A quem interessa a legalização da maconha ?

No memorável poema “Morte e vida severina” o poeta João Cabral de Melo Neto coloca na boca do mestre Carpina o verso “difícil defender,
só com palavras, a vida”. Lembrei-me dele ao ler o discurso feito, na última assembleia geral da ONU, pelo Presidente do Uruguai, José Mujica. Trata-se de uma bela peça de oratória que foi muito elogiada, inclusive por amigos meus.
Menos badalado foi o encontro que Mujica teve, na véspera de seu discurso, com o megainvestidor George Soros. O motivo do encontro, pelo que li, na ocasião, nos periódicos uruguaios, foi para discutirem a política sobre drogas que o Presidente acaba de implantar no país vizinho.
No discurso fez um alerta contra o consumismo, na entrevista, aparentemente não se preocupou que o consumo, ao menos de maconha, aumentará no Uruguai, apesar de 63% da opinião pública ser contra.
Terminada a entrevista o megainvestidor elogiou a coragem de Mujica de “fazer do Uruguai um laboratório para o mundo”. E, acrescento eu, dos uruguaios, cobaias.
Neste grande debate internacional sobre diferentes formas de liberar a maconha está ficando cada vez mais claro quem são os protagonistas. De um lado, os profissionais da saúde a alertar que em todas as experiências internacionais ocorridas até agora houve aumento de consumo da droga. A ABEAD (Associação brasileira de estudos sobre o álcool e outras drogas), em boa hora, dedicou-se ao tema e evidenciou que isso ocorreu em Portugal, Reino Unido, Austrália, Holanda e nos Estados Norte-americanos que adotaram posturas liberalizantes. Do outro lado, além de usuários e de alguns defensores do “Direito de se drogar”, os demais protagonistas são porta vozes de interesses econômicos, seja de megainvestidores que vislumbram no negócio da maconha uma nova oportunidade de ganhar dinheiro, sejam empresas estabelecidas que já detém conhecimento na exploração de outro tipo de cigarro.
Portanto, não me parece que estejamos frente a um debate romântico intelectual sobre direitos, mas sim se somos a favor ou contra que o capitalismo selvagem passe a explorar este novo negócio mesmo que em detrimento da saúde da população. Afinal, há um século, a indústria do tabaco anunciava que cigarro fazia bem para a garganta e para afecções pulmonares como bronquites e asma. Agora se diz que maconha faz bem para determinadas doenças!
É mesmo difícil defender,
só com palavras, a vida.

Dr. Sérgio de Paula Ramos
Psiquiatra e psicanalista,
Doutor em medicina pela UNIFESP.
Membro do Conselho Consultivo da ABEAD.
Coordenador técnico da Villa Janus.

15 comentários em “A quem interessa a legalização da maconha ?”

  1. Sr. Sergio, o seu comentário apenas esqueceu de citar, ou o sr. desconhece, quem sabe, que o comércio já existe, que os traficantes do morro e da favela são apenas um pequeno ponto de uma rede de tráfico em que de fato figuram pessoas ilustres, políticos influentes e empresários de vários ramos. ou seja, o comércio já existe. e isso sem citar a violência que o tráfico ilegal gera. se não estou enganada, a permissão abrange uma quantidade pequena da dita droga, justamente para não configurar “comércio”.

  2. Argumentação bem rasa.
    – não há fontes das afirmações-chave;
    – os pesquisadores que afirmavam que o tabaco faz bem para algumas doenças não detinham praticamente nada da capacidade tecnológica atual;
    – o comércio de maconha já existe é só quem vive em condomínios de alto padrão pode “não ver” isso;
    – vários segmentos da indústria tem interesse na liberação da maconha, não só para fazer cigarros;
    – o capitalismo já é selvagem, inclusive entre os colegas de profissão do autor do texto;
    – o texto esquece completamente do benefício de enfraquecer o tráfico, preocupado motivo da legalização uruguaia.

  3. O comércio sempre existiu de forma completamente ilícita e muitas vezes comandada por políticos que se escondem por trás dos traficantes. Agora os políticos envolvidos apenas estarão “saindo do armário” e batendo no peito pra dizer “agora sou eu que comando”, embora isso já acontecesse as “escuras”. Mas só farão isso por que legalizou a maconha em alguns países e se no Brasil acontecer o mesmo, os nossos tão amados políticos também baterão no peito pois, se tudo continuar na mão dos traficantes, os políticos continuarão por trás da máfia do narcotráfico.

  4. O autor está muito mal-informado. Maconha é uma planta que pode ser usada no tratamento de dezenas de doenças GRAVES que afetam milhões de pessoas no mundo, e também é a fibra vegetal mais resistente conhecida, um dos motivos (mas não o único) pelo qual pode dar origem e MILHARES de produtos industriais, até mesmo casas, carros e biocombustíveis ECOLÓGICOS, entre outros. Países como Canadá, Israel, Inglaterra e até mesmo EUA já fazem uso medicinal/industrial da planta!!
    Além disso, não é inadmissível se proibir algo que faz parte da natureza??

    A teoria da “maconha como porta de entrada para outras drogas” defendida por alguns é uma grande bobagem. É claro que quase todos que cheiram cocaína e fumam crack usaram maconha antes, afinal a erva é algo muito mais popular e difundido do que cocaína e crack. Mas essas mesmas pessoas usaram álcool (que É uma droga) antes da maconha, e refrigerante (que mata milhares todo ano, ao contrário da maconha) antes do álcool. E aí? Por esse raciocínio da “porta de entrada” o vilão não seria então a cerveja ou o guaraná?? A verdade, porém, é que uma droga não faz a pessoa querer usar outra. Ao menos certamente não a maconha.

    Mais ainda: o Brasil é a quarta nação que mais encarcera pessoas no mundo, com uma população carcerária de aproximadamente 500.000 pessoas. Destas, cerca de 50.000 estão presas por consumo e/ou tráfico de maconha, uma planta com nível de toxicidade infinitamente inferior ao do álcool. Além do enorme custo financeiro e social de se manter estas pessoas presas, nos presídios estes indivíduos são capacitados no crime, saindo de lá muito piores do que entraram.

    Vejam alguns links que embasam o que digo:

    Globo: “Maconha pode frear câncer de mama, diz estudo”
    http://oglobo.globo.com/ciencia/maconha-pode-frear-cancer-de-mama-diz-estudo-4140573

    UOL/The American Journal of Medicine:
    “Fumar maconha reduz o risco de diabetes, segundo estudo”
    http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2013/05/20/fumar-maconha-reduz-o-risco-de-diabetes-revela-estudo.htm

    Carro ecológico feito de cânhamo (maconha):
    http://g1.globo.com/carros/noticia/2010/09/canada-apresenta-carro-eletrico-com-carroceria-de-fibra-de-maconha.html

    Casa ecológica feito de cânhamo (maconha):
    http://www.ecocidades.com/2010/12/03/uma-casa-construida-com-canhamo/

    BBC: “Maconha pode ajudar no combate ao câncer”
    http://www.bbc.co.uk/portuguese/ciencia/story/2004/09/040915_cancercl.shtml

    Ciência Hoje: “Cannabis combate falta de apetite provocada pela quimioterapia”
    http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=47626&op=all

    Terra Magazine: “Maconha eficaz contra câncer de próstata”
    http://terramagazine.terra.com.br/semfronteiras/blog/2009/08/23/maconha-eficaz-contra-cancer-de-prostada/

    Opera Mundi: “Maconha combate câncer agressivo, revelam estudos”
    http://operamundi.uol.com.br/conteudo/noticias/24435/substancia+da+maconha+pode+desacelerar+desenvolvimento+do+cancer.shtml

    Medic Supply: “Extrato de maconha para o tratamento do câncer de pele”
    http://www.medicsupply.com.br/profissionais-de-saude/central-do-conhecimento/extrato-topico-de-maconha-para-o-tratamento-do-cancer-de-pele/

    Superinteressante: “Os efeitos medicinais da maconha beneficiam pacientes de câncer, Aids, glaucoma e esclerose múltipla”
    http://super.abril.com.br/saude/quando-maconha-cura-441119.shtml

    Globo: “Maconha pode reduzir rigidez muscular da esclerose múltipla”
    http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2012/10/maconha-pode-reduzir-rigidez-muscular-da-esclerose-multipla.html

    SEDS-MG – Taxa de Mortalidade por Uso de Drogas: O álcool representa 55% das mortes em Belo Horizonte devido ao uso de drogas lícitas e ilícitas.
    http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2012/08/21/interna_gerais,312970/bh-e-a-2-capital-em-mortes-associadas-a-bebidas-e-entorpecentes.shtml

    1. Esqueceu de colocar o recente caso julgado pelo STF, em que permitiu que a brasileira Any Fischer de 5 anos, utilizar remédio a base de maconha. A menina tinha 60 convulsões por dia, e, com o tratamento, possou a ter no máximo 3.

      Por tal motivo, já vemos o quanto é fraco os argumentos desse senhor, sem embasamento científico, negando fatos e direitos. Certamente não é um texto relevante e não deve ser levado a sério.

  5. Dr Sérgio desde quando a maconha é permitida na Austrália? Este é o tipo de texto estúpido baseado em preconceito que tenho visto em todos os lugares. Porque não colocar um link para a pesquisa ou ao menos os números?
    Hoje em dia a maconha é “proibida” por lei e enquanto ela é proibida civis estão morrendo nas favelas por causa da tal “luta contra o tráfico”. A maconha é fumada no Brasil e em outros lugares e sempre será. A diferença de ter a proibição por lei ou não é apenas os usuários sofrerem abusos da polícia, o governo não poder taxar as drogas (o dinheiro poderia ser usado neste teu “Problema de Saúde Pública” , teu porque nunca vi alguém indo para o hospital por overdose ou por ter consumido maconha por vinte anos) e pessoas doentes (veja os estudos e veja os casos reais) que poderiam ter uma qualidade de vida melhor usando a maconha em virtude de usa doença estão passando por maus bocados para se medicarem. A maconha só é proibida hoje ainda por causa deste tipo de opinião, não baseada em números e estudos mas, preconceito, achismo e etc.

  6. É triste. Autor está de parabéns. Já fui usuário deste atraso que pra muitos é uma moda, sei lá.
    É incompreensível que queiram que seus filhos utilizam esse efeito retardado que ela gera e pra quem diz que esse comércio já existe, me diga qual traficante ficou rico vendendo maconha? Ou vão querer liberar o crack e a cocaína também?
    Penso, será que são os traficantes os respondões oposicionistas a este artigo?
    Abraço

  7. Liberação da maconha (e sua produção e distribuição pelo ESTADO!!! – ler Admirável mundo novo) não é a única política criada pelos Soros, Fords, Guggenheims e Rocfellers da vida e abraçada pelas esquerdas mundiais.
    Mas os idiotas úteis não enxergam isso, aliás não enxergam nada à sua volta, senão não seriam idiotas úteis.
    Também, descobrir que o resultado de suas “lutas” durante uma vida toda só trarão ruínas teriam um imenso dano às suas mentezinhas, como aconteceu em outros tempos e em outros lugares…

  8. Esse autor é um bobalhão. Flexibilizando-se o uso da referida droga, acaba-se por tirar o véu de mistério e proibição e democratizar a discussão ou melhor, humanizá-la. Vá até a esquina e topará com pessoas que tiveram sua vida dilacerada..não pelo consumo da mesma, mas por ter sido encarcerado junto a gente da pior espécie, assassinos, marginais, por causa de seu consumo (não inclui os políticos e os melhoradores de mundo..que de longe, são os piores) . Quem não conhece gente que a usa nas horas de lazer sem molestar quem quer que seja? Existe “muita” gente “insuspeita” que a usa, todos sabem disso. Tendo uma discussão mais madura sobre o tema, servirá e muito, para alertar sobre o perigo de “outras” drogas, muito mais mortais, perigosas e outras que são sabidamente legais, como o alcool e cigarro.

    1. Títulos realmente não trazem a mínima inteligência e isso é corroborado pelo texto de nosso amigo, cheio de opiniões limitadas. Entretanto, o limitado é sempre cego e defenderá sua tese quase que de forma ditatorial.

      Diz o autor que os uruguaios serão a cobaia do mundo. Será que ele realmente tem uma visão mais crítica e geral da proibição, que não seja limitada a maconha? Duvido. Sabemos do tremendo caos que foi a Lei Seca nos Estados Unidos, em que a máfia dominava o comércio ilegal de álcool, tento grande influência no cenário político local, influenciando policiais e governantes. A violência era a regra para se manter o comércio, uma vez que a substância era criminalização.

      Outro fato que parece o autor desconhecer, é que nos Estados Unidos o estado do Colorado legalizou a maconha, tanto para fins recreativos, como medicinais. Não obstante, vários outros Estados já a legalizaram para fins estritamente medicinais, entretanto, já foi demonstrado por diversas reportagens e inclusive no desenho “South Park” que qualquer adulto consegue acesso a dita “maconha medicinal” sem nenhum esforço. Na verdade, existem médicos especialistas apenas nessa área.

      Ou seja, há, na verdade, uma legalização nos Estados Unidos para fins medicinais, porém esse política restritiva realmente não funciona. O consumo de cannabis é praticamente legalizado, apenas leva a restrição “medicinal”. Em Portugal e na Holanda a maconha é praticamente legalizada e o acesso é simples e fácil. Nos dois países, mormente em Portugal, o acesso generalizado da maconha não foi um problema, muito pelo contrário, houve resultados extremamente positivos. Enfim… acredito que nem vale a pena cometar o restante do texto, pois o autor realmente é um zero à esquerda, limitado e, por tal motivo, burro. Compara a maconha com cigarro… é dose né. Sabemos claramente que o STF julgou um caso recentemente da menina Ana Fisher e que foi provado por A+B o resultado mais do que positivo no tratamento de cannabis em determinados tipos doenças. A menina que tinha 60 convulsões por dia, passou a ter uma ou duas, com o tratamento. Diferente do que o cigarro, a maconha abre o apetite e realmente reduz o enjoo, o que é excelente para pacientes de quimioterapia.

      Bom, esse texto realmente não deve ser levado a sério, é mais uma palhaçada do que algo realmente factível e confiável. Quero deixar um documentário do History Channel que inclusive desmonta TODOS os argumentos LIMITADOS desse senhor. A propósito, esse documentário é baseado em FATOS e não em opiniões de um sujeito pró proibição. Assista amigo, talvez você aprenda algo:

      http://youtu.be/gNeLRtq523Y

  9. Do ponto de vista pessoal, o qual creio que seja o de muita gente, apenas não compro erva para evitar contato com foras da lei. Se é para proibir em nome da saúde, então que se proíba tudo, cigarro e álcool principalmente. O que incomoda na erva é que, se bem empregada, com parcimônia, estimula o raciocínio, e muitos músicos de jazz bem o sabem. Como entender certas frases de John Coltrane sem estar empedrado (stoned) de alguma maneira? A erva tem um potencial subversivo que desagrada a classe média, por isto foi selecionada para ser proibida, não por acaso.

  10. À parte plantadores, traficantes, financiadores e policiais corruptos, que lucram com esse mercado clandestino, a quem mais interessa manter a maconha na ilegalidade?

  11. Levantar questões pertinentes sobre a liberação da maconha é de fato algo muito difícil, ainda mais quando temos que tratar com um bando de embotados recém saídos do pré primário. Estufam o peito dizendo que usar o cigarro como exemplo não algo é válido. Ora retardados o que é a comparação senão a obtenção de exemplos factíveis, mensuráveis e sobretudo, similares partindo de um objeto ou de alguma coisa! Ou seja, o cigarro é o objeto mais factível, mensurável e similar ao ”cigarro de maconha” por isso exemplo de seu uso! Ou vocês queriam que a maconha fosse comparada a uma nave espacial? Uma colocação como essa só poderia ser imaginada por um bando de adictos!

    Lamentável!

    E outra, o que foi abordado no texto, e com grande perspicácia por parte do autor foi o aspecto econômico e a ingerência que o lobby causa em diversos governos, interesse esse que vai contra os interesses da maioria de uma população, o que também foi muito bem destacado pelo autor. E contra isso nenhum dos ”doutores da alegria ” argumentaram. Por que será?

    A planta pode ser usada no tratamento de diversas doenças?A planta? Santa burrice!!

    Mais uma das tantas colocações esdrúxulas e estúpidas de quem não sabe a diferença entre erva e remédio, entre planta e princípio ativo. Destacaram o caso da menina Any Fischer que com o uso de um ”remédio” à base de canabidiol melhorou sua condição. A pergunta que eu faço aos Doutores da Alegria é: Como foi administrado esse medicamento? A Menina fumou o canabidiol? Ou ele é um composto similar a um óleo colocado debaixo da língua? Só falta algum desses doutores da meia pataca afirmar que a menina fumou o medicamento. Isso seria o fim da picada, ou a última tragada, como queiram!

    Enfim debater com gente ignorante é disso para baixo.

Deixe uma resposta para jonas Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *