Conduta Discriminatória motiva correspondência entre psiquiatras.

Caro Telmo.
Obrigado pelos teus comentários sobre meu artigo na ZH de 5/4/14.
http://www.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default2.jsp?uf=1&local=1&source=a4466577.xml&template=3898.dwt&edition=24052&section=1012
Foste o responsável por ele (aliás como és pelo “tamanho do progresso publicado sobre o assunto”). Como idealizador e condutor do ‘Projeto Discriminação’ (ABP, 2007), solicitaste minha colaboração numa Mesa Redonda sobre o tema. Estudei e elaborei um trabalho, mas como a Mesa não saiu, não se concretizou minha contribuição.
O artigo teve essa intenção. Deu trabalho, pois o espaço era restrito. Mas deu para colocar os pontos psíquicos essenciais da Conduta Discriminatória e do teu Projeto. A começar por Freud, que foi o 1º a perceber e publicar tais aspectos: agressão narcisista/apocalíptica e a ‘denúncia’ da mesma como forma de inibi-la (fez o mesmo em relação ao suicídio e histeria).
Para finalizar (esta é minha colaboração com teu Projeto, pois novos compromissos me chamam).
Eis, abaixo, outra solicitação tua (formular um conceito para CD):
CD: Ato maldoso e agressivo pelo qual o sujeito atua fantasias de destruição da totalidade dos outros com vistas a um mundo narcisista pleno.
Parabéns pelo Projeto e pela condução, estimulando colegas, trabalhos e instituições a se voltarem para o (grave) problema.
Caso tu consigas alguma inserção governamental para o Projeto, além da psiquiátrica, acredito que terás melhores condições de desenvolvê-lo.
Um abraço do
Mabilde.

Mabilde
A tua sensibilidade e engajamento ajudarão a atenuar a repetição/manutenção do “grave problema” da Conduta Discriminatória.
E, possivemente, motivarão outros colegas a se interessarem pelo tema.
Freud foi, sem dúvida, um dos grandes inspiradores para pensarmos e desenvolvermos estas idéias.
O Projeto Discriminação tem como objetivo básico a criação de uma terceira instância inibitória da CD.
Gostei muito quando usastes, no artigo citado acima, a expressão “o homem é o lobo do homem”.
Cujo significado, em termos individuais, equivale a uma outra, mais ampla, de Freud.
“Todo indivíduo é virtualmente inimigo da civilização”.
Será que estas duas expressões ajudarão a pensar/ampliar/traduzir o conceito que sugeristes p. a CD?
O discriminador é o lobo do homem e inimigo da civilização?
Abraço
Telmo

Luiz Carlos Mabilde
Médico psiquiatra.
Psicanalista

Telmo Kiguel
Médico psiquiatra.
Psicoterapeuta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *