Juízas julgam diferente de juízes em caso de abuso sexual?

Juez y fiscal en la mira por el caso de incesto en Rivera

jorge-dias

Jorge Díaz. Foto: F. Flores

Por EDUARDO BARRENECHE

Los errores de la Justicia Penal en un caso de violación e incesto ocurrido en Rivera durante años conmocionó tanto a ministros de la Suprema Corte de Justicia como a la Fiscalía General de la Nación.

La Corte dio ayer un plazo de 72 horas al entonces juez penal de Rivera, Gustavo Iribarren para que brinde informes sobre su decisión de archivar en 2010 un expediente relacionado con un embarazo de una menor de 13 años, donde el padre había sido el abusador.

Iribarren es hoy juez penal de 3er Turno en Montevideo.

La decisión del máximo órgano del Poder Judicial llegó después de haber analizado un testimonio del expediente IUE 328-25/2009 que contiene las actuaciones cumplidas en relación con el caso de incesto.

En tanto, el fiscal de Corte, Jorge Díaz ordenó para hoy el traslado del entonces fiscal riverense, Ricardo Chiecchi Rostan a una materia no penal ni vinculada con menores.

Chiecchi Rostan fue nombrado por Díaz como titular de una fiscalía capitalina.

Además de ser muy apreciado por sus colegas, Chiecchi Rostan no tenía una mancha en su legajo. Jamás enfrentó procesos disciplinarios ni investigaciones administrativas.

Ingresó por concurso de oposición y méritos a un cargo técnico en la Fiscalía y fue nombrado como fiscal penal en Rivera por el antecesor de Díaz, Rafael Ubiría.

Apelación.

El abuso del padre a su hija fue analizado en tres oportunidades por la Justicia Penal de Rivera: 2009, 2011 y 2016.

Ayer en conferencia de prensa, el fiscal de Corte consideró que Chiecchi Rostan debió haber apelado en junio de 2010, cuando el juez Iribarren archivó el expediente porque la víctima ni su madre denunciaron abusos sexuales ni vecinos declararon que había una relación incestuosa entre el padre y la hija que terminó en un primer embarazo. “El error inexcusable del fiscal fue en este caso no haber apelado esta resolución de junio de 2010 de forma tal de poder seguir adelante con la investigación”, sostuvo Díaz.

Un año y medio más tarde —24 de junio de 2011—, padre e hija volvieron al juzgado de Rivera. En ese caso, el “error” del entonces fiscal fue tipificar una violación como incesto, señaló Díaz.

Ello derivó, agregó, en que en dos oportunidades el abusador —con antecedentes penales por violación— estuvo declarando como acusado en la sede judicial de Rivera, fue liberado y durante siete años la víctima debió convivir con el abusador.

En esa segunda instancia judicial de 2011, inclusive, se probó el incesto porque se realizó exámenes de ADN a dos hijos de la víctima —uno de ellos falleció poco después por una dolencia trasmitida en forma hereditaria. Pero el fiscal ordenó el archivo del expediente por considerar que no podía tipificar la figura del incesto porque no había escándalo público en aquel momento.

Díaz fue enfático: “Acá estamos ante un segundo horror inexcusable del fiscal. Este dictamen fue dictado con un error al igual que el dictamen anterior (de 2010) porque nunca estuvimos ante un caso de incesto. Estamos ante un caso de violación”.

El incesto requiere relaciones sexuales consensuadas entre dos personas con cierto grado de parentesco.

Según Díaz, hablar de incesto en este caso implica sostener que puede haber relaciones consensuadas entre un padre de 51 años, con antecedentes por violación, y una niña. “Ello es absolutamente insostenible”, advirtió.

“Acá hay un dictamen que es erróneo porque no se requiere denuncia, la violencia se presume, no había incesto y sí había violación. La niña vuelve a vivir con el padre”, resumió Díaz.

La suerte del abusador cambió en este mes de julio, con otra jueza y otro fiscal.

Tras indagarlo, la jueza de Rivera, Noelia Sánchez lo remitió a la cárcel por reiterados delitos de violación. Al otro día, el hombre se suicidó en la cárcel.

La madre de la víctima fue procesada sin prisión por el delito de omisión a los deberes inherentes a la patria potestad por no haber denunciado a su esposo.

Fiscal no podrá ser sumariado por haber prescripto su falta.

“Con profundo dolor vengo acá como representante de la institución a asumir la responsabilidad (del error del entonces fiscal de Rivera). Fácil para mí decir que los hechos ocurrieron en 2009 cuando yo no era fiscal de Corte”. Con estas palabras, el fiscal de Corte, Jorge Díaz, dijo que daba “la cara” y no barría “para debajo de la alfombra”.

Díaz afirmó que los fiscales carecen de un estatuto propio, y que estos se remiten al estatuto de los jueces.

En el Parlamento hay un proyecto de Estatuto de los Fiscales a estudio de la Comisión de Legislación y Códigos del Senado remitido por el Poder Ejecutivo. Los fiscales, en materia disciplinaria, se rigen por los artículos 38 del decreto-ley 15.365 (equipara a jueces con fiscales) y 113 de la ley 15.750 (regula el estatuto de los magistrados). Esta norma señala que ningún proceso disciplinario podrá ser iniciado después de ocurridos dos años del hecho que lo motivare. “Esto quiere decir, lamentablemente, que la falta o infracción cometida por este fiscal (Enrique Chiecchi Rostan) estaría prescripta. No podría ser sujeto de responsabilidad. Sí hemos dispuesto el traslado de este fiscal a una materia que nada tenga que ver con el tema penal ni abusos de menores”, expresó Díaz. “Hoy es unos de esos días que uno tiene ganas de dejar todo e irse para la casa”, agregó.

A juicio del fiscal de Corte, para que no vuelva a ocurrir este tipo de situaciones se deben aprobar en el Parlamento las Instrucciones Generales de los Fiscales. Estas disposiciones habilitarían a Díaz a sugerir a los fiscales que prioricen en las investigaciones determinados delitos en razón de gravedad. “Acá tenemos un delito de abuso sexual denunciado que llevó un año y medio la primera investigación. Este delito no fue priorizado. Los delitos de abusos sexuales deben ser siempre priorizados y para ello es necesario que se aprueben las Instrucciones Generales”, dijo.

UN CASO DE VIOLACIÓN E INCESTO.

Enero de 2009.

Una psicóloga que realizaba trabajo social en un barrio de la ciudad de Rivera denunció ante la Comisaría de la Mujer y la Familia que una adolescente de 13 años de edad cursaba un embarazo de aproximadamente seis meses y que los vecinos comentaban que el padre de la adolescente sería el progenitor de su hijo.

Forense.

La adolescente fue analizada por un médico forense y se constató que cursaba un embarazo de entre 19 y 21 semanas.

Lentitud.

Las actuaciones judiciales sobre el caso comenzaron en febrero de 2009 y finalizaron recién en junio de 2010 o sea un año y medio después de la denuncia policial.

Vista fiscal.

El fiscal solicitó que se practicara una prueba de ADN extrayendo muestras de la adolescente, de su hijo nacido y del padre de la menor. Esas actuaciones no se hicieron

Resolución.
El 24 de junio de 2010, el juez resolvió el archivo del expediente porque no había denuncia de la madre de la adolescente ni de esta respecto de abuso sexual y que ningún vecino aportó datos de una relación incestuosa. Esta resolución fue notificada al fiscal y este no apeló.

Otra denuncia.

El 24 de junio de 2011, un médico de la policlínica del barrio denunció que la adolescente, que había seguido viviendo con su padre abusador, había quedado embarazada y había tenido otro niño.

ADN.

La jueza del caso dispuso que se practicara pruebas de ADN a todos los involucrados.

Pericias.

El análisis de ADN arrojó como resultado que el denunciado era el padre de los dos hijos de la adolescente.

Error.

El fiscal señaló el 18 de noviembre de 2011: “Queda claramente probada una relación incestuosa, la cual por carecer de la nota de escándalo público exigida por el tipo penal, no es delito. No se ha probado la violencia en la relación sexual de autos. Atento a ello, nada solicitaré”.

Fonte: EL PAÍS

Textos correlatos:

Celibato e pedofilia na Igreja Católica
Escola e pais devem prevenir a violência sexual no namoro
Incesto é ou não crime?
Saúde mental dos políticos e juizes em avaliação
Condutas discriminatórias precisam de diagnóstico compatível com o crime, defende psiquiatra
Abuso infantil: a responsabilidade dos pais e da sociedade.

Escolas podem debater violência de gênero e sexualidade

Escolas australianas terão aulas de desconstrução de estereótipos de gênero

australia

(Foto: Flickr/ Brad Flickinger)

A partir do ano que vem, todas as escolas do estado australiano de Victoria terão aulas sobre estereótipos de gênero.

Chamada de “Relações Respeitosas”, a disciplina será implementada no ensino fundamental e no ensino médio e terá como objetivo discutir questões como desigualdade social, violência de gênero e privilégio masculino. Segundo a BBC, desigualde salarial, orientação sexual, controle da agressividade e os perigos da pornografia serão alguns dos temas abordados dentro do programa.

No ensino fundamental, a matéria chamará atenção para o fato de que meninas e meninos podem ser o quiserem. Para isso, os estudantes receberão materiais com frases como “meninas podem jogar futebol, ser médicas e fortes” e “meninos podem chorar, ser gentis e cuidar de bebês”. Já no ensino médio, os estudantes aprofundarão os estudos, aprendendo os significados de termos como cisgênero, transexual e pansexual.

A inserção da disciplina no currículo é uma das medidas de Victoria para diminuir a desigualdade e acabar com a violência de gênero. A decisão se mostra mais necessária do que nunca: nesta semana, um estudo divulgado pela UNICEF mostrou que as meninas passam 160 milhões de horas a mais se dedicando a tarefas domésticas do que meninos, o que afeta seu desenvolvimento pessoal e profissional.

+ Leia também: “A violência doméstica é uma questão de saúde”

Fonte: Revista Galileu

Textos correlatos:
Violência no namoro de universitários
Escola e pais devem prevenir a violência sexual no namoro
Muda de Curso: violência no namoro não é para ti
Condutas discriminatórias precisam de diagnóstico compatível com o crime, defende psiquiatra
USP um espaço educador que não previne o machismo
Meios acadêmicos indiferentes a violência de gênero

Muda de Curso: violência no namoro não é para ti

Campanha Nacional contra a Violência no Namoro

mudadecurso

Em parceria com as associações e federações académicas, a Secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, a SEIES, a UMAR e a Capazes, lançaram, no dia 4 de outubro de 2016, a campanha nacional contra a violência no namoro com o mote “Muda de Curso: violência no namoro não é para ti”

Veja o vídeo

 

Fonte: Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género PT

Textos correlatos:
Violência no namoro de universitários
Escola e pais devem prevenir a violência sexual no namoro
Religião e laicidade: discriminação e violência.
Condutas discriminatórias precisam de diagnóstico compatível com o crime, defende psiquiatra
USP um espaço educador que não previne o machismo
Meios acadêmicos indiferentes a violência de gênero

Escola e pais devem prevenir a violência sexual no namoro

Um em cada seis jovens acha normal forçar relações sexuais

Por Zita Moura

umar

23% dos jovens portugueses consideram legítima a violência sexual

A União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR) está preocupada com o facto de 22% dos jovens legitimarem a violência que acontece nas relações de intimidade. As activistas da UMAR contactaram com 2500 jovens, com idades entre os 12 e os 18 anos, e a média de idades situava-se nos 14 anos.

O estudo apresentado pela UMAR esta sexta-feira, na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto, distingue três tipos de violência: psicológica, física e sexual. No que à violência sexual diz respeito, 32,5% dos rapazes (em oposição a 14,5% das raparigas) acham normal que se forcem as relações sexuais – uma média de 16% de todos os inquiridos. A questão da violência sexual é mais ampla do que o forçar as relações sexuais; no entanto, e nessa medida 23% dos inquiridos consideram-na “legítima”. Em contrapartida, só 4,5% dos jovens assumem já ter sido vítima de violência sexual.

A violência psicológica é encarada como aceitável por quase um quarto dos jovens portugueses, e 8,5% reconhecem já terem sido vítimas. Igualmente alarmante é que 9% dos inquiridos considerem a violência física como legítima, e 5% assumiram já ter a sofrido.

Porém, comparativamente com os anos transactos, os dados parecem melhorar. Há mais jovens a rejeitar a violência como algo aceitável numa relação amorosa – por exemplo, de acordo com os resultados apresentados em 2009, 31,3% dos jovens não acreditavam que a violência psicológica fosse problemática, e nos dados divulgados esta sexta-feira esta percentagem desceu para 24,3%.

O estudo da UMAR enquadra-se num programa de prevenção da violência e não se reduz à realização de inquéritos e desenvolvimento dos dados apresentados. As activistas levaram a cabo acções de sensibilização para a violência, e foi durante essas acções que detectaram “quão enraizadas estão as ideias de poder e controlo”, como frisou Ana Guerreiro ao PÚBLICO. “É difícil analisar estes números, e mais ainda ter os jovens à frente e constatar estes comportamentos.”

Maria José Magalhães, presidente da UMAR, adiantou ao PÚBLICO que “os jovens estão muito receptivos a esta iniciativa e a este projecto”, referindo-se ao programa de prevenção da violência que está a ser desenvolvido desde 2009 e que hoje abrange várias turmas de 15 agrupamentos de Braga, Porto e Coimbra, que são visitadas pelas técnicas de 15 em 15 dias.

Durante estas sessões criam-se oportunidades para que os adolescentes reconheçam ou denunciem situações de vitimação. “Temos um protocolo de actuação. É provável e habitual que quando se levantam estas temáticas, um ou outro jovem venha falar connosco no final da sessão, ou diga publicamente, para toda a gente ouvir, que foi vítima ou conhece quem seja.” Se necessário, as técnicas encaminham os casos sinalizados para quem na escola faz o acompanhamento psicológico dos alunos que mais tarde poderá orientar os jovens para outras entidades.

A União de Mulheres Alternativa e Resposta tem vindo a desenvolver este estudo e trabalho com os jovens para que se sensibilize a sociedade civil para esta problemática, o que já está a mostrar resultados, ainda que só em Fevereiro de 2013 o Código Penal tenha passado a considerar crime de violência doméstica as agressões entre namorados e também entre ex-namorados. A Polícia de Segurança Pública recebeu em 2015 mais queixas por violência no namoro do que por violência doméstica, mas 77% dos inquéritos abertos pelo Ministério Público por este tipo de crime são arquivados, na maioria das vezes por falta de provas. O relatório anual do Ministério da Administração Interna descreve o destino dos poucos casos que conseguem chegar às salas de audiências dos tribunais, para serem julgados: “De um total de 2954 sentenças transitadas em julgado entre 2012 e 2014, cerca de 58% resultaram em condenação e cerca de 42% em absolvição. Na maioria das condenações (96%) a pena de prisão foi suspensa.”

Relativamente ao sistema judicial, e às condenações efectivas pelo crime de violência no namoro, Maria José Magalhães deixa clara a sua opinião: “Não é a polícia que os vai ensinar. É a escola, são os pais. É o sistema pedagógico que tem de intervir. Tem de haver uma acção sobre o jovem, tem de ser responsabilizado pelo que fez e perceber porque é que não o pode fazer. Tem de haver uma reivindicação daquela mentalidade, e percebermos porque é que agiu daquela forma.” O sistema pedagógico tem de ter o papel central na prevenção primária da violência, defende Maria José Magalhães. E acrescenta: “A sociedade tem de ter mecanismos para responsabilizar os jovens. São miúdos. Vamos já atirá-los para o sistema judicial?”

Fonte: PÚBLICO

Textos correlatos:

Violência no namoro de universitários
Religião e laicidade: discriminação e violência.
Condutas discriminatórias precisam de diagnóstico compatível com o crime, defende psiquiatra
USP um espaço educador que não previne o machismo
Meios acadêmicos indiferentes a violência de gênero
O machismo e a medicina

Antissemita esquizofrênico assassino inimputável

Justicia declaró inimputable al asesino del comerciante judío de Paysandú

Por Pablo Melendrez

El ITF advierte que presenta alta peligrosidad si deja la medicación

inimputavel

Siete meses después del asesinato, la Justicia estableció que el hombre que mató de varias puñaladas a un comerciante de origen judío en el departamento de Paysandú es inimputable y, por tanto, al terminar el juicio será condenado a cumplir medidas “curativas” en un centro psiquátrico pero no podrá ser derivado a una cárcel común.

El pasado 8 de marzo, el empresario David Fremd, de 55 años, fue asesinado a cuchilladas cerca de su local comercial en el centro de Paysandú. La víctima era un activo integrante de la colectividad judía de ese departamento. El asesino, Carlos Omar Peralta, fue detenido a pocas cudras del lugar y resultó procesado por los delitos de homicidio especialmente agravado, odio y lesiones, ya que también hirió a un hijo de la víctima.

Al dictar el enjuiciamiento de Paralta (de 35 años y de profesión maestro), el juez Fabricio Cidade concluyó que asesinó a Fremd “por el odio que sentía hacia la comunidad étnica y religiosa que representaba su víctima”. Años antes, el homicida se había convertido al Islam y adoptó el nombre de Abdullah Omar.

Aunque una pericia preliminar pedida por Cidade antes de procesar a Peralta indicó que era imputable, el magistrado dispuso su internación en el hospital Vilardebó para una evaluación de su salud mental. Pero ahora, la valoración definitiva concluyó que el asesino “no fue capaz de apreciar el carácter ilícito de sus actos ni determinarse libremente”, según expresó el informe elaborado por la psiquiatra del Instituto Técnico Forense (ITF), Ximena Ribas, que fue incorporado al expediente la semana pasada.

“Se sugiere que se mantenga internación psiquiátrica que podría ser en sala abierta hasta que el equipo tratante otorgue el alta. Se recomienda que en ese momento se nos envíe al ITF un informe con el proyecto para el alta. Es un paciente que debe estar en tratamiento permanente (de por vida) supervisado por terceros confiables. Presenta alta peligrosidad si deja la medicación”, sostuvo el informe.

Ribas concluyó que Peralta padece “psicosis crónica de tipo esquizofrénica”. En esa línea, en julio, un informe realizado por médicos del hospital Vilardebó indicó que es “un individuo portador de una enfermedad alienante que afecta profundamente su capacidad de discernimiento y de libre determinación”.

El juez Cidade, si bien reconoció que el informe de la experta del ITF le causó “sorpresa”, explicó a El Observador que en los hechos “no cambia en nada” la situación de Peralta, que seguirá recluido aunque con la perspectiva de ser un paciente psiquiátrico y no un delincuente común.

De esa forma, al finalizar el juicio el homicida (que actualmente se encuentra alojado en un área especial del Centro de Diagnóstico y Derivación del Instituto Nacional de Rehabilitación, que funciona en la ex Cárcel Central aunque bajo supervisión psiquiátrica), será penado como inimputable, por lo que se le impondrán medidas “curativas” y no una condena, razón por lo que “sin dudas” le espera una internación prolongada, dijo el magistrado.

“Perseguido”

Al declarar ante el juez Cidade antes de ser procesado un día después del homicidio de Fremd, Peralta, que se desempeñaba como maestro rural, dijo que fue víctima de una “persecución” de parte de docentes judíos. El homicida agregó que fue perseguido por autoridades educativas “también pertenecientes a la colectividad judía”. Eso volvió “insostenible” su carrera “al punto de ser separado de su cargo y tener que abandonar la ciudad de Paysandú”. Eso hizo que llegara “al límite de su equilibrio emocional”.

En el fallo de procesamiento de Peralta, el juez indicó que “se trata de una persona que profesa una religión históricamente beligerante con la judía; por causa de ella mantuvo un incidente con un representante del Estado de Israel que marcaría su vida, que habría dado lugar a una supuesta persecución en su ámbito de estudios y en el ejercicio de la docencia como maestro, todo lo cual derivaría en un fracaso profesional y laboral”.

Trastorno causó amnesia del crimen

Carlos Omar Peralta no reconoció en su momento ante la Justicia la autoría del homicidio de David Fremd y dijo no recordar nada de ese violento episodio, que tuvo lugar el pasado 8 de marzo. La pericia de la psiquiatra forense Ximena Ribas dice al respecto que “puede haberse resguardado en su psicosis en ese período y presentar un trastorno de conciencia que produjera la amnesia del hecho”, indica el informe que la experta presentó ante el juez Fabricio Cidade.

Fonte: El Observador

Textos correlatos:

Discriminadores: um grupo que aumentará enquanto não houver interesse em prevenção.
Condutas discriminatórias precisam de diagnóstico compatível com o crime, defende psiquiatra
Síndrome do Distúrbio Racial: seria um bom diagnóstico para o racista brasileiro? E para o antissemita?
Eis um discriminador racista e antissemita. Reconhecendo é possível prevenir.
Prevenindo discriminações, totalitarismo, bullying e antissemitismo nas escolas.

Religião e laicidade: discriminação e violência.

O antissemita seria um doente? E o racista?

Meios acadêmicos indiferentes a violência de gênero

Como fazer uma campanha de sucesso contra a violência de gênero

Estudo revela por que a maioria das iniciativas não produz o impacto social desejado

Por Mariana Kaipper Ceratti*meios-academ

A violência de gênero em América Latina./ELZA FIÚZA AGENCIA BRASIL

Pare por um minuto e tente se lembrar da última campanha ou iniciativa que você viu contra a violência de gênero. Quanto tempo ela durou? Voltava-se a ambos os sexos ou apenas um deles? O que ela lhe provocou: desejo de agir ou indiferença? As pessoas ao seu redor foram influenciadas positivamente?

Se o projeto deu poucos frutos, existe a possibilidade de que tenha falhado na duração, na frequência das mensagens, no público-alvo, na comunicação ou em todos os fatores ao mesmo tempo. Trata-se da conclusão de uma pesquisa global feita sobre o que funciona ou não nas iniciativas contra a violência de gênero.

Tais falhas ainda são extremamente comuns, a julgar pelas estatísticas: uma em três mulheres já sofreu violência física ou sexual, segundo a Organização Mundial da Saúde; na América Latina, uma pesquisa realizada em 12 países descobriu que entre 25% e 50% das mulheres já sofreram violência por parte de um companheiro. E, também, pelo trabalho realizado desde 2012 pelo Banco Mundial e a Universidade George Washington (EUA).

Depois de analisar 290 avaliações de impacto, os pesquisadores de ambas as instituições encontraram apenas 27 iniciativas que ajudaram a reduzir a violência contra mulheres e meninas. O resultado fica ainda mais intrigante quando se descobre que 80% das iniciativas bem-sucedidas vêm de países desenvolvidos, principalmente Estados Unidos e Canadá.

“Não é que não existam boas iniciativas nos países em desenvolvimento ou na América Latina, mas muitas delas acabam não sendo objeto de artigos acadêmicos com avaliações de impacto como os que estudamos”, explica a colombiana Diana Arango, especialista do Banco Mundial em violência de gênero e desenvolvimento.

A mesma falta de uma avaliação de impacto considerada rigorosa justifica o fato de a Lei Maria da Penha não ter entrado no estudo, apesar de ela ser reconhecida como um modelo global. “Ao traduzir nossos dados em recomendações práticas, descobrimos que as iniciativas de sucesso têm muitos elementos em comum com a Lei, como o enfoque multissetorial (ou seja, que envolve os setores de justiça, saúde, etc.)”, destaca a especialista.

A equipe de pesquisa avaliou iniciativas tanto de prevenção quanto de resposta para todos os tipos de violência — de casamento infantil a feminicídios — e reuniu as boas práticas em um documento publicado com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), a Universidade George Washington e o Centro Internacional de Pesquisas sobre as Mulheres. Conheça a seguir algumas delas.

Políticas públicas

O estudo é enfático ao defender a reforma de leis e políticas para que elas contemplem a violência contra mulheres e meninas, bem como a idade mínima para casamento e consentimento sexual. Também é importante que sejam revisadas as legislações referentes a divórcio, custódia dos filhos, direitos sobre a propriedade, entre outras, para eliminar os obstáculos que impedem as mulheres de se proteger e obter reparação. O machismo dentro do judiciário e outros setores do Estado é outro tema importante abordado no documento. Para mudar mentalidades, é fundamental oferecer constantemente capacitações e intervenções de sensibilização para os profissionais de todos os níveis, segundo o documento.

Envolvimento comunitário

As iniciativas de sucesso envolvem toda a comunidade, não apenas as autoridades da polícia ou os líderes religiosos, por exemplo. Incluem homens e mulheres (mesmo que não formem casais), crianças, adultos e idosos. É importante que as atividades questionem os papéis de gênero, discutam as relações de poder e busquem maneiras não violentas de resolver os conflitos. Tudo ajuda a dar fim a um ciclo de violência evidenciado com estatísticas: crianças que crescem com a violência doméstica têm duas vezes mais chances de se tornarem agressoras ou vítimas que as demais, segundo estudos.

Longa duração

Para dar certo, as atividades precisam durar pelo menos seis meses e contar com intervenções regulares (uma ou duas vezes por semana, por exemplo). Caso contrário, podem não surtir impacto e até causar o efeito contrário: aumentar a violência contra mulheres e meninas. “Iniciativas de curto prazo, como um treinamento de uma semana onde uma pessoa chega, pensa que vai mudar as normas e atitudes de um grupo, vai embora e não dá continuidade, não funcionam. Esse é um tipo de intervenção que não deveria mais ser feito”, comenta Diana Arango.

Comunicação intensiva

“Atividades de desenvolvimento econômico, como microcrédito para mulheres, não funcionam por si só. É importante que elas também contem com grupos de discussão sobre empoderamento, direitos, relações no lar”, acrescenta a especialista. Para estimular a conversa, cartazes, vídeos, histórias em quadrinhos e peças de teatro têm um papel importante. Mas é preciso que o conteúdo esteja em sintonia com o jeito local de se comunicar e faça repensar, a longo prazo, as relações entre homens e mulheres. Do contrário, será apenas mais uma campanha a ser esquecida quando terminar.

*Mariana Kaipper Ceratti é produtora online do Banco Mundial

Fonte: EL PAÍS

Textos correlatos:

Violência no namoro de universitários
Religião e laicidade: discriminação e violência.
Condutas discriminatórias precisam de diagnóstico compatível com o crime, defende psiquiatra
USP um espaço educador que não previne o machismo
Jornalismo machista
O machismo e a medicina
Prevenindo a Conduta Discriminatória Machista.

Saúde mental dos políticos e juízes em avaliação

Desde el Frente proponen pericias psicológicas para legisladores

Por Leonardo Pereyra

El psicólogo e integrante del FLS, Andres Copelmayer, presentará la iniciativa en comisión del Parlamento

smpoliticos

Las tentaciones que acechan a aquellos que padecen o disfrutan de la soledad del poder; los microclimas que confunden y marean a quienes viven casi permanentemente en el mundillo político; y las presiones sociales a las que se ven sometidos los gobernantes, son algunas de las razones por las cuales, desde el Frente Amplio, se propondrá que los legisladores se expongan todos los años a una pericia psicológica para conocer qué tal anda de su salud mental.

La iniciativa será presentada a la Comisión Especial de Fortalecimiento de los Partidos Políticos por parte del psicólogo e integrante del Frente Líber Seregni (FLS), Andrés Copelmayer, quien está asesorando a la izquierda en ese grupo de trabajo.
El exjefe de gabinete del Ministerio de Transporte dijo a El Observador que su propuesta apunta a que los parlamentarios electos adjunten a su declaración jurada una evaluación psicológica realizada por profesionales competentes, que sea anual y confidencial, y que quede a juicio del legislador hacerla pública o no.

“La salud mental es un estado de bienestar en el cual la persona conoce sus capacidades y limitaciones, puede enfrentar las tensiones emocionales de su vida cotidiana y es capaz de contribuir a la comunidad. Se apunta a proteger a los legisladores que, por su representatividad ciudadana, las exigencias de rol full time y el ajuste a la cultura del sistema político, habitualmente sufren tensiones extremas difíciles de manejar”, dijo Copelmayer.

Señaló que las pericias psicológicas no son extrañas en otras áreas del Estado. “En Uruguay el proceso de selección de aspirantes para el ingreso a la Judicatura (carrera para convertirse en Juez) incluye escolaridad, méritos, prueba de conocimiento, evaluación psicológica y entrevista personal”, explicó Copelmayer.

Observó que también se requiere ese examen en actividades privadas vinculadas con el transporte y los controladores de tráfico aéreo.

“De aceptarse esta propuesta el Parlamento daría una fuerte señal a la ciudadanía, en el sentido de que no hay individuos puros, inmaculados, perfectos ni sin conflictos. Que pedir ayuda profesional para lidiar con la vida no es un demérito sino una forma de cuidarnos a nosotros mismos, a nuestra familia y a la comunidad”, agregó el integrante del FLS.
Reconoció que uno de los cuestionamientos más fuertes que puede tener su iniciativa desde el punto de vista técnico, es la utilidad que tendría para un parlamentario una evaluación psicológica sin que exista una necesidad real propia.

“Frente a eso sostenemos que la obligatoriedad de la consulta puede de hecho terminar convirtiéndose en un alivio para el legislador. Con que se logre eso en el 10% de los casos ya se habrá hecho una interesante contribución a ellos mismos y a la comunidad que representan”, dijo.

A juicio de Copelmayer, el comportamiento político del líder colorado Pedro Bordaberry es un claro ejemplo de la necesidad de conocer más profundamente el funcionamiento psicológico de los políticos. “Muchos calificaron su propuesta de disolver las cámaras como una ‘locura’. Confieso que el suicidio político al que está llevando Bordaberry al Partido Colorado me es más fácil explicarlo por su confesa obsesión personal de ‘hacer mierda’ a Tabaré Vazquez y al FA. Pero si Bordaberry consultase a un especialista, capaz que ya lo hizo, este encuentro podría afianzar su actitud confrontativa como una convicción política pura, atravesada por su subjetividad pero sin interferencias patológicas. O tal vez el devenir terapéutico, como él mismo ha dicho tantas veces, le permitiría concluir que puede aportar más a la sociedad desde fuera de la política. Es imposible llegar a cualquier conclusión seria desde afuera y sin mediar una consulta profesional”, agregó el profesional.

Consultado acerca de si en sus años de funcionario de gobierno había acudido a la ayuda psicológica que hoy les exige a los lesgisladores, Copelmayer respondió que sí.
“La psicoterapia personal me ayudó a entender que mi ansiedad infantil y narcisista por la inmediatez de alcanzar lo que yo suponía logros, restringía el respeto y la escucha de la perspectiva de los otros; que me confrontaba torpemente con los tiempos y la cultura institucional, transformándome en un molesto y caprichoso botija especialista en tirar Chasquiboom”, dijo.

No obstante, admitió que el hecho de haber entendido sus debilidades no significa que se haya curado. “Así que por las dudas saque esos fósforos de ahí”, sugirió.

Fonte: El Observador

Textos correlatos:

“Juizes e advogados não tem boa formação em violência de gênero”
Narcisismo, homofobia e discriminação na política.
“Mídia e publicidade influenciam nos transtornos mentais”
Condutas discriminatórias precisam de diagnóstico compatível com o crime, defende psiquiatra
“Comecem pela saúde mental dos políticos”
Religião e laicidade: discriminação e violência.
O neuropsiquiatra e o ditador

 

Violência no namoro de universitários

Uma campanha para abanar universitários: “Violência no namoro não é para ti”

Até ao final do ano lectivo, uma campanha do Governo feita em parceria com as federações académicas quer ajudar os jovens a definir barreiras e percepcionar actos de violência no namoro. Nas universidades portuguesas este é um problema “muito grave”, diz a APAV

Texto de Mariana Correia Pinto

viol-namoro

Breves silêncios, olhares constrangidos e expressões de surpresa. A secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade, Catarina Marcelino, gravou as reacções de alguns representantes de federações académicas de todo o país como parte do diagnóstico. Nos últimos meses, enquanto discutiam juntos o desenho de uma nova campanha contra a violência no namoro entre universitários, os jovens não tinham dúvidas em reconhecer o abuso sexual e as agressões físicas como violência. Mas alguns franziam o sobrolho ao ouvir falar do controlo do telemóvel ou das redes sociais, da vigilância da roupa, da moderação do relacionamento com os amigos, dos ciúmes excessivos. A nova campanha nacional lançada esta terça-feira, em Guimarães, faz da “percepção do que são actos de violência” uma “prioridade”, refere a governante. Até ao fim do ano lectivo, o tema vai andar nas universidades de todo o país.

É uma espécie de segredo público nas academias nacionais. Toda a gente sabe que existe, mas ninguém fala sobre isso. Daniel Freitas, presidente da Federação Académica do Porto (FAP), entende bem a distância entre a “percepção baixíssima” da violência no namoro nos universitários e a realidade: “Não conheço casos, não nos são denunciados, mas todos os dados nos dizem que o problema existe.” E é “muito grave”, completa Daniel Cotrim, assessor técnico da direcção da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV). “Os estudos indicam que a violência no namoro no meio universitário tem índices altíssimos e denúncias muito baixas. O número de jovens violadas também é muito alto e esses casos também não são denunciados.”

Um estudo da União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR) divulgado no início deste ano fez soar alarmes na equipa de Catarina Marcelino. Entre os 2500 jovens (entre os 12 e os 18 anos) inquiridos, quase um quarto (22%) considerava “normal” a violência no namoro. Por outro lado, em 2015 chegaram ao Instituto de Medicina Legal 699 casos de violência no namoro (em todas as idades), um aumento de 44% relativamente ao ano anterior — e isso, sabe-se, é apenas uma parte do problema. Muitas das vítimas nunca chegam a fazer queixa.

Os dados “são impressionantes”, diz Catarina Marcelino, “mas não surpreendentes”. A dimensão da violência doméstica e de género em Portugal é ela própria uma prova dos factos. Os agressores têm uma idade média de 40 anos — mas não foi aos 40 anos que se tornaram agressores. Algo falhou. Continua a falhar. “São pessoas que nasceram e cresceram em democracia, andaram na escola no sistema democrático. Faz-nos pensar se, enquanto sociedade, estamos a fazer o suficiente. Não estamos.”

De universitários para universitários

Em busca do sucesso na nova campanha, a socialista delineou um plano que passou por “implicar os jovens na mudança”. Quis saber como se pensa aos 20 anos para comunicar com quem tem 20 anos. Os cartazes, desenhados pela Sociedade de Estudos e Intervenção em Engenharia Social (Seies) e pensados também em parceria com algumas associações habituadas a lidar com audiências mais jovens, querem levar o slogan à exaustão: “Muda de curso: violência no namoro não é para ti”.

Para usar ao peito — e gravar a mensagem —, haverá crachás com o lema gravado. Um vídeo que quer ser viral. E vários momentos de “campanha pública” pensados para os próximos meses. Além disso, as próprias universidades “vão ter autonomia para organizar eventos”. Palavra a Daniel Freitas, da FAP: o grande desafio passa por mostrar que, estando associada a comportamentos como agressão física, a violência “está presente em muitos outros”, sobretudo “numa época determinadamente digital. Invadir o espaço privado, o telemóvel ou o e-mail, não são comportamentos aceitáveis.”

O perfil de vítimas e agressores é difícil de traçar. Sabe-se que, entre os mais jovens, a violência “é muito transversal”, aponta Daniel Cotrim, chamando a atenção para o facto de essa realidade também se começar a notar nos números gerais. As raparigas ainda são mais vítimas do que agressoras, mas a balança está cada vez mais equilibrada, atingindo os rapazes “quase na mesma proporção”.

A par da campanha dirigida aos universitários, está a ser delineada uma “estratégia nacional de educação para a cidadania”, em parceria com o Ministério da Educação. A ideia é dar mais competências às escolas logo a partir do 1º ciclo e até ao ensino secundário. Actuar cada vez mais cedo — porque os relatos de violência chegam também cada vez mais cedo. “Nos últimos anos houve um retrocesso nessa matéria, com o fim dos tempos lectivos para as áreas de projectos nas escolas”, lamenta Catarina Marcelino. Do grupo de trabalho formado para debater este assunto, deverá sair uma estratégia para pôr no terreno já no próximo ano lectivo.

É uma mudança urgente. Para o psicólogo Daniel Cotrim, a intervenção devia começar “quando as crianças entram no jardim de infância, por volta dos três anos”. Acontece assim em países como a Austrália e Canadá, com resultados inspiradores. “Parte do currículo relacionado com a cidadania é feito com as famílias e complementado pelas escolas. Isto cria sociedades activas”. Na prática, é olhar para a campanha feita em Portugal com a reciclagem e readaptar a fórmula. “Hoje toda a gente recicla porque os filhos ensinaram os pais. Se fomos capazes disso nesse campo, também somos na violência.”

Fonte: P3

Textos correlatos:

Condutas discriminatórias precisam de diagnóstico compatível com o crime, defende psiquiatra

O que não quer mulher na política prova que educação não previne discriminação

USP um espaço educador que não previne o machismo

Jornalismo machista

O machismo e a medicina

Religião e laicidade: discriminação e violência.

 

 

Educação religiosa: tarde para ser gay e cedo para sair do armário

Demasiado velhos para serem gays

educacaoreligiosa-1Alguns casaram com o género oposto, tiveram filhos, mas nunca assumiram a sua orientação. A educação católica mói, os lares são conservadores. Lisboa não quer os idosos homossexuais no armário.

O método tinha como objetivo queimar pela raiz um instinto proibido: a homossexualidade. António Serzedelo, hoje com 72 anos e na altura com perto de 30, submeteu-se ao tratamento com choques elétricos. Naquele momento até tinha uma namorada e decidiu contar-lhe que “também” gostava de rapazes. Ela disse-lhe: “Vai-te tratar” e ele, obediente, assim fez. Aconselhou-se com um médico em Lisboa e juntos caminharam para a cura.

António entrou numa sala, sentou-se e ligaram-lhe “aqueles sensores todos” ao corpo. À sua frente tinha um grande ecrã. Primeiro, apareciam imagens de homens envolvidos com mulheres. De seguida, apareciam imagens de homens envolvidos com outros homens. “Quando apareciam imagens de homens com mulheres, os choques eram muito suaves e agradáveis, eram massagens. Quando apareciam as imagens de homens com homens, os choques eram muito fortes, muito desagradáveis”. O tratamento não resultou.

Ele é idoso, ele é homossexual, ele não teve filhos e já poucos amigos vivos lhe restam. Familiares, contam-se pelos dedos. Mas ele é também o fundador da Opus Gay, uma associação com muitos membros adultos e idosos LGBT, que lhe ocupa parte do tempo e que lhe trouxe muitos contactos. Por isso, apesar de tudo, até tem uma vida ativa. Não é o caso dos mais de 100 idosos homossexuais que se confessaram “isolados e sozinhos” num questionário anónimo do projeto “Envelhecer fora do armário”, apoiado pela Câmara Municipal de Lisboa.

educacaoreligiosaAntónio Serzedelo fotografado em sua casa

Uma visita à Casa do Artista, uns saraus de poesia e uma exposição de pintura. A lista de atividades do projeto contou com alguns eventos simbólicos, mas foi a linha telefónica anónima que teve a maior adesão do público-alvo. Muitos ligaram só para desabafar, outros queriam a opinião de quem estava do outro lado. Alguns aceitaram ir ainda mais longe e frequentaram as consultas de psicoterapia gratuitas.

O medo do VIH

Afinal, de que se queixam estes idosos? António Serzedelo esteve sempre no outro lado do telemóvel e ouviu todo o tipo de histórias. “Havia um senhor que se queixava muito que estava muito mal, a ver cada vez pior, quase a cegar de um olho. Depois percebemos que era resultado de uma sífilis. Mas ele não ia ao médico, porque não queria contar a parte das relações sexuais com homens.” A cegueira pode ser resultado de uma sífilis já em estado terciário, quando a pessoa não recebeu qualquer tratamento. Em alguns casos, a cegueira surge já 20 anos depois da infeção.

As doenças sexualmente transmissíveis são um dos receios dos hoje idosos homossexuais, que foram um dia jovens homossexuais no auge do VIH. “Na comunidade há muitos problemas de doenças virais destratadas ou ignoradas, porque nunca fizeram o rastreio e têm medo de o fazer”, refere o presidente da Opus Gay.

Depois, há outros que conhecem a sua doença, mas que a omitem. “Com os medicamentos retrovirais, o prolongamento da vida começou a ser uma realidade. E eles escondem, porque é mais um estigma”, explica José António Teixeira, psicoterapeuta especialista em Geriatria, que recebeu os idosos do projeto. Esses mesmos idosos que escondem a sua homossexualidade dos médicos, dos amigos e… da mulher.

“Muitos idosos gays casaram com mulheres e hoje têm filhos e netos. Na altura não tiveram alternativa. E têm pavor que os filhos ou netos venham a saber e lhes fechem a porta de casa”

António Serzedelo, coordenador de “Envelhecer Fora do Armário”

Os amantes pagos e o Professor Bambo*

Alguns foram casados, tiveram filhos, hoje têm netos, e todos juntos apareceram em fotografias com uma família feliz durante muitos anos. Até um dia. “Dos casos que acompanho diariamente, noto que, de forma geral, entre os 50 e os 70 anos o homem homossexual deixa de suportar o estar casado com uma mulher e separa-se. Já não consegue mentir. A libido diminui e eles deixam de procurar sexualmente as companheiras, o que aumenta a tensão. No fundo elas sempre souberam, mesmo que isso não tenha sido declarado”, explica o psicoterapeuta de orientação psicanalítica.

Depois, a saída dos filhos de casa ajuda a clarificar tudo. “É a chamada Síndrome do Ninho Vazio. Acontece quando os filhos vão viver as suas vidas fora daquele lar. De repente, marido e mulher ficam sozinhos e encontram-se como dois estranhos“, esclarece.

Mas até esse momento a vida foi-se aguentando mais ou menos bem. Assim aconteceu com alguns dos casos que desabafaram para o outro lado do telefone, conta António. “Alguns habituaram-se a ter amantes ou namorados pagos. Vidas paralelas. Mas hoje os amantes também já têm idade e os idosos já não têm dinheiro para pagar isso…”

A solidão pode levar ao desespero, e o desespero pode levar à perda de discernimento. O lado anónimo das chamadas telefónicas, sem uma única questão sobre a identidade de quem está a ligar, permite a partilha sem filtros. Quase sempre homens, apenas duas ou três mulheres.

“Um senhor de 73 anos contou-me que pediu emprestado 800 euros para ir ao Professor Bambo**, porque ele lhe tinha prometido que lhe ia arranjar um namorado. Claro que não arranjou nada! E o homem tinha pedido esse dinheiro emprestado porque só recebe 500 euros de reforma. Ainda ontem voltou a ligar a dizer que se queria suicidar. A solidão é insuportável.”

A organização do “Envelhecer Fora do Armário” elaborou um questionário anónimo para apurar a situação dos idosos homossexuais do concelho de Lisboa. A nível nacional não há dados.

Não é o caso do Reino Unido. Segundo um estudo da YouGov e da Stonewall, em 2011 havia cerca de um milhão de lésbicas, gays e bissexuais com mais de 55 anos. As conclusões são estas: em comparação com os idosos heterossexuais, os idosos homossexuais têm mais probabilidade de serem diagnosticados com depressão e ansiedade, de não verem a família biológica com regularidade e de viverem sozinhos.

Muitos dos idosos LGB estão solteiros e não têm filhos e metade deles admitiram sentir-se “desconfortáveis” perante a ideia de contar a sua orientação sexual ao médico, aos funcionários de um lar ou a um cuidador.

“O idoso volta à infância e ao medo de não ser amado”

Com a idade, muitos gays perdem a exuberância de outros tempos em nome do medo da rejeição. Primeiro, é preciso identificar o “retorno ao medo da infância”, comum a muitos idosos, independentemente da orientação sexual.

“O idoso recupera muitas características da primeira infância, que se verifica até aos 3 anos: os complexos da rejeição, do desamor e do abandono. A solidão leva ao medo da perda do amor, que a criança tem. A sociedade assume uma identidade maternal com os idosos, cuida deles, mas impõe também as regras, como se faz com as crianças. E alguns deles não se integram nas normas e nas referências dessa sociedade”, explica José António Teixeira, que tem no currículo uma especialização em Geriatria.

“A sociedade está programada para os jovens. E os gays têm muito o culto da beleza e da alegria. Mas os velhos também são capazes de ter essa alegria!”

António Serzedelo, presidente da Opus Gay

O pânico da rejeição dos outros faz com que alguns idosos se retraiam. “No caso dos idosos que acompanhei, esse medo de não ser amado leva ao medo de terem determinados comportamentos que sempre tiveram e que lhes davam prazer, como pintar as unhas, pintar o cabelo ou vestir roupas com cores garridas. Põem de parte hábitos que faziam parte da rotina, como frequentar bares gay ou saunas, que ainda são espaços para conhecer uma companhia”, identifica o psicoterapeuta. “Como não saem, não têm vida social, logo não conhecem amigos ou potenciais companheiros”, remata.

A “perda da juventude” é um dos fatores que pode atirar os idosos homossexuais para a solidão. Segundo um estudo publicado na Social Science & Medicine, há uma ligação entre a vivência da homossexualidade na terceira idade e a depressão. Uma das razões está na “acentuada valorização da juventude, do vigor e do aspeto físico na comunidade gay”, que leva muitos gays a viverem uma espécie de “envelhecimento acelerado”, lê-se no relatório.

“É pecado ser-se velho e querer ter-se vida sexual”

É de João Afonso a responsabilidade final da aprovação de financiamento a este projeto. O vereador com o pelouro de Direitos Sociais da Câmara Municipal de Lisboa (CML) defende o objetivo do projeto, embora admita que ele não serve toda a população.

26%

No concelho de Lisboa há cerca de 180 mil idosos, o que representa 26% da população.

Câmara Municipal de Lisboa

“Às vezes é tão importante chegar a uma pessoa como chegar a 1000. A medição da importância de um projeto não é feita pela medição da sua relevância estatística, mas sim pela qualidade de vida que vai dar ao grupo a que se dirige”, considera o responsável. Ainda assim, há que dizer que os idosos correspondem já a uma fatia considerável do bolo do concelho.

Tal como outros projetos apoiados pela CML, o “Envelhecer Fora do Armário” durou um ano. Terminou este verão. O vereador reconhece que “falta averiguar mais dados” para atacar a discriminação contra este grupo, mas já identificou um problema: “Os serviços públicos são conservadores em relação à sexualidade dos idosos”.

educacaoreligiosa-5João Afonso, vereador com o pelouro de Direitos Sociais da Câmara Municipal de Lisboa (Filipe Amorim/Global Imagens)

Parte desta conclusão baseia-se nos depoimentos recolhidos na Santa Casa da Misericórdia, que é o maior parceiro da autarquia na rede social. Tanto João Afonso como António Serzedelo conversaram com funcionários e técnicos da rede que admitiram “atitudes conservadoras”, não só naquela organização, mas também noutras por onde passaram.

“Uma enfermeira da Santa Casa contou-me: ‘Aqui ainda há cuidadores que, se houver uma ereção de um idoso, mandam-lhe com um balde de água fria’“, revela António Serzedelo. “As pessoas já acham horrível os idosos terem relações sexuais, então se for entre idosos gays ainda acham mais terrível. Vamos perdendo esse direito. Somos tarados sexuais, umas bichas tontas. É pecado ser-se velho e querer ter-se vida sexual”.

João Afonso garante que, na Santa Casa da Misericórdia, não há “formalmente” barreiras à entrada no lar de um casal homossexual. “Em termos de regulamento não há qualquer regra de proibição, mas sabe-se que há essa discriminação. A política é de abertura mas depois há muitos constrangimentos”, avança o vereador, socorrendo-se de conversas que teve com técnicos dos serviços.

Então, como é que isto se resolve? “Há várias questões aqui. Há técnicos que dizem que ‘não querem cá dessas coisas’, mas também há utentes que não assumem a sua orientação com receio da reação dos técnicos. É um ciclo. Depois também há outros idosos que reagem negativamente se virem manifestações desses casais”, aponta. Mas o problema principal é que não há por onde começar a atuar: “Há consciência disto tudo, mas não há queixas formais. É uma realidade silenciosa”.

“Todos nós temos uma ideia de família padrão, com um casal de idoso e idosa, neste caso. E os serviços públicos funcionam com base nessa família padrão, que é uma coisa que não existe”

João Afonso, vereador de Direitos Sociais da CML

É para resolver este problema que surgiu uma ideia: a construção de um lar inclusivo. A ideia é de António Serzedelo. Este lar receberia “homens, mulheres, cidadãos com HIV, várias orientações sexuais e todas as pessoas que de alguma forma sejam ostracizadas”, explica.

João Afonso recebeu a proposta e promete analisá-la, mas com cuidado: “Pode ser necessário criar um espaço de proteção, mas o objetivo é que todos os lares sejam inclusivos. A solução está na mudança de mentalidades das organizações e da comunidade em geral. Se há quartos para casais heterossexuais nos lares, então um casal de dois homens também deve ter direito ao seu quarto.”

António Serzedelo não se pode queixar. É homossexual, dá a cara, frequenta várias aulas da Universidade Sénior, tem amigos que preenchem uma agenda social e é presença assídua em eventos públicos, inclusive da Câmara de Lisboa. O idoso gay António não tem um companheiro neste momento, mas acredita que ainda há de encontrar. Na verdade, já teve vários, “amores e desgostos, mas enfim, tudo faz parte”.

António pode dar-se ao luxo de se assumir mas, aos 72 anos, garante que faz parte da verdadeira minoria: “Para sair do armário é preciso ter estatuto social e económico, senão é muito complicado. Se um doutor ou um banqueiro se assumir, é homossexual. Mas se for um pedreiro, é paneleiro. Provavelmente vai perder o emprego e vai ser gozado o resto da vida. É preciso muita coragem. E, nós idosos, pensamos muito no fim da vida… As conquistas de direitos já chegaram tarde para nós”.

fotografia de Hugo Amaral.

* Professor Bambo
** Professor Bambo

Por Catarina Marques Rodrigues

Fonte: OBSERVADOR

Textos correlatos:
Condutas discriminatórias precisam de diagnóstico compatível com o crime, defende psiquiatra
Religião e laicidade: discriminação e violência.
Homofobia: no Canadá querem prevenir. E aqui quem não quer?
Homofobia: na Alemanha querem prevenir. No Brasil quem não quer?
A homofobia enquanto não “sai do armário” e o sofrimento de uma vida dupla
Conduta Discriminatória: tentativa de conceituação motiva correspondência entre psiquiatras.