo, sobre todo con la cerveza”, Cecilia Dell’Acqua, toxicóloga de la JND

El perfil de los uruguayos que presentan un uso problemático, extraído de la encuesta, refleja que la mayoría son hombres, residentes en Montevideo, de entre 18 y 35 años de edad, tienen una frecuencia de consumo igual o mayor a dos veces por semana y que consumen más de seis tragos por ingesta.
De los 261.000 uruguayos que presentan un uso problemático del alcohol, solo 1,5% inician un tratamiento, un dato que preocupa a las autoridades, al igual que el aumento en la precocidad del consumo.

La edad promedio en que se inicia el consumo de alcohol es a los 16,8 años, siendo la edad más frecuente a los 15. El consumo habitual de cinco o más tragos por ingesta en los jóvenes de entre 15 y 18 años es de los más altos, siendo así en el 10,5% de los adolescentes consumidores. Sin embargo los que más consumen son los de entre 19 y 25 años: 12,6% de los de esa franja aseguraron tomar cinco o más tragos en una misma ingesta.

“Teniendo en cuenta que a los 18 años el 81% de las personas probó alcohol y que la edad de inicio de ese tramo es 14 años, es esperable que de mantenerse el actual escenario, sea próximo a esta edad el inicio promedio”, dice el informe. Por esa razón gran parte de la campaña para reducir riesgos se centra en atacar “la previa”.

Con respecto a la frecuencia del consumo la respuesta fue diferente. El informe concluye que a mayor edad, mayor es la proporción de personas que consumen con una frecuencia de cuatro o más veces por semana: mientras que en las personas de entre 56 y 65 años lo hacen el 13,4%, esta cifra es del 0,4% entre los adolescentes de 15 a 18.
Cambio de política
Recientemente en Uruguay y en el mundo se comenzó con una nueva política para enfrentar a las drogas: de Reducción de Riesgos y Daños. Esta surgió a partir del fracaso de las estrategias tradicionales, que le habían declarado la guerra a estas sustancias. Por esa razón comenzaron a implementar campañas de regulación –como la de la marihuana en Uruguay- para lograr controlar las sustancias que se consumen y de esa manera poder disminuir riesgos.

“La guerra contra las drogas, focalizada exclusivamente en un enfoque represivo, no sólo no ha logrado solucionar el problema, sino que lo ha agravado exponencialmente”, escribió el año pasado Luis Almagro, secretario general de la OEA, según se cita en el informe de evaluación de la estrategia Nacional para el abordaje del problema drogas en Uruguay, de la JND.

Lo que buscan es disminuir los efectos negativos que son provocados por las drogas, tanto legales como ilegales. Es decir que se pone énfasis en el riesgo y no en el efecto que producen.

En el caso del alcohol, este riesgo depende de muchas variables, como la dosis de alcohol ingerido, la frecuencia del consumo, los cuidados antes y después del mismo, entre otros.

Los efectos del alcohol en las personas son varios, como el daño al hígado o el páncreas, cáncer de esófago, hígado, colon o mamas, infertilidad o disfunción sexual. A esto se le suma el aumento de probabilidades de tener accidentes automovilísticos que pueden producirle daños a otras personas.

Por esa razón, el consumo problemático de alcohol y otras sustancias psicoactivas fue identificado como uno de los 15 problemas críticos por el Ministerio de Salud Pública.

En ese sentido, la cartera estableció como uno de los objetivos para los próximos cinco años la reducción de la prevalencia de los usos problemáticos de alcohol en la población.
“Ahora la salida no es al boliche, es a tomar”
Una de las prioridades para la cartera es atacar “la previa”, una costumbre instalada en la población joven. Es por eso que durante el verano realizaron la campaña “Free Pass”, en la que regalaban entradas gratis a quienes ingresaran a un baile sin haber consumido alcohol. Según informaron desde el MSP a El Observador esta campaña continuará en los meses de setiembre y octubre en los departamentos de Salto y Paysandú, para luego repetirla en verano en Canelones, Rocha y Maldonado.

La toxicóloga Cecilia Dell’Acqua, aseguró que el tipo de consumo ha variado en los últimos años, especialmente en los jóvenes, ya que “ahora la salida no es al boliche, es a tomar. El joven no percibe que el alcohol puede derivar en otras cosas y termina siendo a ver quién aguanta tomar más”, aseguró.

Para la experta, al problema de las previas se le suma un conflicto con la mezcla de sustancias, en especial de alcohol con “energizantes”, que por los contenidos considera que deberían ser considerados “estimulantes”. “Pasa como con la cocaína, al tomar un estimulante no te das cuenta de que estas borracho” y eso pasa a ser un problema para los que conducen a pesar de estar alcoholizados porque no se dan cuenta de que les hizo efecto.

Fonte: El Observador

Textos correlatos:

A saúde e as propagandas enganosas.

Motorista alcoolizado em 15% dos óbitos no trânsito.

Tática sofisticada para vender mais alcoolismo.

A quem interessa o consumo abusivo de cerveja?

Mulheres e drogas: relações pessoais, sociais e tratamento.

Por que cervejeiro é empresário e dono de “boca de fumo” é traficante?

“Mídia e publicidade influenciam nos transtornos mentais”

 

 

Narcisismo, homofobia e discriminação na política.

                            De Orlando a Yorkshire

Por Ricardo Peirano

Las dos tragedias que ocurrieron en menos de una semana quedarán registradas a fuego.

Narcisismo

En menos de una semana, tuvimos dos tragedias de esas que quedan registradas a fuego: la masacre de 50 personas en el cabaret Pulse de Orlando y el asesinato de la diputada laborista de 42 años Joanne”JO” Cox, mientras hacía campaña en contra del Brexit (la salida de Gran Bretaña de la Unión Europea) en su distrito de Batley and Spen. Y digo dos, porque de seguro en estos días han habido muchas otras tragedias, más lejanas y quizá más graves, en Irak, en Siria, en otros países de Africa, que no nos son tan cercanas, o que no conocemos con tanto detalle, y que no nos marcan a fuego. Aunque deberían. Pero estas dos, por cercanía, por mayor información o por lo que fuera, sí nos marcan.

Ambas tiene el común denominador del odio. Y es notable como tanto el presidente Obama en Estados Unidos como Brendan Cox, el marido de la diputada asesinada, llamaron a luchar contra ese odio, que generó ambos hechos, y no dejarse llevar por el en búsqueda de revancha o de la venganza. Obama habló en nombre de los americanos contra el odio que inspiró la tragedia de Orlando, dura y grave para cada uno de los afectados y para sus familiares y amigos, pero más lejana para quienes no los conocían. Brendan Coz habló en nombre de sus dos hijos y de sí mismo frente a un pérdida concreta y personal. En un comunicado escribió: “Hoy es el comienzo de un nuevo capítulo en nuestras vidas. Más difícil, más doloroso, menos alegre y menos lleno de amor. Yo y la familia y los amigos de Jo vamos a trabajar cada momento de nuestras vidas para amar y criar a nuestros hijos y para luchar contra el odio que mató a Jo. Ella hubiera querido que dos cosas por encima de todo pasaran ahora: primera, que nuestros preciosos hijos sean bañados de amor, y segunda, que todos nos unamos para luchar contra el odio que la mató. El odio no tiene un credo, una raza, o una religión; el odio es venenoso”.

Los atentados, especialmente el de Orlando, tienen tantas aristas que permitirán que muchos lleven agua para su propio molino y no sin razón. El lobby gay, dirá que lo ocurrido es una acción contra la diversidad sexual, lo cual es cierto porque el autor era homofóbico y el ISIS, en nombre de quien dijo actuar, también lo es; el lobby anti porte de armas libre lo usará como una muestra más del grave error de que cualquiera pueda comprar armas de asalto solo con un certificado de buena conducta y US$ 500; quienes están preocupados por el ISIS y su locura fanática, mostraran los peligros del “islam radical”. Y todos tendrán razón pero las conclusiones que deben sacarse de este hecho no pueden tomarse a la ligera.

Hay que hurgar más profundo. En Gran Bretaña, no es fácil conseguir porte de armas, y en el atentado no existía el factor del radicalismo musulmán –al menos a primera vista- ni el factor discriminación por género. Sin embargo, el odio sí existía. ¿Por qué se descargó sobre esta joven diputada, madre de familia? Nadie lo sabe. Quizá era un lunático dicen algunos, pero con el recurso a “los lunáticos” no podemos explicar los muchos atentados que están ocurriendo. Es un recurso que solo sirve para esconder el problema.

Por supuesto que sería importante regular la compra y el uso de armas de fuego pero tengamos en cuenta que en los últimos 15 años los americanos a favor del porte de armas pasó del 30 al 60% y por algo será. Por supuesto que es preciso combatir la discriminación por todas las razones habidas y por haber y en especial las discriminaciones por razones de sexo y de orientación sexual. Pero es preciso ir más a fondo. Es preciso recomponer el tejido social, es preciso mejorar la inclusión social, en especial de los migrantes, y es preciso luchar contra el odio que nos quieren imponer contra el “otro”, el que no es como nosotros ni piensa como nosotros.

El odio es venenoso decía con gran verdad el marido de la diputada laborista asesinada y tanto lo es para el asesino como podría serlo para las víctimas si se dejan llevar por esa pasión en búsqueda de revancha. Y también para las sociedades si toman partido en búsqueda de venganza y no en la aplicación de la ley y la justicia, verdadero escudo de los débiles. El odio nos mata: escupámoslo lo más lejos posible. Si no lo hacemos, quienes siembran el odio, habrán triunfado. Y no solo escupir el odio, no solo tolerar con quien pensamos diferente: es vital respetar profundamente a quien piensa o actúa diferente. Esa es la medida de una sociedad cabalmente humana.

Fonte: El Observador

Textos correlatos:
Terapeuta pedófilo abusa sexualmente de 35 crianças

Religião e laicidade: discriminação e violência.

Conduta Discriminatória: tentativa de conceituação motiva correspondência entre psiquiatras.

“Pequenas Igrejas Grandes Negócios”

Discriminadores: um grupo que aumentará enquanto não houver interesse em prevenção.

Homofobia: no Canadá querem prevenir. E aqui quem não quer?

 

A saúde e as propagandas enganosas.

10 promessas falsas de propagandas que custaram milhões às empresas

Você sabe que o Red Bull não te dá asas de verdade, verto? Ainda assim, a companhia já foi processada por propaganda falsa.

E não está sozinha. Muitas outras empresas foram enquadradas por tentar vender produtos que de fato não faziam o que elas juravam que faziam.

Elas passaram anos em tribunais e foram forçadas a pagar milhões de dólares para compensar suas afirmações enganosas. Confira:

10. Nutella

propagandas-falsas-10-838x629
A Nutella foi alvo de sérias denúncias em 2012. Em seus anúncios, a empresa alegava que seu produto era uma opção saudável para o café da manhã das crianças e tinha vários benefícios nutricionais, o que é basicamente o oposto da informação nutricional impressa no rótulo da embalagem.

Nutella na verdade contém mais de 20 gramas de açúcar e 11 gramas de gordura por porção. Uma mãe da Califórnia, nos EUA, processou a companhia afirmando que se sentiu enganada e vinha servindo o produto não saudável para o filho. A decisão acabou custando à Nutella mais de US$ 3 milhões. Além disso, a empresa foi condenada a reembolsar consumidores individuais que haviam comprado frascos do produto entre 2008 e 2012.

Por fim, a empresa precisou mudar seus anúncios e agora deve listar o teor de açúcar dos seus produtos na frente do frasco, em um esforço para ser mais transparente com o consumidor.

9. Hydroxycut

propagandas-falsas-9-838x838
Hydroxycut é um suplemento de perda de peso que prometia uma forma segura e fácil de perder os quilos extras a seus muitos consumidores. Porém, se provou muito perigoso. No início de 2000, vários processos foram abertos contra a empresa por efeitos colaterais de saúde causados pela efedrina, um dos principais ingredientes do Hydroxycut, proibido pela Administração de Drogas e Alimentos (FDA) americana em 2004. Descobriu-se que muitas das pessoas que tinham ingerido Hydroxycut sofreram sintomas convulsivos.

Em 2009, vários outros casos foram levados ao tribunal sobre diferentes riscos de saúde do consumo de Hydroxycut, incluindo icterícia, elevação das enzimas hepáticas e até mesmo morte devido a insuficiência hepática. A FDA ordenou um recall de todos os produtos da empresa em 2009. No final, a companhia concordou em pagar uma indenização de US$ 25,3 milhões.

8. Activia

propagandas-falsas-8-838x838
Dannon, a corporação multinacional que fabrica o Activia, foi acusada de fazer afirmações científicas falsas sobre os benefícios do seu produto em 2008. A empresa usou palavras como “clinicamente” e “cientificamente” em suas campanhas publicitárias, uma escolha de marketing que terminou em problemas financeiros graves.

A Dannon foi forçada a pagar US$ 35 milhões para os consumidores e mudar seus anúncios. A empresa já tinha gasto mais de US$ 100 milhões em publicidade – e ido tão longe quanto a cobrar os clientes mais caro por esse iogurte probiótico “cientificamente comprovado”.

Embora tenha aceitado o acordo, a empresa se recusou a admitir qualquer irregularidade.
7. Airborne

propagandas-falsas-7-838x838
Airborne é uma vitamina popular que atraiu clientes nos EUA com sua promessa de prevenir sintomas gripais, bem como evitar de pegar os vírus mais comuns da doença presentes em salas de aula, escritórios, aviões, etc. Mas não é um produto científico. Estas alegações foram feitas apenas pelo criador da vitamina, um professor de ensino fundamental.

Quando o caso sobre os supostos benefícios do Airborne foi levado à justiça, pesquisadores nomeados pelo tribunal mostraram que os comprimidos eram nada mais do que uma mistura de minerais, vitaminas e ervas. Logo após estes resultados serem divulgados pela mídia, Airborne começou a mudar seus anúncios e alterar a linguagem de sua embalagem, de “preventivo” para “impulsionador de imunização”. Isso porque quando a empresa alegou que o seu produto era capaz de prevenir a doença, o fez sem testes médicos ou científicos. No final, a Airborne foi forçada a pagar mais de US$ 23 milhões para encerrar o processo.

6. ExtenZe

propagandas-falsas-6-838x838
Este produto destina-se a esticar qualquer coisa – principalmente, você já imaginou, o membro masculino. O ExtenZe promete aos seus clientes do um prolongamento do pênis, mas não é de fato capaz de alterar a anatomia do órgão. Como resultado, o fabricante foi atingido com um belo processo por propaganda enganosa e forçado a pagar US$ 6 milhões em multas.

Hoje em dia, as pessoas ainda podem comprar ExtenZe, mas a empresa tem diminuído suas promessas sobre o desempenho do produto.
5. Classmates.com

propagandas-falsas-5-838x717
Existem muitas pessoas que querem revisitar os anos dourados e se reconectar com companheiros antigos de escola. Isso era exatamente o que Classmates.com queria permitir, uma plataforma americana que se destinava a ajudar as pessoas a encontrar antigos colegas, do jardim de infância à faculdade.

Não deu boa. Ao longo dos anos, a companhia foi processada mais de uma vez, especialmente por uma prática bastante cruel de predar financeiramente seus clientes mais solitários, alimentando falsas promessas de visualizações de perfil. Em 2008, uma ação coletiva foi movida contra a Classmates.com por atrair as pessoas para subscrições pagas, dizendo-lhes que ex-colegas estavam procurando por eles especificamente. A fim dos usuários se reconectarem com esses velhos amigos, eles tiveram que desembolsar US$ 15 para a versão premium.

No final, Classmates.com concordou em pagar US$ 9,5 milhões de indenização para os usuários, embora tenha negado qualquer irregularidade.

4. Red Bull

propagandas-falsas-4
Não é ético prometer coisas que não se pode fazer, como dar “asas” e a capacidade de “voar”.

Red Bull, a popular bebida energética, fez exatamente isso e precisou pagar uma indenização de US$ 13 milhões. Claro que ninguém estava realmente interpretando a propaganda literalmente. No entanto, o slogan da empresa sugeria fortemente que beber uma lata de Red Bull iria dar ao consumidor mais energia, clareza mental e aumento da concentração.

Quando nenhuma evidência clínica foi fornecida para apoiar estas alegações, a empresa foi condenada a reembolsar seus clientes em 2002.
3. Hyundai e Kia

propagandas-falsas-3-838x559
Quilometragem por gasolina e baixas emissões de carbono são dois fatores muito importantes nas mentes dos compradores de carro hoje. Assim, quando um cliente paga caro por seu novo veículo híbrido, ele certamente esperar obter o que lhe foi prometido.

Para Hyundai e Kia, essas promessas custaram gritantes US$ 100 milhões. O governo dos Estados Unidos e a California Air Resources Board foram atrás das corporações nos tribunais, por eles terem anunciado os resultados favoráveis, em vez dos resultados médios, sobre a quilometragem de seus veículos.

A Hyundai foi forçada a pagar US$ 58,6 milhões do total, e a Kia o restante. As marcas também perderam seus créditos de emissões de gases de efeito estufa, que valiam cerca de US$ 200 milhões. Devido à sua falsa propaganda sobre quilometragem, as companhias de carro foram responsáveis por colocar mais 4,75 milhões de toneladas de gases de efeito estufa na atmosfera do que inicialmente se acreditava.

2. Skechers

propagandas-falsas-2-838x478
Se apenas um calçado pudesse deixá-lo mais tonificado, não? Seria incrível. E foi isso mesmo que um produto chamado Skechers prometeu. O modelo chamado “Shape-ups” é um sapato que pode (supostamente) deixar seus usuários em melhor forma física, ajudando-os a perder peso e reforçando seus músculos. A empresa chegou até a afirmar que o tênis poderia melhorar a saúde cardiovascular das pessoas.

Como se não bastassem todos esses “benefícios”, Skechers também contou com a ajuda de algumas celebridades bem conhecidas para vender suas mentiras, como Brooke Burke e Kim Kardashian. No final das contas, a empresa foi obrigada a pagar US$ 40 milhões em tribunal por conta de suas reivindicações exageradas.
1. Volkswagen

propagandas-falsas-1-838x454
Entre 2008 e o final de 2015, a Volkswagen vendeu mais de 550.000 carros falsamente chamados de “diesel limpo” – inclusive, eles trapacearam para passar em testes de “emissões limpas”. Os veículos manipulados fizeram os motoristas pensarem que estavam diminuindo o impacto negativo das emissões de carbono no meio ambiente, quando estavam na verdade emitindo 40 vezes mais óxido de nitrogênio do que o nível permitido.

Sendo assim, as autoridades norte-americanas e europeias deram início a investigações criminais contra a Volkswagen. Nenhum valor foi acordado ainda, mas a companhia já reservou cerca de US$ 18 bilhões para cobrir seus honorários legais. [Listverse]

Fonte: HypeScience

Textos correlatos:

Motorista alcoolizado em 15% dos óbitos no trânsito.

Propaganda enganosa na saúde.

Tática sofisticada para vender mais alcoolismo.

A quem interessa o consumo abusivo de cerveja?

Mulheres e drogas: relações pessoais, sociais e tratamento.

Por que cervejeiro é empresário e dono de “boca de fumo” é traficante?

“Mídia e publicidade influenciam nos transtornos mentais”

Quem vende doenças?

Paulo Pimenta: “Brasil está de joelhos para a indústria da cerveja, agências de publicidade e mídia

“Beba moderadamente” não funciona.

 

Terapeuta pedófilo abusa sexualmente de 35 crianças

Terapeuta da fala acusado de abuso sexual de 35 crianças

Terapeuta
A Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa anunciou que foi deduzida acusação contra um técnico de diagnóstico e terapeuta da fala por dezenas de crimes de abuso sexual a crianças.

Numa nota publicada na página da internet, a PGDL diz que o Departamento de Investigação e Ação Penal de Sintra acusou o arguido de 38 crimes de abuso sexual de criança, alegadamente cometidos no exercício das suas funções, sobre menores de ambos os sexos, com idades compreendidas entre os 4 e os 7 anos.

“Indiciou-se suficientemente que o arguido, após os primeiros contactos com as vítimas, com dificuldades e atrasos na verbalização, iniciava com elas aquilo a que chamava de ‘uma brincadeira de cócegas’ ou ‘uma brincadeira de festinhas’, incutindo nas crianças de que se tratava de ‘um segredo’ entre eles, que não poderiam partilhar com ninguém”, frisa a PGDL.

Após ganhar mais confiança dos menores, o homem “avançou” nos abusos sexuais.

“Os atos foram praticados pelo arguido em instituições na área da Comarca de Lisboa Oeste (Sintra), onde o mesmo exercia funções, para onde as crianças eram encaminhadas pelos centros de saúde para lhes serem ministradas sessões de terapia da fala”, relata a nota.

Os supostos crimes foram praticados entre setembro de 2013 e 26 de maio de 2015, data em que o arguido foi detido e ficou prisão preventiva, medida de coação que ainda mantém.

Na acusação, deduzida a 25 de maio, o Ministério Público pediu a condenação do arguido na pena acessória de proibição de exercício de funções de técnico de diagnóstico e terapeuta da fala e pediu a recolha de ADN em caso de condenação por crime doloso com pena concreta de prisão igual ou superior a três anos.

O homem tinha cédula profissional emitida pela Administração Central do Sistema de Saúde.

Aquando da detenção, fonte da Polícia Judiciária explicou à agência Lusa que as vítimas eram pacientes do suspeito, de 29 anos, e que os crimes ocorreram no interior do consultório do presumível autor.
– Terapeuta da fala. Abuso sexual de crianças. Vitimas especialmente vulneráveis. Acusação. Comarca de Lisboa Oeste/Sintra – DIAP
No dia 25 de maio de 2016, o Ministério Público na 4.ª Secção do DIAP de Sintra, deduziu acusação contra um arguido, Técnico de Diagnóstico e Terapeuta da Fala, com cédula profissional emitida pela Administração Central do Sistema de Saúde, que, no exercício das suas funções e aproveitando-se delas, praticou atos de cariz sexual sobre 35 crianças do sexo feminino e masculino, delas abusando, incorrendo em 38 crimes de abuso sexual de criança, p. ep. No art. 171.º, n.º 1, do C.P..
Indiciou-se suficientemente que o arguido, após os primeiros contactos com as vítimas, com idades compreendidas entre os 4 e os 7 anos de idade, com dificuldades e atrasos na verbalização, iniciava com elas aquilo a que chamava de “uma brincadeira de cócegas” ou “uma brincadeira de festinhas”, incutindo nas crianças que se tratava de “um segredo” entre eles, que não poderiam partilhar com ninguém. Nas primeiras sessões, num processo gradual de ganhar a confiança dos menores, o arguido começou por apalpar o rabo e a zona genital dos menores, inicialmente fazendo-o por cima da roupa que traziam, quer fossem meninas quer fossem meninos. O arguido executou tais toques nas zonas íntimas dos menores como se de cócegas se tratassem e de idêntica natureza às outras cócegas que fazia por todo o corpo das crianças durante as sessões de terapia da fala. Em sessões posteriores, o arguido avançou na sua conduta, e passou a colocar a mão por dentro da roupa e a apalpar quer o rabo quer a vagina quer as mamas das meninas ou o pénis dos meninos, continuando a integrar tais toques na rede do “segredo” e da “brincadeira das cócegas” que desenvolvia com as vítimas. Posteriormente, o arguido, já com as crianças convencidas de que estavam numa brincadeira e que aquilo era um segredo entre eles, colocava as mãos por dentro das roupas dos rapazes e apalpava-lhes as mesmas zonas, quer o rabo quer o pénis, e fazia o mesmo com as meninas, ou seja colocava as mãos por debaixo da rouba e apalpava-lhes as mamas, a zona da vagina e o rabo, por baixo das cuecas, em contato direto com a pele. O arguido escolhia ainda crianças com maior dificuldade em se expressarem, por serem de maias tenra idade, ou que considerava mais facilmente influenciáveis, sobre as quais avançou ainda mais nas suas condutas, quer manipulando os genitais dos meninos e das meninas, quer exibindo o seu próprio pénis, solicitando às crianças que mostrassem os genitais ou ainda introduzindo o dedo no ânus de um dos menores, como veio a ocorrer.
Os atos foram praticados pelo arguido em instituições na área da Comarca de Lisboa Oeste, onde o mesmo exercia funções, para onde as crianças eram encaminhadas pelos Centros de Saúde para lhes serem ministradas sessões de terapia da fala.
Os atos foram praticados no período compreendido entre setembro de 2013 e 26 de maio de 2015, data em que o arguido foi detido e lhe foi aplicada a medida de coação de prisão preventiva.
O Ministério Público pediu a condenação do arguido na pena acessória de proibição de exercício de funções de Técnico de Diagnóstico e Terapeuta da Fala e pediu a recolha de ADN em caso de condenação por crime doloso com pena concreta de prisão igual ou superior a 3 anos.
O arguido aguarda os ulteriores termos do processo sujeito à medida de coação de prisão preventiva.
A investigação esteve a cargo da PJ com a direção do Ministério Público.

Fonte: Jornal de Noticias

Textos correlatos:

A Medicina, provavelmente, não está selecionando as pessoas certas.

Abuso infantil: a responsabilidade dos pais e da sociedade.

Prevenindo discriminações, totalitarismo, bullying e antissemitismo nas escolas.

A psicopatologia e o WhatsApp.

Discriminadores: um grupo que aumentará enquanto não houver interesse em prevenção.

O Natal aumenta a violência doméstica

Religião e laicidade: discriminação e violência.

 

Abuso infantil: a responsabilidade dos pais e da sociedade.

Algumas marcas nunca somem: campanha poderosa contra abuso infantil

Por Rogério Fonseca

AI 1

Uma luta que parece não ter fim é da violência e abuso sexual contra crianças. Infelizmente, esse problema não se restringe apenas ao Brasil.

Em diversas partes do mundo essa é uma questão muito delicada de ser resolvida.

Mas agora, essa luta conta com um forte aliado para conscientizar pais, responsáveis, crianças e toda sociedade envolvida direta e indiretamente com esse assunto.

Uma organização alemã não-governamental chamada Inocência em Perigo tem a meta de acabar com o abuso de crianças.
E eles não estão sozinhos nessa batalha. O pessoal da organização vai contar com a ajuda importante de uma agência de publicidade chamada Publicis Pixelpark.

A agência criou uma campanha de sensibilização contra todos os tipos de violência e abuso sexual contra crianças chamada “Some touches never leave” (em uma tradução livre seria algo como “Algumas marcas nunca saem”).

A campanha mostra de imagens instigantes de impressões de mãos feitas por agressores nos corpos de várias crianças.

O foco da campanha é educar não só os pais, mas também crianças e funcionários do governo para falar abertamente sobre o assunto e reconhecer que o problema existe.

a i 2

a i 3

a i 4

Fonte: Awebic

Textos correlatos:

Prevenindo discriminações, totalitarismo, bullying e antissemitismo nas escolas.

A psicopatologia e o WhatsApp.

Discriminadores: um grupo que aumentará enquanto não houver interesse em prevenção.

O Natal aumenta a violência doméstica

Religião e laicidade: discriminação e violência.