Deus decide

Bebês pecadores

des

Por Marcelo Gruman

Já carecas de saber, pelo menos assim espero, peço desculpas por repetir-lhes algumas informações referentes à microcefalia. Há um motivo para isso.

A microcefalia é uma condição neurológica rara em que a cabeça e o cérebro da criança são significativamente menores do que os de outras da mesma idade e sexo, condição esta normalmente diagnosticada no início da vida. Crianças com microcefalia têm problemas de desenvolvimento. Não há uma cura definitiva, mas tratamentos realizados desde os primeiros anos melhoram o desenvolvimento e qualidade de vida. A microcefalia pode ser causada por uma série de problemas, dentre as quais: malformações do sistema nervoso central; diminuição do oxigênio para o cérebro fetal; exposição a drogas, álcool e certos produtos químicos na gravidez; desnutrição grave na gestação; rubéola congênita na gravidez; toxoplasmose congênita na gravidez; infecção congênita por citomegalovírus.

Sabe-se, hoje, que a microcefalia pode ser consequência do zika vírus, transmitido pelo mosquito Aedes Aegypti, o mesmo que transmite dengue e chikungunya.

A criança com microcefalia pode apresentar as seguintes complicações: déficit intelectual; atraso nas funções motoras e de fala; distorções faciais; nanismo ou baixa estatura; hiperatividade; epilepsia; dificuldades de coordenação e equilíbrio; alterações neurológicas.

O inferno na terra, não? Para os pais, para os filhos, para os parentes próximos, para amigos da família.

Pois bem. Foram divulgados dados de uma pesquisa realizada pelo Instituto Patrícia Galvão, com 3.155 gestantes de todas as regiões do país no intuito de mapear as demandas das grávidas brasileiras e identificar como elas têm lidado com o vírus zika, que motivou a declaração de emergência internacional em saúde. O projeto tem o apoio da ONU Mulheres e da Fundação Ford. A informação que mais me chamou a atenção foi o fato de cerca de um quarto das entrevistadas acreditar que a prevenção não é de grande valia, pois é Deus quem decidirá se o bebê terá microcefalia. 41% das entrevistadas têm, no mínimo, ensino superior, prova de que o alienamento da realidade não tem relação direta com o menor ou maior grau de educação formal.

É revoltante testemunhar o quanto a sociedade brasileira, no rastro do que vem acontecendo em outras partes do mundo, mergulha cada vez mais profundamente em narrativas sacralizadas descoladas da realidade sensível. De nada adiantam os avanços no conhecimento científico aplicado à medicina porque, ao fim e ao cabo, o arbítrio está nas mãos de alguém ou algo que não se vê e a quem é dado o poder de vida e morte. De nada adiantam campanhas de prevenção e profilaxia, responsabilizando a cada um nós por atitudes que contribuem ou não para o controle ou descontrole da epidemia de uma doença, a zika, que há muito deveria estar extinta. Lavar as mãos em nome da tutela de um pai-padrasto que pune ou recompensa de acordo com critérios obscuros, infantilizar-se é, no mínimo, expressão de covardia atroz com quem ainda não pode se defender.

Ouvi, certa vez, um rabino dizer que mesmo os bebês judeus assassinados nas câmaras de gás dos campos de extermínio nazistas mereciam, de uma forma ou de outra, a partir do julgamento “divino”, a punição. As razões serão para sempre desconhecidas, mas o ditador celestial (magnífica expressão de Christopher Hitchens) não se equivoca, manda quem pode, obedece quem tem juízo. As gestantes que responderam não acreditar muito na prevenção humana contra a aquisição de microcefalia pelos próprios filhos têm, se não com as mesmas palavras e o mesmo teor ideológico, o mesmo discurso do rabino. Não há o que fazer, o destino já foi traçado, só nos resta a resignação.

Quem, conscientemente, dotado de todas as faculdades mentais, sem microcefalia, ESCOLHE abdicar do livre-arbítrio em nome de um poder sobrenatural opressor?

Quem está mais doente: a mãe que acredita ser o sofrimento terreno uma espécie de provação a caminho do paraíso, ou o filho que terá de conviver, se assim deus ou que outro nome tiver esta eminência parda determinar, com todo tipo de dificuldades físicas e psicológicas fruto da miséria intelectual de quem o concebeu?

Que Deus nos proteja…

Links:

http://www.minhavida.com.br/saude/temas/microcefalia

http://oglobo.globo.com/rio/um-quarto-das-gravidas-atribui-microcefalia-deus-diz-pesquisa-19834338

Fonte: Des-Construindo Marcelo

Textos correlatos:

Uma Rede de Municipios por um Estado Laico

Religião e laicidade: discriminação e violência.

 

O Natal aumenta a violência doméstica
“Pequenas Igrejas Grandes Negócios”

Encerrando o debate com Flávio Aguiar incluindo editorial do Charlie Hebdo sobre laicidade.

Trajetória ateista de Sigmund Freud (1856-1939)* (4)
“Freud nos tornou heróis das nossas vidas”

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *