Mulheres e drogas: relações pessoais, sociais e tratamento.

Mulheres e Drogas. Confira as recomendações da ABEAD para o tratamento resolutivo 

 

Alessandra Diehl e Selene Barreto, Analice Gigliotti, José Mauro Braz, Luís Guilherme, Maria Ângela Madeira Ribeiro, Ana Cristina de Melo, Ana Carolina Schmidt, Thais Simões, Margarida Inocência Constâncio, Ana Cecilia Petta Roselli Marques

Os dois levantamentos nacionais recentes sobre Álcool e Drogas (I e II LENAD, 2006; 2013) mostraram que 29% e 39% das mulheres ingerem bebida alcoólica frequentemente no Brasil, respectivamente. O padrão de consumo em binge (quatro ou mais doses em um intervalo mínimo de duas horas, semanalmente ou mais), aumentou 36% entre as mulheres, especialmente entre as mais jovens, muito maior que aquele encontrado entre homens. Em relação ao tipo de bebida alcoólica mais consumida, a cerveja é a mais consumida pelos dois gêneros em todo o país. Porém, mulheres consomem mais vinho em relação aos homens, mais drogas lícitas, principalmente anfetamínicos e benzodiazepínicos, hoje um dos países que mais consome clonazepam no mundo (CARLINI et al., 2006; NAPPO et al., 1998; NOTTO et al., 2002; INCB, 2009).

Vulnerabilidades Físicas, Biológicas e Genéticas

Apesar das taxas de consumo de substâncias de abuso entre as mulheres se aproximarem cada vez mais dos homens, elas ainda bebem menos, mas adoecem mais cedo e de forma mais grave – o efeito telescópico (ZILBERMAN et al., 2003; LARANJEIRA et al., 2011; DAVIS, 1998). Algumas diferenças entre os gêneros podem ser relacionadas ao fenômeno, como o menor volume de água corporal, o aumento da razão corporal gordura/água, a menor quantidade da enzima álcool-desidrogenase, responsável pelo metabolismo do álcool no estômago, e a interface do álcool com os hormônios femininos (estrógenos e progesteronas), que aumenta o dano hepático (GIGLIOTTI et al., 2007; KANDALL,2010).

Os estudos genéticos sobre alcoolismo envolvendo gêmeos monozigóticos mostraram maior influência genética nos homens do que nas mulheres, com hereditariedade estimada em 11% para mulheres (TUCHMAN, 2010; Hesselbrock et al., 2013). Usuárias de drogas ilícitas são mais prováveis de apresentarem uma família mais disfuncional e falta de modelos parentais de identificação do que seus companheiros homens em tratamento (GUIMARAES et al., 2009).

Vulnerabilidades Psicológicas e Psiquiátricas

O início do uso entre mulheres tem sido associado a um mecanismo de enfrentamento da timidez, da ansiedade, de baixa autoestima (ZILBERMAN et al., 2003a). Meninas adolescentes estão sob a influência da mídia em relação ao álcool, tabaco e anorexígenos, que associam o consumo à beleza, riqueza e sucesso profissional (NAPPO et al., 2002; BRAILIANO et al., 2005).

Os transtornos psiquiátricos tendem a ser a morbidade primária e a dependência, a secundária, ao contrário dos homens (ELBREDER et al.,2008; KANDALL,2010; ZILBERMAN,TAVARES, BLUME, 2003). O consumo de álcool e drogas também se encontra mais associado à comorbidades psiquiátricas como os transtornos do humor (mania e depressão), de ansiedade (pânico, fobias e transtorno do estresse pós traumático) e transtorno de personalidade borderline, um preditor de pior desfecho nos tratamentos (ZILBERMAN et al., 2003b).

Vulnerabilidades Sociais e Culturais

Apesar das conquistas das mulheres em relação à sua emancipação, ainda sofrem com a desvantagem social devido a uma cultura ainda muito preconceituosa e discriminatória: “a mulher não pode se embriagar”. Falta de apoio do cônjuge para o início de um tratamento e o sistema de saúde carece de serviços especializados (BRAILIANO et al., 2006; OLIVEIRA et al., 2005; ALMEIDA et al., 2009; ROSA, 2008). Assim, buscam menos o tratamento, fazem segredo sobre ele, os estudos científicos são raros, e o medo em relação à perda de seu papel de mãe e esposa é frequente (ZILBERMAN et al., 2003a; ZILBERMAN et al., 2003b).

O I Levantamento Nacional do Consumo de Álcool na população Brasileira (I LENAD, 2006) mostrou que os homens consumiam álcool em 38,1% dos casos de violência entre parceiros íntimos (VPI) e as mulheres em 9,2%. Com relação à percepção de consumo de álcool pelo companheiro/a, o homem informou consumo de álcool pela parceira em 30,8% dos episódios de VPI, e a mulher informou que o seu parceiro ingeriu álcool em 44,6% desses episódios (ZALESKI, 2009).

A relação de gênero, violência doméstica e drogas é bem estreita (FONSECA, 2009; RABELLO et al., 2007). Cerca de 43.1% das mulheres brasileiras já sofreram violência doméstica, versus 12.3% dos homens (ALMEIDA et al., 2009). O uso de álcool tem relação com agressão/violência sexual dirigida a parceiros íntimos, cujos agressores homens que relataram níveis baixos de pleno estado de consciência durante o episódio. No caso das mulheres dependentes de álcool e outras drogas estudos mostram que muitas se relacionam com homens também usuários, aumentando o risco de conflitos e violência, podendo muitas vezes o próprio cônjuge ser o fornecedor da droga, ou utilizar a mulher como moeda de troca com traficantes ou ainda, os cônjuges e outros familiares muitas vezes não toleram a condição de dependência da mulher e as agridem (ALMEIDA et al.,2009; CAMPOS et al., 2010).

Pesquisas com profissionais do sexo revelam que um dos principais motivos do consumo de drogas é a emoção/situação negativa vivenciada na prática da profissão (BUNGAY et al., 2010; DEERING et al., 2011). No caso de usuárias que inicialmente não se prostituíam, a troca de sexo pela droga se tornou uma estratégia para obtenção da substância (SILVA, 2000). Verifica-se a expansão do consumo de crack entre profissionais do sexo justificado pelo fácil acesso e baixo custo da droga, pela aceitação da troca do sexo pela droga, e pela preferência de clientes usuários de substâncias (OLIVEIRA et al., 2007; NAPPO et al.,2011).

Vulnerabilidades durante a gestação

Qualquer consumo de droga durante a gestação, principalmente no primeiro trimestre, pode causar alguma alteração na formação do feto, provocando diferentes graus de lesões, abortos espontâneos ou mortalidade perinatal, pois tais substâncias atravessam todas as barreiras biológicas, como a placenta (vulnerabilidade fetal) (LIMA, 2008; LIMA, 2013).  O álcool e o tabaco são as drogas lícitas que mais estão associadas às malformações orgânicas, principalmente, as neurológicas (cerebrais), como por exemplo, a Síndrome Alcóolica Fetal (SAF). Segundo dados de estudos americanos e europeus, a incidência de SAF varia entre 2 e 10 casos por 1.000 (mil) nascimentos vivos (LIMA, 2013, LIMA, 2018). A situação no Brasil é preocupante, levando-se em conta que a cada ano surgem cerca de 3 milhões de mulheres grávidas no país, e que pelo aumento constante do número de consumidores de bebidas alcoólicas, e utilizando a incidência esperada, surgem no Brasil a cada ano, cerca de 30 mil casos de SAF (LIMA, 2008; LIMA, 2013).

Aspectos Relacionados à Sexualidade

Na sexualidade da mulher usuária de álcool e outras drogas há de se considerar ainda dois outros aspectos importantes: o aumento do número de parcerias sexuais sem proteção, e consequentemente, infecções pelo vírus HIV, gestação não desejada, principalmente entre adolescentes, trazendo um imenso ônus psicossocial tanto para meninos quanto para meninas (SANTORO & LOPES, 2013; NAPOLI et al., 2010; SANCHEZ et al., 2013). Gestantes usuárias de drogas têm prevalência de comportamentos de risco específico e o risco adicional de transmissão perinatal do HIV (NAPPO et al., 2011; NAPPO et al., 2001; BRASILIANO et al., 2006).

A prevalência de 34.2% sintomas de disfunção sexual em uma amostra nacional de mulheres com doença relacionada com a substância psicoativa foi comum e comparável a outros estudos relatados em todo o mundo, que relataram taxas de prevalência de sintomas de disfunção sexual feminina de 12-63%. (DIEHL et al., 2013). Apesar de que a disfunção sexual feminina foi investigada em grupos de mulheres com vários problemas de saúde (síndrome dos ovários policísticos, diabetes, HIV e câncer de mama), as mulheres com transtorno por uso de substâncias representam uma população única para fatores de vulnerabilidade e que continua a sofrer das baixas taxas de detecção e acesso limitado ao tratamento para questões relacionadas as disfunções sexuais (DIEHL et al., 2013). Com relação a orientação homoafetiva em mulheres cabe mencionar que várias pesquisas têm mostrado que lésbicas estão sob risco elevado para o beber nocivo ou perigoso, são menos prováveis de se manterem abstinentes do álcool e entrar em processo de recuperação comparada às mulheres heterossexuais, assim como, menos prováveis de diminuir o consumo de álcool quando envelhecem e mais propensas a apresentarem problemas relacionados ao consumo desta substância (DIEHL, 2010).

Tratamento

Levando em consideração as características específicas associadas às mulheres e sabendo que buscam menos ajuda para as questões relacionadas às drogas, espera-se que na elaboração de políticas preventivas e assistenciais se observe as seguintes recomendações (ASHLEY et al., 2003; GREENFILD et al., 2007; DIEHL et al., 2012; BRASILIANO et al., 2006; LIMA, 2013):

  1. Treinamento de equipes multidisciplinares de saúde e educação para abordagens específicas;
  1. Prevenção voltada às meninas na educação Infantil e Fundamental e na comunidade;
  1. A adoção de equipe feminina, pois facilita a identificação positiva (“female role models”);
  1. A realização da detecção precoce nos serviços de atenção primária à saúde, tanto nos programas de Ginecologia, como de Obstetrícia (pré-natal) e Psiquiatria;
  2. A Assistência deve incluir nos programas as necessidade das mulheres como os temas de economia doméstica, relacionamento familiar, entre outros, e preparar-se para o cuidado dos filhos;
  3. Incluir nos recursos ligados à assistência, o suporte jurídico e social;
  4. Não existe nenhuma terapêutica específica para a SAF, mas a criança afetada e sua família necessitam de: intervenção precoce e seguimento aprofundado no pré-natal, antes dos seis anos de idade; estabilização da família; orientação contínua para a manutenção de ambiente estável (sem interrupção do acompanhamento com mudanças de residência), a monitoração do abuso sexual e/ou violência física;

Referências

ASHLEY OS, Marsden ME, Brad TM. Effectiveness of Substance Abuse Treatment Programming for Women: A Review. THE AMERICAN JOURNAL OF DRUG AND ALCOHOL ABUSE. Vol. 29, No. 1, pp. 19–53, 2003.

ALMEIDA, Rosa Maria Martins de; PASA, Graciela Gema; SCHEFFER, Morgana. Álcool e violência em homens e mulheres. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre, v. 22, n. 2, 2009 .

BRASILIANO S. Psicoterapia psicanalítica de grupo para mulheres drogadictas: o que há do feminino? In: Baptista M., Cruz MS, Matias R. (eds.) Drogas e pós-modernidade: prazer sofrimento e tabu. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ; 2003. P. 199-2005.

BRASILIANO S, Hochgraf PB. Drogadicção Feminina: A Experiência de um Percurso. In: Silveira DX, Moreira FG (orgs) Panorama Atual de Drogas e Dependências São Paulo: Editora Atheneu, 2006.

BUNGAY V, Johnson JL, Varcoe C, Boyd S. Women’s health and use of crack cocaine in context: Structural and ‘everyday’ violence. International Journal of Drug Policy 21 (2010) 321–329.

CAMPOS, Edemilson Antunes de; REIS, Jéssica Gallante. Representações sobre o uso de álcool por mulheres em tratamento em um centro de referência da cidade de São Paulo – Brasil. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 14, n. 34, Sept.  2010 .

CEBRID. II Levantamento domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 108 maiores cidades do país: 2005 / E. A. Carlini (supervisão) [et. al.], — São Paulo: CEBRID – Centro Brasileiro de Informação sobre Drogas Psicotrópicas: UNIFESP – Universidade Federal de São Paulo,2006.

DAVIS, S. Effects of chemical dependency in parenting women. In: Watson RR.(ed.) Addictive behaviors in women. New Jersey: Humana Press; 1994.

DEERING KNKerr TTyndall MWMontaner JSGibson KIrons LShannon K. A peer-led mobile outreach program and increased utilization of detoxification and residential drug treatment among female sex workers who use drugs in a Canadian setting. Drug Alcohol Depend. 2011 Jan 1;113(1):46-54.

DEPARTAMENTO Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE). Anuário das mulheres brasileiras. São Paulo: DIEESE, 2011

DIEHL, A.; Silva , RL ; LARANJEIRA, R. R. ; DIEHL, A. . Female sexual dysfunction in patients with substance-related disorders. Clinics (USP. Impresso), v. 68, p. 205-2011, 2013.

DIEHL A. ABUSO E DEPENDÊNCIA DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS EM HOMOSSEXUAIS E BISSEXUAIS: REVISÃO DA LITERATURA. Monografia apresentada no Curso de Sexualidade Humana do Instituto e Departamento de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, janeiro de 2010.

DIEHL A, Cordeiro DC, Laranjeiras R. Dependência Química: prevenção, tratamento e políticas públicas. Parte 1;Cap 4 – Epidemiologia do uso, abuso e da dependência química das substâncias psicoativas. Parte 5; Cap 34 – Mulheres, Cap 35 – Gestantes e perinatal. Ed. Artmed;2011.

DIEHL A, CORDEIRO DC, LARANJEIRA R. Particularidades da Dependência de Drogas ilícitas na Mulher. IN: Rennó Jr J & Ribeiro HL. Tratado de Saúde Mental da Mulher. Editora Atheneu, São Paulo 2012.pp. 113-122.

ELBREDER, Márcia Fonsi et al. Perfil de mulheres usuárias de álcool em ambulatório especializado em dependência química. J. bras. Psiquiatr. Rio de Janeiro , v. 57, n. 1,  2008 .

FONSECA, Arilton Martins et al . Padrões de violência domiciliar associada ao uso de álcool no Brasil. Rev. Saúde Pública,  São Paulo ,  v. 43, n. 5, Oct.  2009 .

GREENFILD SFBrooks AJGordon SMGreen CAKropp FMcHugh RKLincoln MHien DMiele GM. Substance abuse treatment entry, retention, and outcome in women: a review of the literature. Drug Alcohol Depend. 2007 Jan 5;86(1):1-21. Epub 2006 Jun 8.

GIGLIOTTI A, Guimarães A. Dependência, Compulsão e Impulsividade. Cap 3 – A mulher e a dependência química sob uma perspectiva feminina. Ed. Rubio,2007

GUIMARAES, Ana Beatriz Pedriali et al . Aspectos familiares de meninas adolescentes dependentes de álcool e drogas. Rev. psiquiatr. clín.,  São Paulo ,  v. 36, n. 2,   2009.

HESSELBROCK MNHesselbrock VMChartier KG. Genetics of alcohol dependence and social work research: do they mix? Soc Work Public Health. 2013;28(3-4):178-93.

International Narcotic Control Board (INCB) Report for 2009: Psychotropic substances- Statistics for 2008 – Assessments of Annual Medical and Scientific Requirements or Substances in Schedules II, III and IV of the Convention on Psychotropic Substances of 1971. New York: United Nations, 2010, p. 369.

LARANJEIRA R, Madruga CS, Pinsky I, Caetano R, Ribeiro M, Mitsuhiro S. II Levantamento Nacional de Álcool e Drogas – Consumo de Álcool no Brasil: Tendências entre 206/2012. São Paulo: INPAD; 2013

LARANJEIRA R, Pinsky I, Zaleski M, Caetano R, Zilberman ML, Sanches M, Wolle C. Diferenças nos padrões de consumo de álcool entre homens e mulheres no Brasil. Rev.Bras.Psiquiatr. vol.33.no4. São Paulo. Dez/2011.

LARANJEIRA R, Pinsky I, Zaleski M, Sanches M ,Caetano R. Alcohol use patterns among brazilian adults. Rev.Bras.Psiquiatr.vol.32.no3: 231-41. São Paulo. 2010

LIMA, JMB –  Álcool e Gravidez, Editora MedBook – RJ – 2008.

LIMA, JMB. Síndrome Alcoólica Fetal (SAF): uma doença prevalente e subestimada. Consensus – Rev, do Cons. Nac. de Secret Est. de Saúde, n. 8, 2013.

NAPOLI CTafuri SPignataro NTedesco GMaria ASQuarto M. Risk factors for HBV/HIV/HCV in drug addicts: a survey of attendees of a department of pathological dependence. J Prev Med Hyg. 2010; 51(3):101-4.

NAPPO, S.A. et al. Use of anorectic amphetamine-like drugs by Brazilian women. Eat Disord 3: 153-165, 2002.

NAPPO SA, Sanchez Z, De Oliveira LG. Crack, AIDS, and women in São Paulo, Brazil. Subst Use Misuse 2011; 46: 476–85.

NAPPO S A, Oliveira EM, Morosini S. Inappropriate Prescribing of compound antiobesity formulas in Brazil. Pharmacoepidemiology and Drug Safety 7: 207-212, 1998.

NOTO A R, Carlini E A, Mastroianni P C, Alves V C, Galduróz J C F, Kuroiwa W , Csizmar J, Costa A, Faria M A, Hidalgo S R, Assis D, Nappo S A. Analysis of prescription and dispensation of psychotropic medications in two cities in the State of São Paulo, Brazil. Revista Brasileira de Psiquiatria,  v. 24, n. 2, p. 68-73, 2002.

OLIVEIRA, Jeane Freitas de; NASCIMENTO, Enilda Rosendo do; PAIVA, Mirian Santos. Especificidades de usuários (as) de drogas visando uma assistência baseada na heterogeneidade. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 11, n. 4, dez.  2007 .

OLIVEIRA, Jeane Freitas de; PAIVA, Mirian Santos; VALENTE, Camila L. M. Representações sociais de profissionais de saúde sobre o consumo de drogas: um olhar numa perspectiva de gênero. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, June 2006.

KANDALL SR. Women and Drug Addiction: A Historical Perspective. Journal of Addictive Diseases, 29:117–126, 2010.

RABELLO, Patrícia Moreira; CALDAS JUNIOR, Arnaldo de França. Violência contra a mulher, coesão familiar e drogas. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 41, n. 6, Dec.  2007.

RELATORIO brasileiro sobre drogas / Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas; IME USP; organizadores Paulina do Carmo Arruda Vieira Duarte, Vladimir de Andrade Stempliuk e Lúcia Pereira Barroso. – Brasília: SENAD, 2009.

ROSA, Antônio Gomes da et al. A violência conjugal contra a mulher a partir da ótica do homem autor da violência. Saúde soc., São Paulo, v. 17, n. 3, Sept.  2008.

SANCHEZ ZMNappo SACruz JICarlini EACarlini CMMartins SS. Sexual behavior among high school students in Brazil: alcohol consumption and legal and illegal drug use associated with unprotected sex. Clinics (Sao Paulo). 2013 Apr;68(4):489-94.

SANTORO & Lopes RS. Fatos e contextos relacionados ao HIV AIDS. IN: Diehl A & Vieira DL.373-392. Sexualidade: do prazer ao sofrer. Editora Roca, São Paulo, 2013. pp.373-392,

SILVA SL. Mulheres da Luz: uma etnografia dos usos e preservação no uso do crack. [Dissertação de Mestrado]. Faculdade de Saúde Pública de São Paulo. São Paulo, 2000.

STREISSUGUTH, A et al. A 21 year longitudinal analysis of the effects of alcohol exposure on young adult drinking. Arch. Gen. Psychiatry, vol. 60, 2003.

TRACTENBERG, Saulo Gantes et al. Exposição a trauma e transtorno de estresse pós-traumático em usuárias de crack. J. bras. psiquiatr., Rio de Janeiro , v. 61, n. 4, 2012 .

TUCHMAN E. Women and addiction: the importance of gender issues in substance abuse research. J Addict Dis. 2010 Apr;29(2):127-38.

ZALESKI, Marcos José Barreto.1º levantamento nacional sobre padrões de consumo de álcool na população brasileira: metodologia, estudo da violência entre parceiros íntimos e consumo de álcool durante o evento. Marcos José Barreto Zaleski. — São Paulo, 2009. xviii, 284 folhas. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de São Paulo. Escola Paulista de Medicina.

ZILBERMAN M, Tavares H, el-Guebaly N. Gender differences and similarities: prevalence and course of alcohol and other substance related disorders. J Addict Dis 2003;22:61-74 (a).

ZILBERMAN M, Tavares H, Blume SB, et al. Substance use disorders: sex differences in psychiatrics comorbidities. Can J Psychiatry 2003;48:5-15(b

Fonte: ABEAD – Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas

3 comentários em “Mulheres e drogas: relações pessoais, sociais e tratamento.”

  1. Olá, não sei nem por onde começar a comentar. Mas como não quero escrever um texto longo que niguém lê, só vou questionar uma coisa crucial: nenhum texto sério sobre drogas utiliza referências como Ronaldo Lareanjeiras.

    Por favor pessoal, associar com essa ênfase esse problema à genética, hormônios, e volume de líquido corporal é no mínimo ingênuo.

  2. DROGAS E QUESTÃO GENÉTICA – Há mais de dez anos, li um livro, ou artigo, não lembro bem , em que o autor dizia que quem moldava o comportamento social dos filhos eram as mães. Citou o caso de um cidadão que possuia duas famílias. Uma formada com uma senhora educada naquele sistema vitoriano. Virgindade, sem uso de nenhum tipo de droga, religiosa, ética, moral… Outra família, paralela, formada com uma senhora de hábitos mais liberais. No estudo dos descendentes, para resumir, a quase totalidade dos descendentes da família paralela tiveram problemas com a lei. Enquanto os descendentes daquela vitoriana, quase ninguém teve problemas. Foram estudados cerca de 500 descendentes deste indivíduo. Porém, isto não serve de regra geral. A questão da genética, existem vários fatores para quem quer ter filhos sem doenças hereditárias. Veja bem, não se trata de discriminação. Um , é a presença de pessoas com problemas, tanto na família do pai quanto da mãe. Outro problema de risco é o casamento entre parentes. Referindo-se ao Pedro, no comentário acima, tive várias pretendentes para formar uma família. Porém, quando pensava e analisava os fatos, pensava nos meus filhos(as), que por ventura viesse a ter. Hoje, sou feliz, por vê-los todos saudáveis, formados em faculdade e trabalhando, inclusive os netos. Veja bem, eu não havia lido a história citada acima. Porém, optei para não correr riscos. Escolhi uma mãe para eles, que além de preencher os requisitos acima, não utilizasse nenhum tipo de drogas, nem cigarro, nem bebida acoólica. Parte do que está escrito aí pelo autor, além de outras coisas, tipo DST, aprendi com um professor de Biologia no Ensino Médio, antigamente chamado de Científico, na década de 70. Fui professor por mais de 10 anos. Hoje, meus mais de mil alunos e alunas agradecem o que repassei. Mesmo em aulas de Matemática, falando em Estatística, mostrava a questão da Probabilidade, associando a estes temas de geração de filhos. Outra questão que está muito em discussão atualmente, é a importância da alimentação tanto da mãe durante a gestação, quanto da crianças nos primeiros anos de vida. Por isso, investi tudo o que podia na alimentação saudável e diversificada para os filhos. Pois é, isto aprendi quando fazia faculdade na década de 70. Pora terminar, não consigo entender tanta contestação quanto ao uso de drogas na gestação e nem a postura radical contra os programas sociais do governo que buscam alimentar nossas ciranças. Parece até que estamos regredindo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *