O Grande Médico que saiu de Rio Pardo para o Mundo.

 Aos 74 anos, Ciro Carlos de Araujo Quadros, esse pequeno grande gaúcho, natural de Rio Pardo, faleceu dia 29 de maio de 2014 em Washington D.C, onde residia. Veio jovem ainda para Porto Alegre, tendo ingressado na Faculdade Católica de Medicina no ano de 1961(Hoje Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Ciências da Saúde) e fez parte da primeira turma de formandos no ano de 1966.

Em 1967, decidiu-se pela Saúde Pública e contratado pela Fundação de Serviços de Saúde Pública foi trabalhar como médico-chefe da Unidade Sanitária da Fundação Serviços de Saúde Pública (FSESP) em Altamira, interior do Pará.

Em 1968 pós graduou-se  como Mestre em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro.

Em 1969 implantou a Unidade de Vigilância Epidemiológica do  Paraná , responsável para investigação e bloqueio de surtos de varíola, como parte da Campanha de Erradicação.

Em 1970 , foi contratado como “Chief Epidemiologist” pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para coordenar a erradicação da varíola na Etiópia . A partir daí o  Dr. Ciro de Quadros, como ficou mundialmente conhecido, começa sua trajetória para o reconhecimento mundial como um dos maiores nomes da área de saúde pública. Foram sete anos de trabalho na Etiópia e apoiando outros países africanos e asiáticos, como a Somália e Bangladesh.

 

O Dr. D.A, Henderson que foi o chefe na Organização Mundial da Saúde(OMS), da campanha de erradicação da varíola no mundo, declarou para o Washington Post no dia 30 de maio: “Na Etiópia, os obstáculos foram inacreditáveis – o imperador assassinado, dois grupos revolucionários em luta, nove de suas próprias equipes sequestradas, até um helicóptero capturado e mantidos como reféns. Ciro manteve as equipes em campo – e o piloto do helicóptero saiu para vacinar todos os rebeldes. “

Em 1977, em função de seu exitoso trabalho na África e Ásia foi contratado como Assessor do programa de imunizações e assumiu a chefia do Programa Ampliado de imunizações (PAI), em Washington. Viajou por todos os países latino-americanos  para  estabelecer protocolos de vacinação, universalmente reconhecidos. Dentre os inúmeros acertos do PAI, está a realização da  Campanha de Erradicação da Poliomielite  em todos os países latino-americanos com base no exitoso modelo brasileiro de Campanha de Vacinação contra a Poliomielite .

“”Eu acho que o Ciro realizou nas Américas foi nada menos que um milagre”, disse Henderson. “Eu nunca vi qualquer outra pessoa fazer o que Ciro fez.”

Em 1994 foi nomeado diretor do Programa Especial de Imunização e Vacinas da OPS e entre 1999 e 2002, ano de sua jubilação, foi diretor da Divisão de Vacinas e Imunização da Organização.

Em 2003 assume o cargo de Vice-Presidente executivo do Sabin, Vaccine Institute.

O sucesso do modelo de campanha de vacinar toda a população menor de cinco anos em um dia, levou à erradicação da poliomielite da Região das Américas e os programas de vacinação ao controle ou eliminação de todas as doenças, principalmente as da infância, passíveis de prevenção pelo uso de vacinas.

Se o mundo flerta com a erradicação da poliomielite, doença que provoca a paralisia infantil e faz você correr com seu filhinho aos postos de saúde para “tomar a gotinha”, saiba que por trás disso está um homem nascido há 72 anos, em Rio Pardo, às margens do Rio Jacuí. Ciro de Quadros, epidemiologista formado na atual Universidade Federal de Ciências da Saúde, hoje, 99% do planeta está livre da doença — incluindo toda a América Latina”. Um dos líderes da campanha mundial pela erradicação da pólio, Quadros é vice-presidente do Instituto Sabin e morou em Washington. A cada frase ele demonstra, no conteúdo, a humildade de quem não sente necessidade de alardear conquistas. Na forma, o sotaque, especialmente nos finais das frases, indica: já faz décadas que vive nos EUA, onde teve suas duas filhas.

 
Força de Gates

O milionário e filantropo americano Bill Gates, fundador da Microsoft, sensibilizou-se pela causa de Quadros e abriu a carteira. O anúncio foi feito na casa onde um dos mais importantes líderes da história mundial, o presidente americano Franklin Delano Roosevelt, tratou-se da pólio. Roosevelt, aliás, foi uma exceção: pegou a doença aos 39 anos. Na maior parte das vezes, quem a contrai são crianças, o que a leva a ser conhecida também pelo nome de paralisia infantil — sua letalidade alcança entre 5% e 10% dos infectados pelo vírus.

A entrada de Gates na campanha elevou o otimismo do gaúcho, que teve um encontro com o “mecenas da pólio”. Por essas e por outras, a previsão de dois anos para a erradicação. Depois, mais alguns anos, segundo ele, para a tal da gotinha se tornar página virada da história familiar de cada um de nós. (Trecho de entrevista concedida à ZH em 2012)

 

O Dr. de Quadros , o homem que saiu de Rio Pardo para o mundo, liderou o desenvolvimento da vigilância epidemiológica e estratégias bem sucedidas para a erradicação da varíola no mundo, e erradicação da poliomielite e do sarampo na Região das Américas.

O ser humano

            Desde os tempos da Faculdade Católica de Medicina na década de 1960, em Porto Alegre, Ciro manteve seu jeito simples e brincalhão. Sempre com o sorriso aberto e uma incrível disposição para o trabalho. Agregador por natureza, por onde andou deixou amigos e reconhecimento. Volta e meia nos pagos reunia-se com seus colegas de turma e o destino era um bate-papo descontraído,  para matar a saudade, acompanhado do churrasco, do qual não abria mão.

Na Organização Pan-americana da Saúde, comandou desde Washington uma equipe de consultores sediados em quase todos os países latino-americanos, envolvidos em atingir as metas do Programa Ampliado de Imunizações. Conhecedor profundo da área e com grande capacidade de liderança tinha o respeito e a admiração de seus comandados.

Seu imenso saber o levou a conquistar reconhecimento acadêmico.

Foi Professor Adjunto Associado da Escola Johns Hopkins de Higiene e Saúde Pública, em Baltimore , e Professor Adjunto do Departamento de Medicina Tropical da Faculdade Universidade George Washington de Medicina e Ciências da Saúde em Washington, DC

Participou de mais de 100(cem) conferências em todo o mundo e recebeu inúmeros prêmios internacionais, alguns aqui mencionados:

Recebeu o Prêmio Príncipe Mahidol da Tailândia (1993)

Medalha de Ouro Albert B. Sabin (2000).

Prêmio Fundação BBVA Fronteiras do Conhecimento na categoria de Cooperação e Desenvolvimento, por liderar a eliminação da poliomielite e sarampo das Américas e por ser um dos cientistas mais importantes na erradicação da varíola em todo o mundo.

No Brasil foi premiado com a mais alta láurea concedida a civis, a Ordem do Rio Branco.

Recebeu, o Título de Doutor Honoris Causa pela Fundação Oswaldo Cruz e o mesmo título pela Faculdade de Medicina da Universidade de Ciências da Saúde em Porto Alegre.

Condecorado com a Medalha Oswaldo Cruz na categoria Ouro.

No Rio Grande do Sul foi agraciado com a medalha “Negrinho do Pastoreio”

Citações em revistas de Saúde Pública

“A varíola foi talvez a doença mais terrível que assolou a humanidade até que, em uma obra mestre de coordenação e esforço internacional, ela foi erradicada. O Dr. Ciro de Quadros teve um papel muito importante neste processo, pelo qual poderemos aprender não somente os fascinantes aspectos históricos desta experiência, mas também os  ensinamentos para as campanhas em curso de controle e erradicação de outras doenças”. Ciro de Quadros citado em a Saúde do Mundo em 1980.

Citações de Ciro Quadros

“O que se sente ao contribuir para erradicar uma doença que causou milhões de mortes é indescritível. Se tem a sensação do dever cumprido e anima a continuar trabalhando para melhorar a saúde global”, declarou em 2012 ao receber o prêmio da Fundação BBVA.

“O século XXI será conhecido como o século das vacinas.  Às muitas que já temos é preciso somar as que estão sendo pesquisadas como, por exemplo, contra o câncer de estômago ou de fígado. Há doenças que consideramos crônicas ou degenerativas e que começamos a descobrir que são devidas a agentes infecciosos contra os quais podem ser criadas vacinas”.

“Se o campo da epidemiologia fosse o da música, a equipe que trabalhou para a erradicação da varíola seria nada menos que os Beatles”.

Citações de colegas:

“Uma figura merecedora de todas as homenagens, como o maior líder da Saúde Pública de nossa geração”. João Baptista Risi Jr.

“Fico muito triste com esta notícia. Desde então minha memória, seguidamente, tem trazido  imagens do Ciro em vários momentos da nossa convivência. Sempre o mesmo, afetuoso, sorridente, orgulhoso com o seu trabalho na   prevenção de doenças e feliz com sua família. Choro quieto a dor desta perda e me sinto privilegiado por ter sido contemplado pela sua amizade.” Saul Cypel

“A Saúde Pública está de luto.”  José Fiusa Lima

 

Fica a lembrança do grande médico que foi, orgulho para nossa medicina, faculdade e AD66. Edmundo Laranja

 

O falecimento do Ciro me entristece muito. Guardarei algumas lembranças que o distinguia entre nós. Mauro Keiserman.

 

Não conheço médico brasileiro que tenha recebido esta distinção. Leopoldo Piegas, referindo-se à página inteira de entrevista concedida por Ciro Quadros à Revista The Lancet, em 2001, uma das mais importantes revistas de medicina do mundo).

Grande figura. Eu me orgulho de ter sido influenciado e depois ter passado a pertencer à geração de sanitaristas que ele tão bem representava. Jair Ferreira.

Ciro Carlos de Araujo Quadros, deixou um legado de liderança e simplicidade,  afável e decidido, um mestre na formação e no exemplo, um homem a serviço da humanidade.

 Airton Fischmann, médico

Mestre em Saúde Pública

Ex-consultor da Organizacão Panamericana da Saúde 

 

4 comentários em “O Grande Médico que saiu de Rio Pardo para o Mundo.”

  1. Seu perfil de personalidade se evidenciava pela simplicidade, espontaneidade e simpatia no trato e no relacionamento pessoal. Era um papo agradável e interessante pelas novidades que sempre trazia na sua área profissional e pelas experiências vividas em suas andanças pelo mundo, cumprindo tarefas no campo da epidemiologia. Sempre que podia, procurava encaixar em seus roteiros de viagens pela América do Sul um ou dois dias para ficar em Porto Alegre, a fim de encontrar seus amigos, familiares e colegas. Com antecedência anunciava o dia em que chegaria e convocava amigos e colegas de faculdade para confraternizar em algum restaurante, matando a saudade da gastronomia gaúcha e atualizando as notícias com seus companheiros. Outras vezes, reunia-se com seus familiares em Porto Alegre ou em Rio Pardo, onde seus irmãos e sobrinhos patrocinavam bons momentos ao redor de uma churrasqueira. Quem o conheceu mais proximamente percebia o seu entusiasmo pelo trabalho, a obstin
    ação que demonstrava na execução de suas metas, o seu amor pela vida, a sua alegria de viver intensamente cada momento de lazer que pudesse ter em meio a seus compromissos profissionais. Mesmo sabedor da evolução irreversível de sua doença continuou exercendo suas atividades habituais, tendo viajado a vários países, dando conferências, enquanto teve forças, até 3 semanas antes de sua morte. Sua trajetória existencial foi fantástica. Perde-se um grande cientista, preocupado com a equidade social e que lutou para que todos os países se organizassem na prevenção de doenças através de programas permanentes de vacinação.

  2. Perdemos Ciro de Quadros um grande amigo e colega ! Foi uma honra, um prazer, uma felicidade e também uma sorte ter convivido e trabalhado com o amigo, o grande coordenador do Programa Ampliado de Imunização nas Américas! Ciro sempre um ótimo professor e mestre de todos nós que tivemos a felicidade de trabalhar no PAI sob a coordenação, a orientação e a firmeza dos objetivos e metas que tínhamos que atingir! Ciro de Quadros é e foi um exemplo de vida dedicada a saúde da população mundial como verdadeiro compromisso de vida. Com Ciro aprendemos o que é realmente Saúde Global!

    CIRO VIVE! VIVE EM NÓS QUE TIVEMOS A HONRA E A FELICIDADE DE TRABALHAR E APRENDER SOB A SUA CLARA, OBJETIVA, FIRME E CARINHOSA LIDERANÇA!!! =>DEVERIAMOS TER CLONADO O CIRO DE QUADROS, O TRANSFORMANDO EM VÁRIOS CIROS E ASSIM PODERIAMOS TER MAIS RÁPIDAMENTE VÁRIOS PROGRAMAS TÃO BEM SUCEDIDOS COMO O PROGRAMA AMPLIADO DE IMUNIZAÇÃO E COMO O SEU DERIVADO O PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO (O PAI – BRASIL).

    =>CIRO DE QUADROS É E FOI A MINHA MELHOR ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA!!!

    Eduardo Severiano Ponce Maranhão- Um vacinador do PAI-Dpto de epidemiologia e métodos quantitativos de saúde-Ensp-Fiocruz->Grupo do PAI e APS na Ensp-Fiocruz

  3. Este é o nosso verdadeiro super-herói que cada criança deveria ter um poster no quarto.Divulgarei com imenso carinho que ele também fez algo por mim.

  4. A perda de alguém do circulo de nossas relações sempre é um momento de tristeza. Em se tratando de uma profissional dedicada a uma causa nobre na área de saúde pública, como a prevenção de doenças em crianças em países carentes, este sentimento se torna ainda maior.

    Embora contemporâneo do Ciro na Faculdade de Medicina da URGS tive pouco contato com ele na sua longa e exitosa trajetória como médico de saúde pública. Lembro-me, porém, de bom grado de um encontro singular no escritório da OPS em Washington em 1977, onde estive em função da tuberculose, quando batemos um longo gostoso papo. Ele tinha recém chegado da Etiópia/Somália onde liderou a serviço da OMS a extinção da varíola, que foi considerada oficialmente erradicada no mundo em 1980. Devido ao seu trabalho brilhante e até arriscado -em função das condições hostis vigentes naqueles países da África- ele havia sido contratado como Assessor pela OPS para se engajar no Programa Ampliado de Imunização (PAI) nas Américas.

    Portanto, entendo como mais que oportuna a iniciativa do Dr. Airton Fischmann de divulgar sua história prestando-lhe assim uma merecida homenagem póstuma.

    Dr. Werner Paul Ott

    Médico de Saúde Pública aposentado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *