Religiosos discriminam agnósticos e ateus: medidas preventivas são criadas

Relator da ONU elogia medidas dos EUA para proteger agnósticos e ateus

O especialista de direitos humanos da ONU sobre liberdade de religião e de crença, Ahmed Shaheed, elogiou nesta quarta-feira (28) as novas emendas legislativas dos Estados Unidos à Lei da Liberdade Religiosa Internacional. As medidas, assinadas na semana passada pelo presidente Barack Obama, visam a proteger os agnósticos e ateus no país.

onuO especialista de direitos humanos da ONU sobre liberdade de religião e de crença, Ahmed Shaheed, elogiou nesta quarta-feira (28) as novas emendas legislativas dos Estados Unidos à Lei da Liberdade Religiosa Internacional. As medidas, assinadas na semana passada pelo presidente Barack Obama, visam a proteger os agnósticos e ateus no país.

“Este é um desenvolvimento importante. Crentes, agnósticos e ateus devem ser igualmente protegidos. Muitos humanistas e agnósticos ainda são amplamente estigmatizados e perseguidos em todo o mundo”, disse Shaheed em comunicado emitido pelo Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH).

De acordo com o especialista, a promoção do pensamento ateu é considerado ato terrorista em muitos países. Em outros locais, a expressão de não crença ou ateísmo é condenada como blasfêmia e apostasia e recebe punição severa, incluindo sentença de morte ou ataques de grupos de vigilância.

“As pessoas muitas vezes não compreendem completamente o alcance do direito humano internacional à liberdade religiosa. Não se trata apenas de religiões ou crenças, mas também abrange o direito à liberdade de pensamento e de consciência, tal como previsto na Declaração Universal dos Direitos Humanos”, observou Shaheed.

O relator disse ainda que os termos “religião” e “crença” devem ser entendidos em um sentido amplo, a fim de incluir crenças teístas, não-teístas e o ateísmo, bem como o direito de não professar qualquer religião ou crença.

“Todos têm um papel importante a desempenhar na construção de sociedades pluralistas, inclusivas, pacíficas e prósperas no século 21”, frisou o especialista. “Em face da crescente diversidade, a liberdade de religião e de crença só pode ser mantida com a aceitação e inclusão plena dos ateus e dos agnósticos”, acrescentou.

Fonte:  ONU
Textos correlatos:
Condutas discriminatórias precisam de diagnóstico compatível com o crime, defende psiquiatra
Religião e laicidade: discriminação e violência.
Deus decide
Encerrando o debate com Flávio Aguiar incluindo editorial do Charlie Hebdo sobre laicidade.
Trajetória ateista de Sigmund Freud (1856-1939)* (4)
Conduta Discriminatória: tentativa de conceituação motiva correspondência entre psiquiatras.

Políticos machistas “descobrem” a violência de gênero

Los políticos mexicanos acaban de descubrir la violencia de género

La respuesta de la clase política mexicana a la agresión contra Guevara es tan oportunista como atroz fue la golpiza que recibió la senadora.

senadora

La senadora Ana Gabriela Guevara, en febrero de este año./ DIEGO SIMÓN (CUARTOSCURO)

Este martes se reportó que el presidente Enrique Peña Nieto había llamado a la senadora y medallista olímpica Ana Gabriela Guevara para ofrecerle apoyo ante la brutal agresión que sufrió a manos de cuatro hombres el domingo 11 de diciembre.

El gesto solidario de Peña Nieto fue uno de muchos que recibió la legisladora. Pero si el presidente mexicano tuviera el mismo detalle con todas las mujeres que son agredidas diariamente en el país, simplemente no le alcanzaría el tiempo. Necesitaría hacer una llamada por minuto, y eso contando que estuviera despierto las 24 horas del día. Igual número de mensajes por minuto tendrían que enviar todos los políticos que por redes sociales expresaron apoyo a la velocista y legisladora.

Y es que, según datos de la Comisión Ejecutiva de Atención a Víctimas a 2015, más de 1,200 agresiones contra mujeres son cometidas cada día en México, casi tantas como minutos tiene el día. Y cada día, siete mujeres son asesinadas, según el Inegi.

Por eso la respuesta de la clase política mexicana, de legisladores, dirigentes partidistas o funcionarios públicos a la agresión contra Guevara es tan oportunista como atroz fue la golpiza que recibió la senadora. Parece que acaban de descubrir que en México hay violencia de género.

“#NoTienenMadre. Punta de cobardes”, escribió en Twitter el senador panista Javier Lozano.

“Lamento el incidente de mi compañera Senadora”, expresó el líder de los senadores del PRI, Emilio Gambia en la misma red.

El presidente del Senado, Pablo Escudero, del Partido Verde, dijo que lo ocurrido a Guevara “no tiene lugar en un Estado de Derecho”.

Pero si nos atenemos a los datos de la CEAV, calculados a partir de encuestas de victimización porque la cifra negra de delitos es mayor al 90% por la falta de denuncia, podemos asumir que en los 346 días de 2016 antes de que Guevara fuera golpeada más de 400 mil mujeres fueron agredidas en México por “puntas de cobardes” en “lamentables incidentes” que “no tienen lugar en un Estado de Derecho”, parafraseando lo dicho por los senadores. En ese mismo lapso, más de 2 mil mujeres fueron asesinadas.

Esas agresiones que pasaron tan desapercibidas como las más de dos mil que se dieron en las 24 horas anteriores y las 24 posteriores a la noche del 11 diciembre que no fueron condenadas de manera tan enérgica, si es que fueron condenadas del todo.

Cuestionar las reacciones de la clase política no es minimizar la agresión que sufrió Guevara. Es que la misma realidad la minimiza pues en igualdad de circunstancias ella es solamente una en más de un millar de personas que corrieron con su misma suerte ese 11 de diciembre.

A Guevara la distingue su calidad de legisladora y deportista ejemplar. Y por lo mismo tiene en su poder aprovechar la agresión para que sus colegas volteen a ver el tema de violencia de género y pongan manos a la obra. Tras su recuperación y al narrar el ataque, Guevara convocó a una cruzada nacional contra la violencia de género con mesas de trabajo de distintos actores sociales y dijo que va a insistir para que se dictaminen las iniciativas pendientes que hay sobre esta materia.

La palabra clave en este llamado no es “iniciativas” sino “pendientes”, pues significa que en el Congreso hay ya proyectos de ley sobre esta materia que están congelados porque hasta antes del 11 de diciembre la violencia de género no era un tema que ocupara su atención.

Apenas en abril pasado más de 6 mil personas marcharon en la Ciudad de México y miles más en varias ciudades del país para exigir el fin a la violencia de género. La marcha avanzó por el Paseo de la Reforma, enfrente del edificio del Senado, pero por lo visto ningún colega de Ana Gabriela Guevara se dio por enterado en aquel momento.

Y como para los legisladores mexicanos no hay iniciativa que resista un periodo vacacional, el Congreso terminó el 15 de diciembre su periodo de sesiones y el siguiente empieza el 1 de febrero.

Esto significa que desde hoy hasta que el Congreso mexicano regrese a trabajar y retome (si es que no se le olvida) el tema e violencia de género, 55.000 mujeres habrán sido agredidas y 329 asesinadas desde que los legisladores se fueron a receso, llenos de indignación por el ataque a su compañera, hasta que regresen a trabajar.

Texto: Javier Garza Ramos es conductor del noticiero Reporte100 en Imagen Laguna y consultor de la Asociación Mundial de Periódicos.

Textos correlatos:
Condutas discriminatórias precisam de diagnóstico compatível com o crime, defende psiquiatra
Religião e laicidade: discriminação e violência.
Machismo na Harvard e USP: a diferença do enfrentamento
Violência sexual: uma apologia discriminatória
Machismo e assédio sexual na atividade política
Saúde mental dos políticos e juizes em avaliação

Quem é o homem e quem é a mulher na relação homossexual?

La Homofobia, o el me “hace daño hasta lo que no como”

Nota do blog (NB): No texto de hoje introduzimos, em alguns trechos, NB fazendo referência a posts já publicados por nós.

quem-1
¿QUIÉN NO SE HA TOPADO CON LA ‘VECINA’ O ‘VECINO’ CHISMOSO QUE VIVE AL PENDIENTE DE LO QUE HACEN LOS DEMÁS?

Esa persona que parece conocer al detalle cada cosa de la vida de quienes están a su alrededor, pero curiosamente tratándose de la suya; es como si le hubiesen borrado la memoria.

Sí, así es como funciona la homofobia.

que-2

En algún momento en todos los discursos de odio injustificado, muestras de desprecio físicas, psicológicas y un llamativo vocabulario que alcanzaría para establecer una nueva lengua, llega un punto donde la situación del individuo (o individuos) alcanza tal extremo de la ridiculez, que hasta nos parece gracioso.

No, no estoy diciendo que la discriminación sea un chiste o que deba tomarse a la ligera, pero como hemos aprendido en todo éste tiempo, la confianza en ti mismo no permitirá que ninguna ofensa te afecte. Se convierte en una especie de armadura que te protege de todo insulto a nivel personal.

Decir con exactitud que motiva a éstas personas a inclinarse por esa postura… ¡Simplemente no se puede!  NB*

Entendemos que tal vez fueron criados por familias sumamente conservadoras, dándoles quizá una religión y educación que no les permite la entrada y oportunidad a otras ideas; pero, ¿De dónde viene esa fijación por meterse en la vida de la gente?  NB**

Desde los comentarios desafortunados en redes sociales dentro de publicaciones pro gay (¿por qué leen eso, si tanto les incomoda? ¡Dah!) hasta los actos de desprecio cara a cara, si ven a una pareja de hombres o mujeres tomados de la mano u otra muestra de afecto., por ejemplo.

La verdad es que, no hay explicación congruente para su actitud homofóbica, ¡No existe!  NB***

quem-3

LA AGRESIÓN…

ACTIVA Y PASIVA.

No, no estamos hablando de roles sexuales, sino de las diferentes formas que algunos individuos usan para hostigar, ya sea de manera directa o indirecta, sobre la orientación sexual de alguien.

Los más escurridizos y astutos utilizan sermones donde ellos pasan a ser una especie de jueces, pero sin abandonar su estatus de falsa bondad, engañándose a ellos mismos como si hicieran un favor por aceptar la homosexualidad de alguien. Son precisamente éstos discursos los que más rabia causan, ya que envueltos en una doble moral resguardada ya sea por la religión o por el contrario, una visión moderna (Sí, ajá), toleran todo y a todos… “mientras no lo hagan en público está bien. Pero yo los acepto, apoyo y quiero”.

quem-4

La otra cara de la moneda se materializa en quienes sin reparos atacan verbal y/o físicamente. Suelen ser los más tóxicos y claro, los más peligrosos.

Éste tipo de individuos no piensan lo que dicen, y lo más grave no tienen ni una pizca de razón en lo que sale de su boca, porqué como bien lo dice Paramore… ignorance is your best friend.

Sin tener claro un porque, su existencia gira en torno a volver la vida de los otros, miserable; un ejemplo contundente son los Bullies en las escuelas. La mayoría del tiempo son gente con autoestima baja que busca caracteristicas diferentes en otros para burlarse y de ésta forma, en su cabeza, creer que los demás no verán sus ‘defectos’ (a veces ni quién esté al tanto de ello, pero en su mente es así).  NB****

Otros por el contrario, es un misterio qué los orilla a atacar, incluso ya siendo adultos.

Para muestra un botón, las pasadas marchas del malamente nombrado, ‘Frente Nacional por la Familia’.

WHY ARE YOU OBSESSED WITH ME?.

quem-5

El sexo.

Si el acto sexual hetero, al que llaman “normal”, es aún un tema que sigue causando escalofríos en los sectores más reacios, que lo llegan casi a satanizar.

Ahora, ¿Qué pasa con el sexo gay?

Algunos de los mensajes más tontos con los que me he topado se centran en esto. Sí, al parecer para ellos el sexo no es más que una perversión.

Partiendo desde la curiosidad bañada con un poco de ignorancia:

“¿Quién es el hombre y quién la mujer?”

(Qué en algunos casos no lo hacen por molestar, ¡Vaya, nadie nace sabiendo y menos si no hay mucha información clara. Se vale explicarles, chavxs.)

Pasando por el … “¡Qué asco!, Te gusta que te la metan. ¡Pasiva!”

Terminando con los más ‘correctos’ :

“El sexo entre dos hombres o dos mujeres está mal porque no pueden tener hijos. Recuerden que … ‘No te echaras con varones porque no heredaras el reino de Dios.’

quem-6

Bueno, podría hacer una lista interminable de las frases más usadas, y estoy seguro que ustedes se saben muchísimas más. Tanto así, que hasta podríamos escribir un libro completo sobre ello.

Como vemos, de una y mil maneras, esa o ese ‘vecino chismoso’ se entromete en los asuntos que no son de su incumbencia y que ni para bien ni para mal le afectan.

¿Alguna vez has tenido que lidiar con una situación así?

¿Qué hiciste para superarla?

quem-7
Marcos A. Alonso

Cinéfilo, lector compulsivo. Creo que en éste mundo lleno de guerra, cualquier demostración de amor debe ser considerada un verdadero milagro.

Fonte: Clóset LGBT

Textos correlatos:
Condutas discriminatórias precisam de diagnóstico compatível com o crime, defende psiquiatra
Religião e laicidade: discriminação e violência.
A homossexualidade é afinal uma doença?
Homofobia: no Canadá querem prevenir. E aqui quem não quer?
A homofobia enquanto não “sai do armário” e o sofrimento de uma vida dupla
Educação religiosa: tarde para ser gay e cedo para sair do armário

Freiras que plantam e fumam maconha e a indústria farmacêutica

Conheça as Freiras da Califórnia que plantam e fumam maconha para fins medicinais

freiras1As irmãs do Valley que ficaram famosas por sua luta contra a proibição, plantando e produzindo medicamentos à base de maconha na cidade de Mercedes, Califórnia, continuam firmes em seu propósito de produzir remédios naturais e ajudar as pessoas que precisam da cannabis para o tratamento de suas enfermidades. Saiba mais sobre as Sisters of the Valley no texto de Fernanda Caldas.

Hábitos tradicionais de freiras, fé na ciência e devoção à natureza. Logo à primeira vista, o véu branco que emoldura o rosto sereno de uma senhora de 57 anos nos remete a ideia de sabedoria. No interior da Califórnia, nos Estados Unidos, Sister Kate lidera a comunidade das Sisters of the Valley. Em uma pequena fazenda nos arredores de Mercedes, a cerca de duas horas de São Francisco, as irmãs cultivam uma plantação de maconha e produzem medicamentos à base de cannabis.

Tudo começou em 2011, quando Sister Kate comprou a fazenda onde vive hoje com outras irmãs. Ela lembra que na época, quando se auto declarou freira, plantava seus próprios vegetais e já tinha a intenção de utilizar o terreno para cultivar maconha, produzir medicamentos e ajudar pessoas. Todo o processo seria feito por mulheres com espírito ativista, permitindo que elas trabalhassem, dando apoio e incentivo a outras mulheres.

As freiras auto ordenadas fazem questão de deixar claro que não pertencem a nenhuma religião. Para elas, o homem deixou de seguir, ao longo dos anos, os princípios básicos e essenciais para a fé, destruindo os reais valores das doutrinas religiosas. Sister Kate chama atenção para o fato de que a religião causou inúmeros danos ao meio ambiente, assim como tirou o poder das mulheres. Ela acredita, no entanto, que é importante existirem pessoas que lutem pela volta do que foi esquecido no tempo.

freiras-2Sister Kate, uma senhora de 57 anos nos remete a ideia de sabedoria.

Sister Kate explica o porquê das vestes, já que elas são contra qualquer religião:

“Estamos introduzindo um estilo de vida, não estamos tentando imitar as freiras convencionais”.

Ela esclarece que existem três razões para o uso das roupas. O hábito as associa às Oito Mães citadas na Bíblia, além de lhes dá a certeza de estarem respeitando um trabalho que vem sendo desrespeitado há anos.

freiras-3

Por fim a irmã lembra que muitas freiras cobrem seus corpos por razões espirituais:

“Isso nos dá a força que precisamos, é a espiritualidade e não a religião que nos move. Nós só produzimos os medicamentos quando estamos vestidas com nossas roupas brancas”.

Entre as razões para desacreditar em qualquer religião, ela afirma:

“Na Bíblia diz: […] e todos os animais, e todas as plantas foram feitos para vocês.”

E continua:

“E o que o homem faz? Vai contra o que Deus criou e segue um caminho totalmente oposto, descartando a natureza que poderia beneficiá-lo”.

freiras-4

Para as irmãs, com a maconha, que é fruto da terra, não poderia ser diferente. Apesar de as leis da Califórnia permitirem o consumo de maconha medicinal para maiores de 21 anos, a Câmara Municipal de Mercedes criou uma proposta para acabar com todas as formas de cultivo da planta. Mas as freiras não desistem e continuam acreditando no poder da Mãe Natureza.

O trabalho realizado pelas Sisters of the Valley conta com três conceitos básicos. Sister Kate explica que o primeiro é em relação ao ativismo das mulheres para que elas possam mostrar para si mesmas que são capazes de trabalhar, sem depender de nada nem ninguém. O segundo está ligado ao serviço prestado pelas irmãs, que tem como objetivo beneficiar pessoas. Por fim vem o elemento espiritual, que não tem nada a ver com religião, mas sim com a individualidade de cada pessoa em busca do significado para a vida por meio de conceitos que transcendem o tangível. Ela lembra que a espiritualidade é usada em benefício das próprias freiras, enquanto o serviço e o ativismo são para a sociedade.

freiras-5Produção na Fazenda.

As irmãs acreditam no poder medicinal da planta. Para elas, o que é cultivado na sua casa e no seu jardim deve ser usado em benefício de sua família. Sister Kate afirma, entretanto, que em Mercedes é ilegal plantar maconha e fazer medicamentos à base de cannabis, o que as obriga a comprar a planta fora da cidade.

Para ela o nome disse é corrupção:

“É corrupção quando você diz para as pessoas que elas não podem plantar em seus jardins, é ridículo. Eu não entendo, porque não podemos fazer isso dentro da lei?”

freiras-6

Por outro lado, o otimismo é aliado fiel da freira:

“Esse processo é devagar, as pessoas são devagar. Quando eu tinha 17 anos nunca poderia imaginar que a essa altura da minha vida já teríamos evoluído tanto na ciência e na humanidade”.

Sister Kate lembra que a proibição alimenta o mercado negro, uma vez que a maconha é facilmente encontrada em qualquer lugar:

“Depois de ter viajado pelo mundo eu tenho certeza que eu vou conseguir a minha maconha aonde eu quiser. Proibir só incentiva o mercado negro”.

Ela diz ainda que em lugares onde a maconha nunca foi ilegal apenas 10% da população faz uso da cannabis, o que não é surpresa para a freira:

“É o que podemos esperar de uma sociedade que não sofre com crimes em relação a isso. Simplesmente 10% da população encontra seus remédios na natureza e não precisa recorrer a indústria farmacêutica”.

Apesar das dificuldades impostas pelas leis e até mesmo pela igreja, as Sisters of the Valley desejam um dia poder pagar impostos pelo seu trabalho e contribuir com o governo. As freiras fabricam medicamentos que ajudam a controlar inúmeras desordens, como insônia, alívio da dor, tratamento capilar, depressão e até problemas crônicos de pele em animais de estimação. Os produtos são vendidos para diversas cidades dos Estados Unidos e para o exterior. Para Sister Kate o que mais a deixa feliz e realizada é saber que ela ajuda pessoas a se livrarem da indústria farmacêutica e fazerem uso de medicamentos naturais totalmente eficazes.

freiras-9

Leia também: Ensaio fotográfico registra rotina das freiras da maconha

Os produtos são feitos por elas e ricos em Canabidiol (CBD) – uma substância química que corresponde a 40% dos extratos da planta e pode ajudar a aliviar os sintomas de diferentes doenças, como artrose e até o câncer. Os medicamentos produzidos pelas irmãs são livres de THC – o responsável pelo barato -, e por isso não oferecem efeitos psicoativos.

A freira explica que existem dois tipos de medicamentos em gota produzidos por elas. Ambos possuem CBD, mas enquanto um tem um gosto horrível, o outro é saboroso. O primeiro leva álcool na composição e é absorvido rapidamente pelo corpo. Com efeito instantâneo, o remédio é usado em casos mais urgentes, como, por exemplo, uma crise de convulsão. O segundo, por sua vez, é um óleo cozido que dá um efeito mais relaxante e duradouro.

Perguntada sobre os benefícios que a maconha medicinal pode trazer para o ser humano Sister Kate afirma ter fé no poder da natureza e na evolução da ciência:

“A maconha é uma planta inteligente. Eu não acredito que ela seja boa para doenças específicas, mas ela vai suprir o que está em falta no organismo de cada pessoa, agindo de forma diferente no corpo dos indivíduos”.

E acrescenta:

“Se eu tivesse diabetes, por exemplo, fumaria todos os dias com a certeza de que isso estaria ajudando meu corpo.”

Sister Kate afirma que chega a ser ofensivo ter que plantar cannabis em espaços pequenos por ser ilegal:

“É como eu ter que dormir em uma cama minúscula, é ofensivo com a planta, é triste.”

A líder ativista acredita que não somente a maconha medicinal deveria ser legalizada. Para ela, que se diz anarquista, não faz sentido existir regulamentação em relação a uma planta:

“Não acredito em nenhum tipo de regulamentação para planta, nenhum. Além disso, enquanto para algumas pessoas a cannabis pode aliviar sintomas de diversas doenças, para outras ela pode ser uma válvula de escape ou um meio de diversão, de entretenimento”.

A Califórnia, que desde 1996 só autorizava o consumo de maconha para fins medicinais, deu um passo a diante e no início de novembro aprovou também o uso recreativo. A medida passa a permitir que maiores de 21 anos portem até 28,5 gramas de cannabis. A vitória da legalização tem importância nacional, dado o poder de influência do estado.

Para Sister Kate, se a maconha fosse liberada em todo o território norte-americano, isso poderia alavancar a economia mundial. Ela acredita que quando os Estados Unidos finalmente legalizarem totalmente o consumo da planta, o mundo estará pronto para seguir o mesmo caminho.

Sister Kate tem certeza que a ciência vai evoluir a ponto de nas próximas gerações a maconha ser vista como uma solução e não um problema:

“A ciência está evoluindo aos poucos. Acredito que nas próximas gerações, daqui a 10 ou 20 anos, as crianças vão comer maconha junto com o cereal, no café manhã, para ajudar no desenvolvimento, no apetite a fome ou o que for. As pessoas vão poder comprar pílulas, óleos e afins à base de CBD para usar a cannabis em benefício da saúde. É uma planta, vem da natureza, devemos usá-la para nos beneficiar e não destruí-la”.

A representante das Sisters of the Valley afirma que a humanidade utiliza a ciência por caminhos errados, desprezando o que foi dado por Deus. Ela chama atenção para o fato de que, ao invés de o homem pegar o que foi dado pela Mãe Natureza para curar doenças, ele acaba descartando essa possibilidade, destruindo o que é natural e fabricando novos remédios. A freira diz que desta forma surgem novas doenças ao longo dos anos, além de diversos efeitos colaterais causados pelas medicações.

A comparação que muitas pessoas fazem entre a maconha e outras drogas mais pesadas ao afirmar que a cannabis é a porta de entrada para outras substâncias não abala Sister Kate:

“Eu ignoro essas pessoas, não podemos dar atenção a esse tipo de informação equivocada. A ciência está evoluindo devagar. Essas pessoas não sabem o que dizem, elas não prestam atenção ao que acontece no mundo, são elas que acham que aquecimento global não existe, são elas que não prestam atenção para o que ciência aponta”.

E finaliza:

“Eu sei que em cinco ou dez anos elas vão mudar de opinião, simplesmente porque você não pode viver na escuridão para sempre”.

freiras-12

Texto: Fernanda Caldas é jornalista e publicitária
Fotografias : Pedro Teixeira

Fonte: SMOKE BUDDIES

Textos correlatos:

Mulheres e drogas: relações pessoais, sociais e tratamento.
Por que cervejeiro é empresário e dono de “boca de fumo” é traficante?
Fabricantes de bebidas alcoólicas e indústria farmacêutica contra a legalização da maconha
O experimento uruguaio e a guerra perdida contra as drogas
A Indústria Farmacêutica, os “homicídios involuntários” e os “cadáveres nos armários”.
“Mídia e publicidade influenciam nos transtornos mentais”

Machismo e assédio sexual na atividade política

Assédio sexual nos plenários franceses

batom

Membros do parlamento francês posam com os lábios pintados como parte de uma campanha em favor dos direitos das mulheres. Denis Baupin, o segundo da esquerda para a direita, foi acusado de assédio sexual por oito mulheres. LAURENT FRIQUET AFP

Em julho de 2012, a recém-chegada ministra da Habitação da França, Cécile Duflot, foi recebida pela Assembleia Nacional em meio a assobios por parte dos deputados. À época, Duflot tinha 37 anos, e, para a ocasião, havia escolhido usar um vestido florido azul e branco. O espetáculo vexatório é um dos ritos machistas do poder legislativo do país, marcado por uma profunda feminização da política. Depois de quatro anos, as mulheres que ocupam cargos jornalísticos e políticos estão em pé de guerra. Elas pedem a demissão de um deputado do partido Os Verdes (Les Verts, em francês), acusado de assediar companheiras de trabalho, e também a saída do ministro de Finanças, Michel Sapin, acusado de ter tratado uma jornalista de forma degradante.
O caso mais grave diz respeito ao que envolveu, recentemente, o ex-dirigente do Os Verdes Denis Baupin, acusado de assédio sexual por oito mulheres, a maioria integrantes de seu partido. Assim que o escândalo foi divulgado pelos meios de comunicação franceses, no início de maio, o presidente da Assembleia Nacional, Claude Bartolone, pediu que o político renunciasse à vice-presidência. Baupin decidiu deixar o cargo, mas denunciou as mulheres que o acusaram por calúnia e difamação e continua a ser deputado. Dias depois, dezenas de mulheres participaram de uma manifestação para exigir o fim da impunidade e que Baupin abandone sua cadeira no plenário. Já a ministra Cécile Duflot pediu a intervenção do deontologista da Câmara dos Deputados. “Existem muitos Denis Baupin na Assembleia”, afirmou ela, referindo-se também à grande quantidade de assistentes parlamentares mulheres que são vítimas de assédio.

As afrontas contra as mulheres na política são numerosas nesse ambiente legislativo que consagrou a igualdade de sexos por lei. O deputado conservador Marc-Philippe Daubrasse chamou, publicamente, Barbara Pompili de Barbara Pom-pom-pili. Seus companheiros, membros da Assembleia, imitaram o som feito pelas galinhas quando a deputada Véronique Massonneau assumiu a palavra. Quando a secretária de Estado de Igualdade, Laurence Rosignol, começou a falar, um deputado perguntou em voz alta: “Mas quem é essa mulher?”.

Sobre a ministra de Educação, Najat Vallaud-Belkacem, uma publicação afirmou que ela é a “menininha mimada” de François Hollande, e o político Hugues Foucault ressaltou seu estilo erótico.

O caso Baupin convulsionou a política francesa e, em meio a esse contexto, o ministro de Finanças, Michel Sapin, teve que admitir que seu comportamento em relação a uma jornalista, no ano passado, foi inapropriado. O caso foi trazido de volta à tona pelo livro L’Élysée Off, lançado recentemente pelos jornalistas Stéphanie Marteau e Aziz Zemouri, e no qual contam que Sapin, ao ver, de costas, uma jornalista que se agachava para pegar uma caneta, comentou: “Mas o que é isso que você está me mostrando?”. Ao mesmo tempo, o político puxava o elástico da calcinha da repórter. A ex-ministra socialista Delphine Batho exigiu explicações a Sapin, e ele garantiu que, apenas, colocou a mão nas costas da mulher. “Não houve, em minha atitude, nenhuma característica machista, mas o fato de ter incomodado a pessoa em questão demonstra que minhas palavras e meus gestos foram inapropriados”, justificou Sapin.

Alguns meios se perguntam se o machismo é um distintivo da política francesa. O sociólogo Éric Fassin, que já escreveu vários livros sobre o tema e sua relação com a discriminação, trabalha com uma hipótese que ofereceria uma explicação: “A V República fomentou a personalização do poder. O chefe de Estado é o encontro de um homem com o povo. Há também uma relação de proximidade dos homens políticos com as jornalistas do setor (muito feminizado), o que conduziu a certos abusos. Mas isso está mudando”.

A denúncia contra Baupin comprova essa teoria. E a reação rápida de Bartolone também. As políticas e as jornalistas francesas já não se calam. As vítimas de machismo mencionadas antes também não. Todas repreenderam, duramente, a conduta de seus colegas. O jornalista de televisão que se atreveu a perguntar a Nathalie Kosciusko-Morizet, ex-número dois do partido de centro-direita Os Republicanos (Les Républicains, em francês), sobre seu penteado levou uma importante bronca ao vivo. “Hoje você ganhou o prêmio de misoginia”, disse Rosignol ao deputado que se referiu a ela, de maneira depreciativa, como “essa mulher”.

O caso Baupin tem poucos precedentes na política francesa. Mas por que nenhuma das oito mulheres que acusam o deputado de assédio o denunciou de maneira oficial perante a justiça? “Essa não é a pergunta. A questão é por que a elite política não reagiu diante desse escândalo”, afirmou a feminista Caroline de Haas, que trabalhou com a ministra Belkacem durante dois anos e combateu, na linha de frente, a reforma trabalhista. “A primeira reação diante desse tipo de assuntos é questionar a palavra das vítimas. Todo mundo sabe que denunciar esse tipo de comportamentos ainda traz muitos problemas”.

O escândalo do deputado do partido Os Verdes Denis Baupin, acusado de perseguição e agressão sexual por oito mulheres, correligionárias de partido em sua maioria, também mobilizou 17 ex-ministras francesas de todas as ideologias. Em uma carta aberta publicada no Journal du Dimanche, as assinantes, membros do Partido Socialista, do Os Republicanos, do Os Verdes do EE-LV e do Partido Comunista, advertem: “Já chega. Não vão nos calar. Denunciaremos todos os detalhes machistas, os gestos desconjurados e as atitudes impróprias”. As ex-ministras pedem, ainda, que todos os partidos políticos que verifiquem cada protesto e incentivam as vítimas de assédio sexual a apresentarem denúncias.

Entre as mulheres que assinaram o texto estão Christine Lagarde, ex-ministra de Economia de Nicolás Sarkozy e atual diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Nathalie Kosciusko-Morizet, Ramo Yade, Élisabeth Guigou e Aurélie Filippetti. Todas afirmam que, como políticas, tiveram acesso a esferas que antes eram exclusivamente masculinas e que tiveram que sofrer e lutar contra o machismo. Elas consideram que o problema é enfrentado por todas as mulheres de todas as condições, mas ressaltam que “os que escrevem, votam e aplicam as leis devem ser irreprocháveis”.

UM ANTES E UM DEPOIS DE DOMINIQUE STRAUSS-KAHN
A galanteria e a capacidade de sedução que era atribuída a muitos políticos na França são características vistas, agora, de maneira crítica. O ex-diretor do FMI Dominique Strauss-Kahn não foi acusado de agressão sexual em 2011 apenas nos Estados Unidos. Na França, enfrentou um julgamento por proxenetismo. Foi absolvido, mas os depoimentos de testemunhas revelaram a conduta agressiva do político em relação às mulheres que não se jogavam em seus braços, entusiasmadas pela paixão. Eram prostitutas que cobravam por seus serviços. Uma jovem escritora o acusou também de agressão sexual. As reações solidárias em apoio ao político depois dos escândalos desencadearam as primeiras tormentas. O ex-ministro de Cultura Jack Lang teve que se desculpar por dar a entender que Strauss-Kahn tinha sido vítima de uma armadilha ou, pelo menos, da provocação feminina.

No ano passado, o ex-primeiro-ministro François Fillon também teve que pedir desculpas. O candidato às eleições primárias dos conservadores, realizadas no final de 2015, respondeu sobre sua ambição em relação a ser presidente da República da seguinte forma: “Eu não gosto dessa formulação porque dá a sensação de que a França é um país para ser tomado, assim como se faz com a mulher que desejamos”.

Cerca de 40 jornalistas assinaram, em 2015, uma carta, publicada no Libération, por meio da qual relatavam casos de machismo praticados por políticos e dos quais eram vítimas. Elas, assim como Caroline de Haas, acreditam que ainda há um longo caminho a ser percorrido. “Acreditávamos que o escândalo DSK mudaria as linhas e que os hábitos machistas estavam em vias de extinção”, afirma a carta. “Mas suportamos, todos os dias, manifestações de paternalismo lúbrico”, conclui o texto.

Fonte: EL PAÍS Brasil

Textos correlatos:
Condutas discriminatórias precisam de diagnóstico compatível com o crime, defende psiquiatra
Religião e laicidade: discriminação e violência.
Machismo na Harvard e USP: a diferença do enfrentamento
Violência sexual: uma apologia discriminatória
“Comecem pela saúde mental dos políticos”
Saúde mental dos políticos e juizes em avaliação

O dilema e a crueldade da dupla moral sexual num Estado laico

dupla

Por Fátima Oliveira, médica

O aborto é presença frequente no noticiário no Brasil, em páginas policiais e nas de política. Algumas manchetes desde 22 de novembro passado: “Papa Francisco autoriza o perdão da Igreja Católica às mulheres que abortaram” (22.11); “Aborto até o terceiro mês não é crime, decide turma do Supremo” (29.11); “Após decisão do STF, Rodrigo Maia anuncia comissão especial para discutir aborto” (30.11); “A cada minuto uma mulher faz um aborto no Brasil” (5.12); e “Jovem morre após suspeita de aborto ilegal, e polícia retira corpo de velório” (8.12).

Dados do Ibope-Inteligência para a Pesquisa Nacional do Aborto 2016, coordenada por Debora Diniz, Marcelo Medeiros e Alberto Madeiro, realizada pela Anis – Instituto de Bioética e pela Universidade de Brasília, e financiada pelo Ministério da Saúde, evidenciam que “uma em cada cinco mulheres, aos 40 anos, já fez, pelo menos, um aborto – isso significa que 4,7 milhões de mulheres já abortaram; em 2015, foi mais de meio milhão; uma mulher por minuto faz aborto no Brasil – uma mulher comum, católica ou evangélica, jovem e com filhos, que a cada minuto atravessa a fronteira da legalidade para interromper ilegalmente uma gestação; mulheres nordestinas pobres, negras ou indígenas fizeram mais abortos que as brancas e com maior escolaridade”.

Em tal contexto, a decisão do STF é um avanço argumentativo na luta pelo direito de decidir num país onde o aborto só não é criminalizado em casos de gravidez decorrente de estupro e risco de vida da gestante (1940) e em casos de anencefalia (2012).

O STF não descriminalizou o aborto: ele se pronunciou exclusivamente sobre o “caso Duque de Caxias” – clínica clandestina de aborto onde cinco pessoas, médicos e outros profissionais, foram acusadas de crime. Pode virar jurisprudência? Em tese, sim!

O ministro Luís Roberto Barroso declarou que “os artigos do Código Penal que proíbem o aborto até os três meses ferem direitos garantidos pela Constituição”. E acrescentou: “Os direitos sexuais e reprodutivos da mulher, que não pode ser obrigada pelo Estado a manter uma gestação indesejada; a autonomia da mulher, que deve conservar o direito de fazer suas escolhas existenciais; a integridade física e psíquica da gestante, que é quem sofre, em seu corpo e em seu psiquismo, os efeitos da gravidez; e a igualdade da mulher, já que homens não engravidam e, portanto, a equiparação plena de gênero depende de se respeitar a vontade da mulher nessa matéria”.

Como disse o senador uruguaio Enrico Rubio, em 4.5.2004, em discurso proferido durante a votação da Lei de Defesa de Saúde Reprodutiva: “O dilema não é pelo aborto ou contra o aborto. O dilema é pela repressão como política ou pela despenalização como política, seguida de outras coisas (…). As interrupções da gravidez se realizam, dezenas de milhões, sem condenação coletiva, em todos os estratos sociais. Há um texto legal que está desautorizado pela prática concreta de nossa sociedade”.

O aborto é uma expressão radical de resistência e experiência milenar de milhões de mulheres; expõe dilemas morais e visibiliza que não é ético obrigar a mulher a levar adiante uma gravidez quando ela não quer ou não pode. As interdições ao aborto não impedem sua realização, apenas tornam-no clandestino e inseguro, penalizando as pobres, entre elas as negras, que recorrem aos piores lugares, arriscando a saúde e a vida.

Em nosso país, o aborto inseguro é a quinta causa de morte materna. Um Estado laico que nega a suas cidadãs o acesso ao aborto seguro é cruel.

Fonte:  O TEMPO

Textos correlatos:
Condutas discriminatórias precisam de diagnóstico compatível com o crime, defende psiquiatra
Religião e laicidade: discriminação e violência.
Machismo na Harvard e USP: a diferença do enfrentamento
Encerrando o debate com Flávio Aguiar incluindo editorial do Charlie Hebdo sobre laicidade.
Escolas podem debater violência de gênero e sexualidade
O Feminismo, seus mitos e as mulheres machistas

A homossexualidade é afinal uma doença?

sombras

A homossexualidade é, afinal, uma doença?

Ou o homossexual se adapta ou puxa a sociedade para se adaptar a ele e não é legítimo pensar que um modo é “melhor” do que o outro, porque o “bem” vs. “mal” é simples questão de juízo

Texto de Luís Coelho

Doentes somos todos, em nossa normalidade mordida, contemos todos a nossa “patologia” no exclusivo da identidade, se, acaso, alguém ousar “rotular” a idiossincrasia que nos familiariza com o mundo, pode ser que nos doa o facto de termos passado a ser “doentes”, quando, a bem ver, nada mudou verdadeiramente. Doentia é também a recente discussão envolvendo a “homossexualidade”, que, na verdade, expõe muito a fragilidade das pessoas na compreensão do que satisfaz ou não o critério das “doenças”.

Porque “doença” é tudo o que “dói”, e “patologia” é o discurso do “pathos”, do “sofrer”, cada um tem o seu “pathos”, o seu equilíbrio, que pode estar mais próximo ou mais afastado do equilíbrio do mundo, da média “normativa”. O “anormal” é uma questão de estatística, o “patológico” é uma questão de sentimento, e de preconceito, de representação mental, de “critério”, de “convenção”. Houve um tempo em que a psiquiatria considerava a “homossexualidade” uma doença. A psiquiatria tem rotulado muito boa gente que, às tantas, se vê privada da liberdade de ser “algo” apartado da “(a)normalidade”. Chegou a haver um movimento, intitulado “anti-psiquiatria”. E há também a obra de alguns relativistas, como Foucault, que, não por acaso, era homossexual, e estudou a forma como a loucura foi tratada e gerida ao longo dos tempos.

À medida da convenção, muitas pessoas se têm visto consecutivamente “patologizadas” e “curadas” pela psiquiatria. A “patologização” culpabiliza e induz outros a culpabilizarem os portadores da “doença”. A determinada altura, os que se vêem “desadaptados” poderão lutar de um modo tal para conduzirem o mundo à sua “compreensibilidade” e adaptação, que é o próprio mundo que se vê convertido à “patologia”. De alguma maneira, a homofobia é a melhor amiga da homossexualidade. De tanto se ser homofóbico, pode acabar este, como a realidade, homossexualizado/a. Obviamente, o novo “normal” tenderá também a patologizar outros “anormais”, dando óleo à roda da transformação condicionada do tecido social.

O patriarcado, o conservadorismo, teve sempre tendência para patologizar a homossexualidade; o matriarcado tende a despatologizá-la. O ciclo vigente é também a viagem circular entre o patriarcado e o matriarcado. De acordo com o fundo “sócio-cultural”, teremos dissemelhantes modos e alvos de patologização e “normativização”. É uma questão mais social do que “clínica”. E a ciência “médica” (“stricto sensu”), aqui, tem pouco a dizer. É certo que existe um corpo “sexuado” e existem dois sexos, mas, tão longe das nossas origens, conta, actualmente, o género para além do sexo “originário”, bem como a representação mental da “identidade” e “preferência” sexuais, que pode ter muita força e trasladar toda uma estrutura pessoal. Tentar mudar esta “estrutura” pode ter consequências dramáticas. Tentar “mudar” estes indivíduos é, já por si, projecção de um preconceito, de um dogma “paternalístico”.

A psicanálise, que, a determinado nível, se recusa a apartar o “normal” do “anormal”, dogmatiza sua posição “patriarcal”, firmando o papel da identificação materna, edipiana, do rapaz homossexual; assim, fica a homossexualidade “psico-neurotizada”, o que, a bem ver, nada acrescenta à coisa. Compreender um mecanismo não “patologiza” necessariamente o mesmo, não prescreve uma necessária mudança, nem “a-mal-diçoa” a “doença”. É certo que a psicanálise importancionaliza o papel da “diferenciação sexual”. E há, presentemente, muitos psicanalistas que pretendem forçar este processo. Mas este acto depreende uma interpretação pessoal, pois é certo que poderíamos entender a “identificação materna” como uma outra forma de “identificação sexual”, nem “boa”, nem “má”, simplesmente “diferente”. Mesmo existindo a possibilidade de “heterossexualizar” o “paciente”, fazê-lo implica uma escolha, que deve partir sobretudo do paciente, escolha que o não é, porque o último “escolhe” com base numa experiência pessoal ancorada numa sociedade mais ou menos marcada pelo preconceito, por determinadas representações da “sexualidade” e pelas consequências destas. Ninguém escolhe seja o que for. Ninguém escolhe seguir a tendência “normal” ou contraditar corajosamente a mesma. A legitimidade da “escolha” é uma mera questão de contexto. A actividade de um psicólogo/psiquiatra/terapeuta tem sempre algo de violento e intrusivo, por mais que se respeite o intuito do paciente. Há modos diversos de sugestionar uma “escolha”, há medidas para diferentes interpretações.

Assim sendo, nem interessa decidir se a “homossexualidade” é ou não uma “doença”. “Doença” é aquilo que assim se considera. Boa parte da doença, do “sofrer”, dos homossexuais provém da “desadaptação” social, tão-só. Perante isto, ou o homossexual se adapta ou puxa a sociedade para se adaptar a ele, e não é legítimo pensar que um modo é “melhor” do que o outro, porque o “bem” vs. “mal” é simples questão de juízo, e este depende das variáveis sociais em jogo. De resto, ser “doente” não implica obrigatória intervenção “clínica”, nem “social”, ninguém é obrigado a aceitar o “doente”, talvez exista, sim, a obrigatoriedade de “tolerar”. Todos os dias toleramos o “pathos” de cada um, tem sido esta a normalidade da coisa. Obviamente, no tempo da “pós-verdade”, é possível que a “normalidade” também mude. É que, na verdade, não há fórmulas “superiores”, tudo depende das variáveis vigentes. Pedir de empréstimo um modelo, uma “lei”, um pressuposto, constitui, somente, um pedido de socorro aos “deuses” em nome da “identidade” pessoal. Porque é suposto sermos “algo”, e, já agora, no acordo com alguma “normalidade”.

Fonte: PÚBLICO PT

Textos correlatos:

Condutas discriminatórias precisam de diagnóstico compatível com o crime, defende psiquiatra
Religião e laicidade: discriminação e violência.
Homofobia: no Canadá querem prevenir. E aqui quem não quer?
A homofobia enquanto não “sai do armário” e o sofrimento de uma vida dupla
Educação religiosa: tarde para ser gay e cedo para sair do armário

“Não somos conservadores. Apenas ensinamos as meninas a serem mulheres e os meninos a serem homens”

Fabricantes de bebidas alcoólicas e indústria farmacêutica contra a legalização da maconha

Cervejarias temem perder mercado para maconha nos EUA

cervejarias-maconha
Cerveja e maconha combinam? Não para muitos produtores da bebida nos EUA, que temem uma queda nas vendas nos Estados onde a erva agora é liberada. Para a Boston Beer Company, por exemplo, “é possível que o uso legal da maconha afete adversamente a demanda pelos produtos da empresa”. As informações são Financial Times via Folha de S.Paulo

Um setor vem acompanhando os avanços da legalização da maconha em Estados dos EUA com certo desconforto: os fabricantes de bebidas alcoólicas, cujos produtos movimentam US$ 200 bilhões ao ano.

Ainda que álcool e maconha possam parecer compatíveis para algumas pessoas, há produtores de bebidas que temem a maconha como concorrente, e algumas organizações setoriais chegaram a doar verbas para campanhas de combate à legalização.

Em referendos neste mês, cinco Estados decidiram se legalizariam ou não o uso recreativo da maconha, e Maine, Massachusetts e Nevada, além da Califórnia, aprovaram a medida.

A Boston Beer Company, maior fabricante de cerveja artesanal dos Estados Unidos, com marcas como Samuel Adams, acredita que o afrouxamento das leis de controle da maconha representa risco para suas vendas.

“É possível que o uso legal da maconha afete adversamente a demanda pelos produtos da empresa.”

Em Massachusetts, a organização setorial Comitê de Ação Política dos Distribuidores de Cerveja doou US$ 25 mil neste ano a uma campanha de combate à legalização.

Trevor Stirling, analista da corretora Bernstein, diz ser compreensível que a Boston Beer -que realiza a maior parte de suas vendas nos EUA- defina a legalização como fator de risco enquanto as grandes fabricantes internacionais de cerveja, como a Anheuser-Busch InBev, que produz a Budweiser, não o fazem.

“A cerveja artesanal tende a atrair compradores mais jovens e mais hipsters, e a probabilidade de que eles também consumam maconha é alta”, disse Stirling.

“O consumidor típico da Budweiser -um operário-, por outro lado, apresenta menor probabilidade de fumar maconha, e com isso o risco é potencialmente maior para as cervejarias artesanais do que para os grandes fabricantes.”

Outras empresas de bebidas também estão preocupadas. A Brown-Forman, sediada no Kentucky, fabricante do uísque Jack Daniel’s, lista a “potencial legalização do uso da maconha” como fator de risco em seu balanço.

Se existe algum indicador, dados recentes do Colorado, o primeiro Estado a autorizar a venda de maconha para fins recreativos, em 2012, sugerem que a venda de maconha não está necessariamente prejudicando as vendas de álcool.

A arrecadação tributária do Colorado com as vendas de cerveja, vinho e outras bebidas alcoólicas cresceu 4,5% nos oito primeiros meses do ano, o que representa alta ante o crescimento de 2,7% registrado no mesmo período de 2015 e sobre o 0,1% de 2014.

Nos EUA, 14% dos adultos admitem usar maconha -bem abaixo dos 70% que consomem álcool e dos 25% que fumam tabaco, segundo o grupo de pesquisa Cowen.

Leia também: Empresa farmacêutica investe milhões em campanha contra legalização da maconha nos EUA

Fonte: Smoke Buddies

Textos correlatos:

Mulheres e drogas: relações pessoais, sociais e tratamento.
Por que cervejeiro é empresário e dono de “boca de fumo” é traficante?
A saúde e as propagandas enganosas
O experimento uruguaio e a guerra perdida contra as drogas
Saúde acima do interese comercial
“Mídia e publicidade influenciam nos transtornos mentais”

O Feminismo, seus mitos e as mulheres machistas

Ocho mitos del Feminismo que se deben acabar. Ahora. Mismo.

feminist
Feminazis, madres luchonas, odia hombres, lesbianas resentidas. Elige tú el término despectivo para referirte al Feminismo. Claro, muchas de las personas que lo critican nunca han leído la definición del movimiento (para ser honestos, ni si quiera han abierto Wikipedia para consultarlo). Si quisieras aventarles un diccionario cada vez que te critican por ser feminista, te entendemos. Y por eso te proporcionamos la lista de los 8 mitos del feminismo que necesitamos acabar. Ahora. Mismo.

1. El feminismo odia a los hombres

Falso de toda falsedad. El feminismo es un movimiento que lucha por la igualdad de las mujeres y los hombres. Bajo ninguna circunstancia promueve la supremacía de la mujer sobre el hombre. Conceptualmente, se refiere a una ideología que busca los derechos iguales para todas y todos. Punto.

2. El feminismo solo se concentra en las mujeres

Niet. De hecho, el feminismo ha estudiado las masculinidades y al hombre. La teoría de Masculinidades se refiere a la construcción del ideal masculino impuesto sobre los hombres en la sociedad. Y busca terminar con los estereotipos tóxicos de dicha masculinidad

3. No puedes ser feminista y femenina

Equivocado. El feminismo entiende el género independientemente del sexo biológico. Eso significa que pueden existir mujeres masculinas o femeninas. Igual que hombres masculinos y femeninos. Lo que sí podemos argumentar es que no necesariamente porque eres mujer debes ser femenina.

4. El feminismo no se relaciona a la Comunidad LGBT
Olvídalo. El feminismo ha sido la base del movimiento LGBT desde tiempos inmemorables. Simplemente debemos hacer memoria de Stonewall en 1969, donde las marchas del orgullo empezaron con mujeres trans afroamericanas. Feministas como Judith Butler concluyen la existencia de heterosexismo y la imposición de la heteronormatividad como ideal en la sociedad.

5. No pueden existir mujeres machistas

Mal. Las mujeres son también exponentes del machismo. Como consumidoras de masculinidades, las mujeres pueden seguir propiciando estructuras de discriminación y heterosexismo. Así que no creas que todas las mujeres son feministas.

6. No existen los hombres feministas

Incorrecto. No tienes que ser mujer para defender la igualdad entre personas. Y sobre todo no tienes que ser LGBT para ser feminista. Hombres feministas son aquellos que entienden la necesidad de comprender el género como algo fluido y no como una norma. Ah, y que buscan la igualdad para todas y todos. Fácil

7. Las mujeres no le deben nada a las Feministas
¿Es en serio? Puede que no lo quieran admitir, pero hay mucho que el feminismo ha hecho por la igualdad de las mujeres. Empecemos con el hecho de que es posible que tengan un diploma escolar y universitario. Que no sea ilegal su voto. Que puedan usar pantalones. Ah, y que puedan opinar.

8. Las mujeres ya son iguales a los hombres

Es triste, pero no es verdad. El camino hacia la igualdad depende de todas y todos y aún queda mucho por hacer. No podemos decir que las mujeres han llegado a espacios de poder de toma de decisiones, espacios que siempre han existido para hombres. No podemos decir que la discriminación ha terminado, o la violencia. Pero podemos decir que depende de nosotros y nosotras seguir defendiendo la igualdad.

Por Néstor Silverio, soñador ecuatoriano que ve el mundo no como es, sino como debería ser: un lugar de igualdad, amor y mucha comida.

Fonte: CLÓSET LGBT

Textos correlatos:
Condutas discriminatórias precisam de diagnóstico compatível com o crime, defende psiquiatra
Religião e laicidade: discriminação e violência.
Machismo na Harvard e USP: a diferença do enfrentamento
Mulher é vítima e cúmplice na violência conjugal. Mas não culpada.

Discriminados também discriminam

Escolas podem debater violência de gênero e sexualidade
Violência sexual: uma apologia discriminatória

 

Políticos que promovem a linguagem da discriminação

Trump presidente. “Devemos nos preparar para enfrentar a intolerância”, afirma editorial de National Catholic Reporter

linguagem-politica

“O caso mais urgente em jogo exige que a sociedade mobilize todos os esforços possíveis para reduzir as tensões e fazer do discurso de ódio uma resposta impensável. As congregações, as paróquias, as mesquitas, os templos e as sinagogas precisam tomar medidas extraordinárias para demonstrar que a linguagem da discriminação, o discurso e as atividades que reificam e pintam o outro como indesejável ou perigoso, não é uma prática da ampla maioria dos americanos”, comenta o editorial da revista National Catholic Reporter, 30-11-2016. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Segundo o editorial, “entre os escombros e danos causados, permanecemos na incerteza. Eis um momento em que o equilíbrio se faz necessário para não exagerarmos nem sermos ingênuos quanto ao que está se desencadeando”.

Eis o editorial.

Levará um bom tempo e serão necessários muita vontade e esforço público para retirar os detritos e as camadas de resíduos que caíram sobre o corpo político desde a mais recente corrida presidencial. Na história recente do país, não há um momento em que ele esteve tão necessitado da verdadeira religião – aquilo que as nossas tradições de fé têm a nos oferecer para mitigar o pior dos danos causados.

Independentemente da nossa preferência para a presidência, somos uma comunidade a olhar uma paisagem alterada no rescaldo de uma tempestade furiosa. A principal vítima foi a civilidade; essa ilha de barreira essencial, porém delicada, foi golpeada com ondas de retórica severa e implacável, alimentada pela frustração e raiva de pessoas que se sentiam desprezadas e ignoradas.

Quando a civilidade desaparece, não há impedimento à inundação do discurso de ódio e aos ataques àqueles que não podiam controlar ou alterar aquilo que lhes tornava alvos fáceis: a cor da pele, seus sotaques, a fé que professavam.

O ódio do outro, desencadeado no calor da batalha política, é o resíduo mais tóxico da campanha. Os “comos” e os “porquês” de nossa situação atual irão, sem dúvida, ser estudados extensivamente em todos os fóruns imagináveis. E esse exame é essencial para a compreensão final.

Mas o caso mais urgente em jogo exige que a sociedade mobilize todos os esforços possíveis para reduzir as tensões e fazer do discurso de ódio uma resposta impensável. As congregações, as paróquias, as mesquitas, os templos e as sinagogas precisam tomar medidas extraordinárias para demonstrar que a linguagem da discriminação, o discurso e as atividades que reificam e pintam o outro como indesejável ou perigoso, não é uma prática da ampla maioria dos americanos.

Há uma curiosidade decorrente do que está acontecendo: as despertaram para a necessidade da solidariedade e para agir de um modo que demonstre a melhor natureza da maioria dos americanos.

No fim de semana após a eleição, numa seção predominantemente hispânica em Silver Spring, Maryland, uma placa avisando a hora de uma cerimônia religiosa em língua espanhola a ocorrer em uma igreja episcopal estava rasgada, com uma legenda: “Trump Nation, Whites Only” (nação de Trump, brancos somente). Segundo o The Washington Post, o incidente foi um entre outros onde igrejas foram vandalizadas por racistas usando graffiti.

A resposta da igreja local foi imediata. O Rev. Robert Harvey, reitor da congregação, disse que mensagens de apoio chegaram de todo o país. Falou que concedeu entrevistas para a imprensa do Japão, da República Checa, da Espanha e do Brasil.

Embora palavras, gestos de solidariedade e compaixão são essenciais, também o é a vigilância. Pois naquele mesmo fim de semana em que os fiéis se reuniram na igreja para o culto regular, mais de 200 pessoas – a maioria rapazes – reuniram-se a alguns quilômetros de distância dentro do edifício Ronald Reagan, em Washington, para ouvir propaganda política de supremacia branca.

No fim de um longo dia de discursos que acenavam a tolerância para com os não brancos, a multidão ouviu Richard Spencer, descrito num artigo do The New York Times como o principal ideólogo do movimento de direita alternativa (“alt-right”, grupo de ideologia de extrema direita nos EUA). Spencer descartou quaisquer pretensões de inclusividade, “criticou os judeus e, com um sorriso, citou a propaganda nazista no original alemão”.

Disse que os Estados Unidos pertenciam aos brancos, a quem chamou “filhos do sol” e que, no resultado da eleição de Donald Trump, estavam “despertando para a própria identidade”.

Estamos diante de uma das imagens mais arrepiantes e perturbadoras daquilo que as pessoas estão se sentindo livres para expressar à medida que a transição para a presidência do Trump começa a dar os seus primeiros passos. Essa linguagem é um ataque direto à premissa fundante da igualdade humana deste próprio país – com certeza vivida imperfeitamente, mas sempre sendo a medida do nosso progresso enquanto povo.

Spencer dissipou qualquer dúvida que poderia haver sobre se a “direita alternativa” – “alt-right”, frase cunhada por ele – é racista em seu seio. “Os Estados Unidos foram, até esta última geração, um país branco projetado para nós e para a nossa posteridade”, disse ele em seu discurso. “É criação nossa, é herança nossa, e a nós este país pertence”.

Na conclusão de sua fala, “vários membros entre o público tinham o braço estendido em uma saudação nazista”, informa o The New York Times. Segundo se lê no artigo, “alguém na frente do salão gritava: ‘Heil o povo! Heil a vitória!’”. E os demais respondiam nos mesmos termos.

Devemos ter cuidado, nestes dias após as eleições mais estranhas da história moderna dos Estados Unidos, para não ficarmos presos em voltas intermináveis de raiva inútil e discussões improdutivas. Precisamos, nós de ambos os lados da divisão, ouvir uns aos outros e entender por que aqueles de quem discordamos votaram como quiseram. Devemos procurar realmente entender não para fins de debate, mas pelo bem da compreensão.

Ao mesmo tempo, não podemos deixar de lado a responsabilidade de estarmos vigilantes. A nossa fé e a nossa cidadania nos clamam a proteger os vulneráveis e marginalizados, aqueles a quem alguns gostariam de separar marcando-os como diferentes, como outros, como de alguma forma inferiores. Não podemos permitir que isso aconteça.

Entre os escombros e danos causados, permanecemos na incerteza. Eis um momento em que o equilíbrio se faz necessário para não exagerarmos nem sermos ingênuos quanto ao que está se desencadeando.

Recomendamos que os fiéis busquem, na prática, outros que estejam comprometidos com a paz. Quais as estratégias humanas e não violentas para lidar com os supremacistas brancos e os que buscam dividir as famílias com deportações em massa ou com registros de pessoas baseadas na etnia e nas crenças religiosas?

As denominações religiosas devem se preparar para enfrentar esses desafios.

Certamente seria bom ouvir dos nossos líderes religiosos. Os bispos recentemente fizeram declarações sobre os imigrantes e trouxeram a solidariedade da Igreja junto a este povo. No entanto, precisamos mais. Precisamos que eles informem o novo governo dos limites de nossa tolerância para com a intolerância e atos discriminatórios.

Se a liberdade religiosa deve ir além dos temas sexuais que aquecem os debates em nosso país, então os bispos precisam falar abertamente sobre a preocupação deles com os nossos irmãos e irmãs muçulmanos e sobre a necessidade de protegê-los da discriminação e do pior que possa vir.

Reivindicar a civilidade pode ser uma tarefa longa e difícil. Ela envolve bondade e ação em relação aos outros, respeitando as diferenças e buscando compreender aqueles com quem temos discordâncias.

Mas reivindicar a civilidade também significa – e talvez isto seja o mais importante ainda – colocarmo-nos contra aquele tipo de fanatismo cru e retórica discriminatória manifestados no encontro em Washington. Significa colocar-nos no lugar entre o ódio e os alvos do ódio.

Fonte: IHU

Textos correlatos:

Condutas discriminatórias precisam de diagnóstico compatível com o crime, defende psiquiatra
Saúde mental dos políticos e juizes em avaliação
Religião e laicidade: discriminação e violência.
Narcisismo, homofobia e discriminação na política.
Políticos e partidos usam grupos discriminados para fins eleitorais?
Discriminadores radicais apoiam governo