Dormir ou fazer exercício físico? Eis o dilema

¿Dormir o hacer ejercicio?… he ahí el dilema

Para los padres que trabajan, es difícil encontrar tiempo para hacer ejercicio durante la semana, y casi siempre el único momento disponible es muy temprano por la mañana. ¿Es mejor para mi salud dormir ocho horas cada noche durante la semana, y no hacer ejercicio, o dormir seis y media o siete horas cada noche y levantarme temprano para una rutina de ejercicio matutina?

dormir

iStock

“Es horrible tener que escoger”, dijo Charles Czeisler, un experto del sueño en el Hospital de la Mujer, en el Hospital Brigham y en la Escuela de Medicina de Harvard en Boston. Ambos, el sueño y el ejercicio, son factores importantes para una vida saludable y no deberían contraponerse, dijo Czeisler.

El experto señaló que dormir es importante para las rutinas de ejercicio, para reducir el riesgo de lesiones y para permitirle a los músculos recuperarse del esfuerzo. La falta de sueño debilita el sistema inmunitario, lo que aumenta la probabilidad de que la gente se enferme; esto significaría perderse algunas sesiones de ejercicio.

Sacrificar el sueño también se relaciona con el aumento de peso, las enfermedades cardiovasculares y la diabetes, entre otros problemas de salud. Por supuesto, hacer ejercicio con regularidad también trae muchos beneficios, como un sueño más reparador.

Czeisler también acotó que irse a la cama tarde, en especial si utilizas aparatos electrónicos y permaneces bajo luces brillantes antes de irte a dormir, atrasa el ritmo circadiano del cuerpo. Sin embargo, la gente aún necesita más o menos ocho horas de sueño cada noche. Así que si te levantas después de seis horas y media de sueño para hacer ejercicio, “estás básicamente ejercitándote durante tu noche biológica”, dijo.

La investigación de la Universidad de Northwestern sugiere que las células musculares también tienen ritmos circadianos, y que se desempeñan y se recuperan mucho mejor durante el día biológico que durante la noche biológica. “Así que levantarte durante tu noche biológica para ejercitarte es contraproducente”, dijo Czeisler.

Desiree Ahrens, una experta nutricional y de salud en la Clínica Mayo en Rochester, Minnesota, dijo que para los que nunca tienen tiempo, siempre hay algunas maneras de colar un poco de ejercicio durante el día sin ir al gimnasio o sin tomar una clase formal.

Subir corriendo las escaleras en tu casa es un ejercicio tan bueno como una rutina en una escaladora, señaló. Las sesiones de ejercicio también pueden dividirse en pequeños lapsos de actividad a lo largo del día. “Sé un poco más creativo con tus ejercicios”, sugirió.

Además, si tienes niños pequeños en casa, está bien aceptar que estos quizá no sean los años de ejercicio más intenso en tu vida, dijo Ahrens. No es necesario volverlo una catástrofe y preocuparte porque nunca más harás ejercicio en tu vida.

Más que nada, aconsejó Ahrens, utiliza tu sentido común cuando tengas que lograr el equilibrio entre dormir lo suficiente y levantarte para hacer ejercicio por las mañanas.

“Si tenías todas las ganas y resulta que tuviste que levantarte tres veces esa noche para atender a los niños”, dijo “vuélvete a dormir”.

Fonte: The New York Times Es
Por: Karen Weintraub

Ensinando, na escola, bondade e empatia, reduziríamos conflitos interpessoais?

                                 ¿Se puede enseñar la bondad?

Rosemarie Truglio descubrió que al tener mayor conciencia de sus emociones, los niños podían ser más empáticos con los sentimientos de otros y que respondían ante ellos de una manera más útil. Al principio, recuerda, muchos de los niños con los que trabajaron no conocían el significado de la palabra “bondadoso”. Los padres y los maestros siempre les decían que fueran “buenos”. “Queríamos mostrarles la palabra ‘bondadoso’”, dijo, “pero no es posible definirla con palabras, sino con acciones”.

bo 1Estudiantes de preescolar en el colegio P.S. 212 en Jackson Heights, Queens, en una clase que busca fomentar la bondad. Jeenah Moon para The New York Times

NUEVA YORK – Varias escuelas de preescolar ahora intentan enseñar algo que no siempre se ha considerado una asignatura académica: la bondad.

“¿Puedes buscar en tu interior y decirme lo que sientes?”, le preguntó hace poco Danielle Mahoney-Kertes a sus estudiantes en el colegio P. S. 212 en Queens.

“Me siento feliz”, dijo una niña. “Enferma”, dijo otra. Un niño con playera azul hizo un tímido gesto con el pulgar hacia abajo. “Eso también es común”, le aseguró Mahoney-Kertes, asesora de alfabetización.

El ejercicio forma parte del Programa para la Bondad, desarrollado por el Centro para las Mentes Saludables en la Universidad de Wisconsin, Madison, en el que se les presenta a los niños de preescolar un popurrí de juegos sensoriales, canciones y cuentos diseñados para ayudarles a prestar mayor atención a sus emociones.

“Nuestro mundo da un poco de miedo”, señaló Mahoney-Kertes. “No siempre podemos controlar lo que sucede, pero les enseñamos que sí pueden controlar su respuesta ante ello”.

Desde que se comenzó a trabajar con el programa en agosto, lo han adoptado más de 15.000 educadores, padres de familia y otras personas en todo el mundo.

El colegio P. S. 212, que se encuentra en el barrio Jackson Heights, hogar de muchos nuevos migrantes, fue una de las primeras escuelas públicas en Nueva York en realizar actividades basadas en la concienciación y atención plena, como el yoga. El programa era un paso lógico a partir de ahí.

“Un niño puede entrar y decir: ‘Anoche deportaron a mi papá’. ¿Cómo reaccionas ante eso?”, comentó la directora del colegio, Carin Ellis. “Nosotros les damos herramientas para sobrellevar su dolor y sufrimiento”.

bo 2

Danielle Mahoney-Kertes dirige a los estudiantes en el P.S. 212 durante un ejercicio. Jeenah Moon para The New York Times

Ellis cree que el Programa para la Bondad también ha ayudado a los niños a manejar el estrés de las pruebas estandarizadas y a reducir los conflictos interpersonales.

“Cuando no eres bondadoso con alguien más, por lo general se debe a cómo te sientes”, dijo. “Si los niños son capaces de tomarse un momento para respirar, podrán evitar reaccionar exageradamente en contra de los demás”.

Al parecer hay otros beneficios. Un estudio dirigido por la psicóloga clínica Lisa Flook ha demostrado que los jóvenes que reciben capacitación para la bondad se vuelven más altruistas en pruebas que miden su disposición a compartir, además de que su capacidad de concentración se ve reforzada y se registra un ligero aumento en su desempeño académico.

Algunos arguyen que es mejor que los padres sean quienes enseñen las habilidades emocionales y no los maestros. Pero Flook subraya que cuando los niños llegan al salón de clases ansiosos, molestos y temerosos, por lo general están demasiado distraídos para concentrarse. “Los niños que tienen relaciones positivas con sus pares y con sus maestros se desempeñan mejor en la escuela”, agregó.

También podría irles mejor en la vida más adelante. En un estudio realizado en 2015 que monitoreaba niños desde el preescolar hasta la adultez temprana se descubrió que los individuos con habilidades sociales (una conducta positiva, comedida y amistosa) solían ser más exitosos de adultos que aquellos que, aunque obtenían buenas notas en lectura y matemáticas, carecían de la habilidad de llevarse bien con los demás.

El Programa para la Bondad es parte de un movimiento mundial para la enseñanza de la inteligencia emocional en las escuelas. Quienes abogan por este enfoque señalan que los profesores que se centran solo en la enseñanza académica tienen poca visión e ignoran las habilidades emocionales de cooperación que fomentan el aprendizaje y hacen que los estudiantes prosperen.

Aun así, algunos ponen en duda si es posible enseñar rasgos de personalidad como la bondad.

Richard Davidson, fundador del Centro para la Salud Mental, cree que la sabiduría budista podría ofrecer algunas pistas. Según dice, a él lo inspiró la solicitud del líder espiritual del Tíbet, el dalái lama, quien le pidió que sacara del contexto religioso los preceptos de la práctica contemplativa y los utilizara para desarrollar estrategias que ayuden a mejorar la vida de las personas.

Los meditadores budistas observan sus sensaciones corporales y sus sentimientos para generar una sensación de serenidad destinada a fomentar la compasión. Davidson afirma que usó el concepto como base para enseñar a los niños a centrar su atención en cómo se sienten y en la forma en que se mueven sus cuerpos.

En una de las prácticas, los niños observaron a su “amigo de pancita”, un peluche que se colocan en el vientre y que ven subir y bajar al ritmo de su respiración. La respiración de la pancita es una adaptación del programa para niños Plaza Sésamo, el cual consultó al equipo de la Universidad de Wisconsin e hizo de la bondad el tema de su temporada más reciente.

Plaza Sésamo alienta a los niños a “identificar sus sentimientos y ponerles una etiqueta”, afirmó Rosemarie Truglio, vicepresidenta de temas y contenido de Sesame Workshop, que produce el programa. “Cuando ayudas a un niño a lograrlo, se siente reconocido; le ayuda a comprender ese sentimiento”.

Truglio descubrió que al tener mayor conciencia de sus emociones, los niños podían ser más empáticos con los sentimientos de otros y que respondían ante ellos de una manera más útil. Al principio, recuerda, muchos de los niños con los que trabajaron no conocían el significado de la palabra “bondadoso”. Los padres y los maestros siempre les decían que fueran “buenos”. “Queríamos mostrarles la palabra ‘bondadoso’”, dijo, “pero no es posible definirla con palabras, sino con acciones”.

bo 3

Los niños que tienen relaciones positivas con compañeros y padres llegan a tener mejores resultados en clases, según una psicóloga. Jeenah Moon para The New York Times

Davidson afirmó que el periodo entre los cuatro y los siete años es un periodo crucial en el desarrollo, pues es cuando el cerebro se reorganiza y se muestra especialmente receptivo a nueva información (como los idiomas extranjeros), así como a los hábitos psicológicos perdurables.

Con el objetivo de tener un impacto más duradero, dijo, las clases para las emociones que se enseñan a los niños en preescolar deben reforzarse a medida que estos crecen.

Kind Campaign, o campaña para la bondad, fundada en 2009, es uno de los programas que trabaja la bondad con estudiantes mayores. Este programa, por ejemplo, organiza asambleas durante la educación secundaria y preparatoria que abordan la problemática del acoso escolar. Se invita a los estudiantes a escribir una “disculpa bondadosa” y entregarla a alguien a quien hayan tratado mal.

Otro grupo, llamado Random Acts of Kindness Foundation, o la fundación para actos azarosos de bondad, ha desarrollado planes de estudio para todos los grupos etarios a nivel preparatoria. En él se guía a los estudiantes en debates dentro del aula y se les pide que piensen en acciones positivas, como sentarse junto a alguien que está solo en la cafetería escolar y escribir cartas de agradecimiento a sus futuros yo.

“La bondad hacia uno mismo es clave”, comentó Brooke Jones, vicepresidenta de la fundación. “Cuando, por ejemplo, repruebas un examen dices: ‘Qué tonto soy’, ¿o te dices: ‘Tengo mucho que aprender’? Nosotros nos enfocamos en la importancia de que los niños crean en ellos mismos”.

Mahoney-Kertes también recalcó que los educadores deben aprender a predicar con el ejemplo para que sus clases sean verdaderamente efectivas. “Los maestros deben aprender a trabajar en su persona. Deben convertirse en modelos de la bondad que tratan de enseñar”.

Fonte: The New York Times Es
Por: Richard Schiffman
Textos correlatos:
O Transtorno de Personalidade Narcisista e a geração “floco de neve”
Uma visão psicanalítica do Brasil em 2017
Freud nos tornou heróis das nossas vidas”
A saúde mental de filhos de casais homossexuais
Pais homossexuais são mais dedicados e tolerantes e seus filhos mais tolerantes e empáticos
Há 79 anos a Harvard faz uma pesquisa sobre felicidade

Publicidades mais discriminadoras de 2017 “ganham prêmios”

Estos comerciales fueron anti-premiados por ser los más sexistas y clasistas del año
Las Publivíboras organizaron su quinta ceremonia de anti-reconocimientos a la publicidad mexicana que más discrimina
“Según la publicidad, las mujeres deben ser altas, delgadas, rubias, blancas, seductoras, compradoras compulsivas y, sobretodo, sonrientes. Las mujeres deben limpiar la casa, atender a los hijos, cocinar y, si les queda tiempo libre, trabajar sensualmente. Ni una arruga ni una mancha ni un kilo de más”, sostienen Las Publivíboras.

publi 1
Lo anterior es imposible, afirma este observatorio que está en contra de los estereotipos y la violencia de género en los medios de comunicación. La organización ha realizado por quinta vez desde el 2011 una ceremonia de anti-premiación a los comerciales más discriminatorios del año transmitidos en México. La Noche de las Publivíboras se llevó a cabo el lunes pasado con su ya clásico estilo cabaretero en el Teatro de la Ciudad de México.

Ana Laura Ramírez, una de las integrantes del grupo, explica a Verne vía telefónica el método de selección de los anti-ganadores. En su página de Facebook suelen postear publicidad sexista, clasista, machista o que muestre algún tipo de discriminación. Al final del año y a partir de las reacciones de la gente (comentarios y likes), se eligen las ternas de nominados y a los anti-premiados, que se presentan en varias categorías de nombres burlescos o con doble sentido. Esta es la primera:

1. Quién crees que lava la ropa (productos de limpieza, jabones, detergentes)

Los nominados de este 2017 fueron Comercial Mexicana, Salvo y Dr. Beckmann. Y el ganador fue… el tercero de ellos. En este aparece una madre de familia limpiando muy feliz el desastre que hicieron en la cocina su marido y sus hijos.

Aunque los anti-ganadores siempre han estado invitados a las noches de premiación, es muy raro que asistan, cuenta Ramírez. Pero sí ha sucedido que las empresas o las agencias de publicidad acepten dialogar con la asociación. “Cuando hay una ventana abierta, muchas veces nos dicen que hicieron la campaña sin intención de discriminar. Nosotros les exponemos nuestra opinión con perspectiva de género: ‘en tus comericales hay perpetuación de estereotipos, metas inalcanzables o no incluyes nuevos roles sociales”, explica. “Los publicistas se quedan con eso y piensan si necesitan cambiar”.

Este año, Las Publivíboras han logrado sumar a su proyecto al Consejo Nacional para Prevenir la Discriminación (Conapred) y esperan que esto sirva para afianzar ese diálogo. Las siguientes categorías de antipremios se otorgaron más adelante en la ceremonia:

2. Bájate por los chescos (bebidas, refrescos, jugos, tés, jarabes)

Estuvieron nominados XX Lager, Vick VitaPyrena y José Cuervo. El comercial del medicamento se impuso frente a los de bebidas alcohólicas, con un mensaje que informa a las madres que ellas no tienen derecho a enfermarse.

3. No me ayudes comadre (buena intención, pero fallan en el mensaje)

Los nominados fueron Caminos y Puentes Federales (Capufe), Yoplait y Lomecan. Y el anti-reconocimiento se lo llevó el primero, por un comercial que fue muy comentado en las redes sociales antes de ser borrado por el organismo público. “Una institución federal no puede deshumanizar a una persona aparentemente en situación de calle convirtiéndolo en perro. Menos si usas los recursos de la gente para hacer tu publicidad”, opina Ramirez..

4. Ay que cosita tan bonita (productos de belleza, higénicos, salud)

El anti-ganador de esta categoría resultó Lomecan, un champú inhibidor de vello púbico “para las niñas bien”. Compitió contra Palmolive Optims, que nos presenta a una chica que “solo se tiene que preocupar por salir bien en sus selfis”, y Bi-O Clarify, un desodorante para aclarar las axilas. “Muchas veces, la discriminación viene desde el producto”, sostiene Ramírez haciendo referencia al anti-ganador de esta categoría.

5. Feo, fuerte y formal (artículos o servicios para hombres / cómo ser un buen hombre)

En esta categoría, que anti-premiaba los anuncios de productos dirigidos a los hombres, compitieron los desodorantes Old Spice, Speed Stick y las galletas Príncipe. El ganador fue el de Speed Stick, seguramente por su final fantasioso y lleno de estereotipos sexistas.

6. Anti-premio a la trayectoria: Tecate

Cada edición de La Noche de las Publivíboras, la marca de cerveza se ha llevado el anti-reconocimiento a la trayectoria por sus comerciales. En sus campañas de Somos Bax, “un hombre no puede sentir frío, no puede llorar, no puede tomarse una selfi”, comenta Ramírez. “El mensaje es horrible: ‘necesitamos que sean machos fuertes, invencibles que tomen cerveza”. En su opinión, la marca está consciente de las repercusiones de sus comerciales sexistas, y por eso este año también realizó clips publicitarios con motivo del Día Internacional de la Mujer.

Este 2017, Las Publivíboras decidieron agregar una terna de los comerciales más incluyentes, pues reflejan que también hay marcas que envían mensajes antidiscriminatorios. En esta categoría llamada I Have a Dream (Tengo un sueño), compitieron Fabuloso Complete, Aeroméxico y Sally México con el clip Born Feminist. Ganó la aerolínea mexicana con este anuncio protagonizado por una pareja homosexual.

Fonte: El País América
Por: Eugenia Coppel
Textos correlatos:
Publicitários também definem o discriminador como um doente
O lado da imprensa no caso Roger Abdelmassih “o maior predador sexual que a história deste país conheceu”*
A psicologia atribui à educação fútil e consumista a hipersexualização das meninas
YouTube discrimina homossexuais
Machismo explicito e dissimulado
Publicidade e discriminação sexista nem sempre estão juntas.
“Mídia e publicidade influenciam nos transtornos mentais”

“Sou racista, não posso controlar”.“Quero saber o que passa na minha cabeça.”

                 “Não consigo controlar o meu racismo”, diz Day McCarthy

“Sou racista, mas não posso controlar”. Autointitulada socialite, Day McCarthy diz que não pretende pedir desculpas, mas cogita procurar tratamento

dmcDay McCarthy foi entrevistada por Roberto Cabrini

Day McCarthy, que proferiu ofensas raciais contra Titi, filha do ator Bruno Gagliasso e de Giovanna Ewbank, em um vídeo na internet, conversou com Roberto Cabrini em uma entrevista para o SBT.

Dayane Alcântara Couto de Andrade, que se autointitula socialite, disse que não pretende pedir desculpas à família, mas que gostaria de se arrepender.

“Eu sei que estou errada. Sei que sou racista, mas é uma coisa que eu não posso controlar, é uma coisa que eu não sei como controlar, como não ser racista”, disse.

“Quero sentar e ter uma conversa comigo mesma”, disse, antes de garantir que planeja procurar ajuda psicológica. “Quero saber o que passa na minha cabeça.”

Ao ser questionada se deveria pagar pelo que fez, ela diz: “Se eu for condenada, sim”.

Day ainda usou a ocasião para dizer que espera que Titi, daqui a dez anos, não tenha conhecimento das ofensas ditas contra ela. O programa vai ao ar neste domingo, na Retrospectiva SBT 2017.

O caso

No dia 26 de novembro viralizou na internet o vídeo em que Day chama Titi de macaca, enquanto destila outras ofensas.

No dia seguinte, Gagliasso procurou a Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI), no Rio de Janeiro, e prestou queixa contra a mulher por injúria racial.

Fonte: Pragmatismo Político
Textos correlatos:
As Discriminações são abordadas de forma diferente nas “paróquias brancas e negras”
Condutas discriminatórias precisam de diagnóstico compatível com o crime, defende psiquiatra
As discriminações e o desrespeito aos direitos humanos devem ser prevenidos e definidos como doença
Síndrome do Distúrbio Racial: seria um bom diagnóstico para o racista brasileiro? E para o antissemita?
Sou racista, mas estou pronto para mudar
Racista, doente mental, condenada e inimputável

Médico é denunciado pelo filho por crimes da ditadura

“Há muito tempo eu desconfiava que meu pai tinha cometido crimes na ditadura militar. Nas conversas em casa, ele demonstrava conhecer detalhes demais dos crimes cometidos naquele período horrível. Mas quando eu perguntava por que ele sabia tanto, respondia que eram as enfermeiras que lhe contavam.”

MA 1Verna integra grupo que reúne 25 filhos de ex-repressores da ditadura | Foto: Arquivo pessoal

A luta de argentino para denunciar o próprio pai por crimes da ditadura

O advogado Pablo Verna, de 44 anos, fez um pedido ao Congresso Nacional do seu país, a Argentina: ele quer que a legislação em vigor, que impede familiares de denunciarem e prestarem depoimentos à Justiça contra seus parentes, seja modificada.

Seu objetivo é ter o direito de denunciar e depor contra o pai, que foi médico do Exército durante a ditadura argentina (1976-1983). Ele diz que Julio Alejandro Verna, hoje aos 70 anos, admitiu ter injetado sedativos em vítimas do regime militar antes que elas fossem lançadas dos chamados “voos da morte”, que arremessavam os prisioneiros ainda vivos em rios ou no mar.

O pai dele está livre. Questionado certa vez por uma repórter, o médico negou ter sedado desaparecidos políticos para esse fim. “Não, senhora. De onde tiraram isso?”

Pablo Verna integra o Histórias Desobedientes, grupo que reúne 25 filhos de ex-repressores da ditadura argentina. Leia seu depoimento à BBC Brasil:

“Há muito tempo eu desconfiava que meu pai tinha cometido crimes na ditadura militar. Nas conversas em casa, ele demonstrava conhecer detalhes demais dos crimes cometidos naquele período horrível. Mas quando eu perguntava por que ele sabia tanto, respondia que eram as enfermeiras que lhe contavam.

Meu pai era médico do Exército argentino. E com o passar dos anos, baseado no que ele mesmo me dizia, passei a questioná-lo com tom mais critico, e de acusação.

Nossa relação foi ficando cada vez mais tensa. Duas conversas foram aos gritos. Em 2009, eu já tinha certeza de que ele tinha participado dos crimes. Mas não sabia como. Não tinha os fatos concretos. Além disso, como filho, acho que queria manter a dúvida diante de algo tão pavoroso.

Então, em meados de 2013, em mais uma conversa tensa, ele admitiu que tinha cometido os crimes. Não lembro as palavras exatas que usei para que admitisse isso. Mas naquele encontro lembrei o que meu pai tinha contado a um familiar e as respostas anteriores que tinha me dado cada vez que abordei o assunto. Foi impossível para ele negar o que tinha feito. E até que me disse: ‘foi isso mesmo’.

Como médico, meu pai participava dos crimes da ditadura injetando sedativos nas pessoas que seriam jogadas vivas ao rio ou ao mar. Eram anestesias que as deixavam imediatamente paralisadas, mas respirando. E quando elas estavam assim, as jogavam dos ‘voos da morte’, como ficaram conhecidos.

Meu pai cometeu outros crimes. Ele também participava dos sequestros dos opositores, dos militantes sociais e políticos. Foram 30 mil desaparecidos no nosso país. A ditadura genocida sequestrava e fazia essas pessoas desaparecerem.

MA 2Mães da Praça de Maio foram a primeira organização civil que denunciou o desaparecimento de jovens durante o regime militar na Argentina | Foto: Daniel Garcia

Depois daquela conversa em meados de 2013, ele disse a um familiar que não estava arrependido. E ainda acrescentou que tinha participado de um caso específico que teve muita repercussão aqui na Argentina.

Em 1979, quatro pessoas foram sequestradas e também receberam as injeções de anestesia. Elas foram jogadas em um riacho, uma simulação de um acidente de carro em uma ponte. As quatro morreram.

Como médico militar, meu pai estava sempre armado. Isso até passar para a reserva, em 1983, com o retorno da democracia no país. E além desses crimes genocidas, certa vez ele apareceu em casa com uma maleta de primeiros-socorros de médico que não era dele. Que era de uma das vítimas da ditadura. Eu perguntei porque estava com duas maletas, e me respondeu que tinha sido um presente. Que uma das maletas tinha sido de um subversivo.

Na minha casa, as palavras que ele usava eram chamativas, como ‘subversivo’. Eram palavras de um genocida. Era um discurso ideológico para eliminar os que eram opositores ao regime militar. Uma vez, disse que os opositores eram mortos porque, quando eram presos e soltos, ficavam ainda piores.

A nossa relação foi rompida naquela conversa em meados de 2013, quando meu pai admitiu os crimes. Mas no dia seguinte ele me ligou para saber se eu tinha contado para minha mulher. Depois disso, ficamos sem nos falar até pouco tempo – dias atrás, ele me telefonou para, ao meu ver, fazer ameaças. Também faz isso por meio de conversas com parentes, cujos relatos chegam até mim.

Eu me afastei de muitos familiares. Primeiro, para evitar encontrá-lo, e ainda porque uma parte da minha família se recusa a saber, nega o que ocorreu. Acha que isso é um problema entre duas pessoas – no caso meu pai e eu. Mas isso não é um simples problema entre duas pessoas, é entre ele e a humanidade, na qual eles, os familiares, estão incluídos.

MA 3Pai de Pablo Verna (foto) admitiu, segundo ele, ter injetado sedativos nas vítimas da ditadura | Foto: Arquivo pessoal

Hoje meu pai está livre, mas é investigado porque o denunciei na Secretaria de Direitos Humanos poucos meses depois daquela nossa conversa. Agora o caso dele faz parte de uma imensa apuração, levada adiante pelos defensores das vítimas na que ficou conhecida como ‘megacausa contraofensiva’, pela repressão e extermínio ocorridos no Campo de Mayo nos anos 1970 e 1980. O local foi um centro clandestino de prisão e extermínio horrível no nosso país.

Essa casa deixou poucos sobreviventes e provas. Meu problema hoje, como filho, é que, apesar de ter essas certezas contra meu pai, encontrei barreiras na legislação que me impedem de denunciá-lo penalmente. No Código de Processo Penal da Argentina, existem dois artigos que proíbem que familiares denunciem e deem depoimento, já no processo, contra outros familiares.

Ou seja, não podem ser testemunhas contra outros familiares. Por isso, entramos com esse projeto de lei pedindo que essas proibições não sejam aplicadas para os casos de crimes contra a humanidade. E assim nós, filhos de repressores, poderemos denunciar nossos pais judicialmente, além de prestar depoimento contra eles nos julgamentos.

Nós do coletivo Historias Desobedientes, que somos filhos e filhas de genocidas, vivemos nas nossas casas, com nossos pais, a imposição de um mandato de silêncio, de maneira implícita ou explicita.

Os genocidas fizeram um pacto de silêncio que cumprem até hoje. Eles não revelam o que fizeram e o que os outros militares fizeram. Mas depois de muitos anos, e de conscientização do que aconteceu, e da nossa própria ética, decidimos levar as acusações adiante. Mas aí nos deparamos com esses artigos da legislação argentina.

Apresentamos esse projeto de lei no dia 7 de novembro na mesa de entrada da Câmara dos Deputados. No nosso grupo, alguns já têm os pais mortos, outros condenados e outros, impunes.

No meu caso, espero que meu pai seja investigado. E que ele e os outros genocidas reflitam e tenham alguma dignidade em seus últimos anos de vida. Que deem um pouco de paz a tantos familiares que não sabem qual foi o destino de seus parentes desaparecidos. E paz até para eles, genocidas. Porque eles também devem viver um inferno em suas mentes e corações.
Nós, como coletivo, sabemos que nossa iniciativa, com esse projeto de lei, pode ajudar no contexto das investigações. Coisas que ouvimos nas nossas casas podem aportar no contexto em que os crimes foram cometidos. Inclusive os casos de roubo que as vítimas da ditadura sofreram.

Nossa iniciativa não dará resposta a tudo. Mas pode contribuir para acabar com a impunidade mantida pelos genocidas.”

Fonte: BBC Brasil
Por: Marcia Carmo
Textos correlatos:
Algumas questões que você deveria saber como seu médico pensa
A onipotência, o narcisismo e a perversão na prática médica
A Medicina, provavelmente, não está selecionando as pessoas certas.
Médicos e hospitais corruptos. É possível prevenir?
O lado da imprensa no caso Roger Abdelmassih “o maior predador sexual que a história deste país conheceu”*
O neuropsiquiatra e o ditador

Como e quem incentiva a epidemia de obesidade

Alimentos: o ‘manual’ da indústria para frear a regulação na América Latina

Na Pátria Grande da Obesidade, dividir para dominar é a palavra de ordem. Criar confusão nas evidências científicas, ameaçar com ações internacionais e acionar amigos poderosos são o centro da ofensiva. Se nada funcionar, vai na porrada

como 1

“Una família”, do colombiano Fernando Botero
Um segmento econômico deve acender o sinal amarelo para o risco de sofrer regulação quando alguns fatores se encontram: instituições relevantes defendem a adoção de regras, há uma considerável atenção midiática ao tema e a sociedade está preocupada. O sinal vermelho pisca quando a regulação está consolidada em outros países, há uma intensa pressão pública e os principais atores daquele setor estão cobrando medidas.

É, a chapa esquentou para os fabricantes de alimentos ultraprocessados na América Latina. Como mostramos em O joio e o trigo, alguns países estão à frente de uma agenda política inédita que tenta colocar freio à epidemia de obesidade. Ninguém prega os olhos. O bagulho ficou louco.

As transnacionais sabem que essa é a hora de matar a criança no berço. A chilena, que colocou um sinal de advertência frontal no rótulo de produtos com excesso de calorias, sal, gordura e açúcar. E a mexicana, que criou um imposto sobre bebidas açucaradas. Já falamos sobre como no Congresso Internacional de Nutrição, realizado em outubro em Buenos Aires, a indústria tentou desmerecer as duas iniciativas, tidas como inúteis e confusas.

A seguir, algumas evidências de como a indústria está articulada para fazer abortar as iniciativas que ainda não vieram ao mundo. E quais as contradições nesse discurso.

1. Cerca o frango
“Gostei muito da apresentação do colega do Uruguai, mas a população brasileira é bem diferente”, enfatizou Mariângela Almeida, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), durante um seminário organizado em novembro pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para discutir a adoção de um modelo de rotulagem frontal de alimentos.

Talvez nossa alma sambista e boêmia não lide muito bem com os sinais de alerta defendidos pela sociedade civil, tão pesados.

Isolar para derrotar é uma primeira medida da indústria. No Brasil, por enquanto a Anvisa tem aceito a ideia de que as evidências científicas acumuladas em outros países não podem ser transpostas ao cenário local.

2. A República Unida da Obesidade
Isso nos leva ao segundo ponto. Desde a 2ª Guerra Mundial, essas empresas não pouparam esforços para derrubar fronteiras nacionais e criar produtos que pudessem ser vendidos do extremo mais pobre da África ao vilarejo mais rico da Europa.

Para essa função foi criado o Codex Alimentarius, um organismo conjunto da Organização Mundial de Saúde (OMS) e da FAO que “harmoniza” a legislação dos países para que os produtos possam circular com facilidade. É ali que se define, por exemplo, quanto de cada aditivo será permitido em alimentos. Ou como serão as normas nacionais sobre fórmulas infantis. Desde que a Organização Mundial do Comércio (OMC) adotou o Codex como baliza para as transações na área alimentícia, as decisões têm efeito praticamente compulsório.

“O Codex trabalha no sentido de ajudar a indústria a produzir alimentos seguros e no sentido de que o consumidor tenha esses produtos seguros”, diz Felix Reyes, professor da Faculdade de Engenharia de Alimentos da Unicamp que, durante muitos anos, integrou a comitiva brasileira de um dos grupos de trabalho. “Quando o Codex se reúne, todos os países estão representados. Um país pode querer proteger seus interesses políticos no Codex. Pode tentar induzir problemas a um concorrente.”

Ele diz, porém, que, na área científica, não há espaço para a proteção de interesses políticos.

Há muitas divergências. “Um estudo mostrou que mais de 400 dos participantes não governamentais nos comitês do Codex representam a indústria, enquanto apenas 1% representavam organizações de interesse público”, narra o livro Lethal but legal. “Companhias como Nestlé, Hershey, Kraft, General Foods, Coca-Cola e Pepsico, além de grupos como a Associação dos Fabricantes de Alimentos dos EUA e a Associação Nacional dos Processadores de Alimentos, frequentemente têm mais pessoas nessas reuniões que os governos de países pequenos. Em resumo, a indústria e suas entidades de classe são comumente os juízes, os jurados e os especialistas na formulação de decisões sobre acordos comerciais, deixando pouco espaço a considerações sobre saúde.”

Se quiser ler mais a respeito, recomendamos também o artigo Do food regulatory systems protect public health?, que mostra como a saúde foi colocada em segundo plano no Codex.

como 2

3. Insaciáveis
Também não foram poucos os esforços da indústria por criar alimentos hiperpalatáveis que piram o cabeção de gregos e mexicanos, driblando os mecanismos de saciedade de nosso cérebro. Uma farta literatura sobre o assunto pode ser encontrada no livro Sal, açúcar, gordura, do jornalista Michael Moss.

“As próprias empresas de alimentos estão viciadas em sal, açúcar e gordura. A incansável determinação de gerar a maior atratividade pelo menor custo possível as leva, de modo inexorável, a esses três ingredientes”, ele explica.

Os níveis de obesidade na América Latina explodiram em simultâneo, desde a década de 1970 e com maior intensidade no final do século, quando os mercados ricos estavam mais próximos da saturação e o marketing das transnacionais se voltou aos países de média renda. Nesse momento, a região está em algum ponto da transição entre uma alimentação tradicional e uma totalmente industrializada.

Não custa lembrar que, para além dessa semelhança, há uma igualdade absoluta: cem gramas de açúcar são a mesma coisa no Brasil, no México ou na Austrália. E um pacotinho de M&Ms é vendido do mesmo modo na Argentina ou na Itália.

4. Que baixem as fronteiras
Se nada disso funcionar, esqueçam tudo o que falamos sobre as especificidades nacionais. É hora de derrubar as fronteiras e irmanar nossos povos. Sim, o Mercosul serve para essas horas de aperto. Frente à iminência da adoção dos sinais de alerta nos rótulos no Uruguai e ao cenário indefinido no Brasil, a indústria trabalha para levar a discussão para o âmbito do bloco regional.

A enorme quantidade de interesses conflitantes e a falta de acordo dentro dos próprios governos nacionais farão qualquer decisão subir no telhado. A Coca já sinalizou ao Uruguai que acionará a OMC pela interpretação de que a rotulagem frontal violaria os acordos regionais.

5. Amigo é coisa pra se guardar
Nessa hora vale acionar os amigos nos governos. As equipes econômicas e de agronegócio são sempre a porta de entrada na tentativa de frear qualquer iniciativa regulatória. Muitos países da região dependem fortemente desses segmentos e não estão dispostos a pelejas.

Um argumento central é a perda de arrecadação provocada por restrições ao setor privado, podendo levar ao fechamento de postos de trabalho. Outro reside na violação aos tratados internacionais de livre comércio.

No flanco oposto, pesquisadores e organizações da sociedade cobram que se coloque na ponta do lápis o custo provocado por esses produtos aos sistemas de saúde.

6. Deixa que eu chuto
“Vamos taxar quem não faz exercício? Vamos taxar quem come mais de duas mil calorias por dia? Vamos taxar o sujeito que tem estresse no trabalho?”, questionou Alexandre Kruel Jobim, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Refrigerantes e Bebidas não Alcoólicas (Abir), durante uma audiência pública na Câmara dos Deputados para debater a criação de um imposto sobre esses produtos.

É uma fala interessante porque condensa alguns argumentos. Primeiro, de que a obesidade é causada por vários fatores – e, claro, os ultraprocessados estão longe de ser o fator central, de acordo com as empresas. Segundo, que o indivíduo é o grande culpado porque faz escolhas erradas. Terceiro, que nenhuma medida isolada resolve o caso.

De fato, tanto não resolve que, além da taxação, são propostos restrições à publicidade e à venda para crianças, sinais de advertência frontais nos rótulos e estímulos à venda de alimentos in natura, entre outras possibilidades. E, ainda que não fosse assim, por algum ponto é preciso começar.

7. Mal educados
Sim! É preciso começar – e terminar – pela educação alimentar. Em 100% das falas de representantes das empresas e de acadêmicos mais simpáticos a elas, essa é a panaceia. As pessoas estão gordas porque não sabem comer. Basta explicar a elas que Doritos se come à tarde e não na hora do jantar; que Coca é para ser tomada depois de uma caminhadinha pela rua e que esse corpinho flácido não deve ficar parado.

Mas, calma, quem foi mesmo que disse que era impossível comer um só? E quem nos ensinou que bastava um movimento simples para poder tomar um montão de refrigerante? E que Danoninho vale por um bifinho? E que o suquinho em pó está cheio de vitaminas e minerais, mesmo que as frutas tenham passado longe daquele pacotinho?

Há certas babás que você não quer para os seus filhos.

De todo modo, essas empresas não promoveram até agora nenhuma ação relevante de educação alimentar, mesmo com o farto investimento publicitário na televisão.

como 3

8. A diferença entre farinha de trigo e Fandangos
Não importa quanta evidência científica exista indicando determinado caminho, ela nunca é suficiente. Ou conclusiva. Para garantir o êxito desse argumento, o setor privado se esmera em financiar a produção de pesquisas científicas que caminhem no sentido contrário à regulação, confundindo a sociedade e os formuladores de políticas públicas. Já mostramos como a roda gira na Anvisa.

Pegando o caso da rotulagem, a Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação (Abia) diz que o modelo de semáforos está ancorado em uma revisão da literatura feito pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação, da Unicamp, cujo coordenador é consultor de diversas empresas.

No mundo todo, dois tipos de organização têm sido acionados para defender as empresas.

– as sociedades acadêmicas nacionais de alimentação e nutrição, há longo tempo prestadoras de serviços

– as organizações de tecnologia de alimentos

Vamos falar sobre essas. Susana Socolovsky, presidente da Associação Argentina de Tecnólogos Alimentares, tem rodado o continente. México, Brasil e Uruguai foram três dos alvos. No geral, a fala consiste em acusar preconceito contra a indústria, mirando dois coelhos com uma cajadada.

Primeiro, a separação entre processados e ultraprocessados. Segundo, o modelo de perfil de nutrientes da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), que toma essa separação como base para definir os limites de ingestão por produto e não mais pela dieta total do dia: consumindo alimentos que não excedam os limites, é provável que você mantenha uma dieta saudável.

“O modelo de perfil de nutrientes proposto está baseado nas calorias do produto. Não permite mostrar as diferenças entre um produto tradicional e um produto baixo em açúcar”, disse Socolovsky a um jornal uruguaio. Em outra entrevista, ela afirmou que os veganos são uma tribo de fanáticos que encontraram uma maneira de substituir a religião. “Existe uma culpabilidade não justificada do alimento empacotado, como se fosse por si prejudicial.”

Não nos parece que a reação da média da sociedade seja aos alimentos industrializados. É fácil entender que um feijão continua sendo feijão, mesmo dentro do pacotinho.

Uma linha central da defesa das empresas consiste em dizer que o processamento é praticado há séculos. O trigo passa pelos moinhos desde tempos imemoriais. Algas e vegetais são fermentados para aumentar o tempo de conservação. Mas é simples entender que existe uma distância grande entre isso e um Fandangos.

Na Colômbia, quem atua é Jairo Romero, presidente da Associação Latino-Americana e do Caribe de Ciência e Tecnologia de Alimentos. Ele foi ao Senado afirmar que o modelo de rotulagem frontal com base em sinais de advertência não tem evidências científicas e entra em conflito com os sistemas adotados internacionalmente.

Romero é dono de uma consultoria que presta serviço às empresas de alimentos. E, em 2011, esteve envolvido em um escândalo acadêmico: foi co-signatário de uma carta que determinou o cancelamento de um debate sobre obesidade infantil e mídia no congresso mundial da área sob a alegação de que poderia causar “inconvenientes com os patrocinadores”.

9. Olé
Em pelo menos dois países, Brasil e Peru, as empresas jogam com o regulamento debaixo do braço, num drible digno dos grandes mestres. Não deu pelo Executivo, vai pelo Legislativo.

No final de novembro, a Comissão de Assuntos Econômicos do Senado aprovou o Projeto de Lei 489, de 2008, que ficou travado durante anos por ação da própria indústria. O PL postula a rotulagem por semáforos, que na década passada era visto como ruim pelo setor privado. Mas os anos passaram e o sistema se mostrou ineficiente. Então, é melhor fazer aprovar e sancionar uma lei que feche as portas à ação da Anvisa. No Chile, a história também começou com um semáforo e foi terminar num sinal de advertência.

Breve observação: a Comissão de Assuntos Econômicos é presidida por Tasso Jereissati (PSDB-CE), um dos maiores engarrafadores de Coca do mundo. Ele designou como relator Armando Monteiro Neto (PTB-PE), que já foi presidente da Confederação Nacional da Indústria.

No Peru, o Ministério da Saúde já havia aprovado em agosto uma resolução para adotar sinais de advertência inspirados no caso chileno, cumprindo as recomendações da Lei de Promoção da Alimentação Saudável, de 2013.

Mas o partido do ex-presidente Alberto Fujimori tirou da cartola um projeto para impor o semáforo. Como no Brasil, hierarquicamente uma lei estaria acima de uma decisão do Executivo. O texto foi aprovado rapidamente pela Comissão de Defesa do Consumidor do Congresso, que decidiu excluir do debate as evidências científicas.

10. É treta
Se nada disso funcionar, sempre teremos a violência. Duas extensas e bem documentadas reportagens do The New York Times relatam ameaças e espionagem contra agentes públicos, pesquisadores e integrantes de ONGs envolvidas no debate regulatório no México e na Colômbia.

Fonte: O joio e o trigo
Por: João Peres
Textos correlatos:
“As maracutaias da indústria do açúcar”
Como prevenir 40% dos cânceres
A saúde e as propagandas enganosas.
Tática sofisticada para vender mais alcoolismo.
Philip Morris quer mandar no Uruguai e no seu pulmão.
Como a indústria farmacêutica influi nas prescrições médicas

O Estado Laico trata melhor a todas religiões do que um Estado Teocrático

¿Qué es una democracia laica?

Para la Iglesia persecución es que le quiten el derecho a decir la última palabra. La religión como derecho debe ser respetada pero como deber no puede serlo. Es incompatible con la democracia. En los países en que la religión es un deber no pueden convivir distintas iglesias, no puede haber tolerancia religiosa.

EL

La sociedad democrática debe ser laica, no puede elegir serlo o no serlo. En el pasado la religión oficial ha servido para vertebrar la sociedad. La religión no pertenecía al ámbito privado. Pero en un momento dado, el centro de la vida social pasa a ser el debate y la controversia democrática. Fueron los griegos los primeros que convierten el debate en la asamblea en el centro de la vida social. En ese momento, lo que vertebra la vida social es algo revocable, en lugar de los fundamentos religiosos que son inalterables.

Se produce el paso de la sociedad teocéntrica, que pregunta a lo otro para saber cómo es ella, a la sociedad democrática en la que se pregunta a sí misma. Son los hombres los que se dan sentido. Lo característico de la sociedad democrática es que recibe su sentido de sí misma. La sociedad para los individuos y no los individuos para la sociedad. La sociedad clásica tenía un plus de estabilidad. Lo que no es humano es lo que está a resguardo. Cuando es la propia relación de ciudadanos el centro de la vida social, hay controversia y discusión.

La sociedad democrática no puede ser teocéntrica porque son términos contradictorios. Cuando la religión deja de ser el centro de la vida social es posible la sociedad democrática. La religión no tiene que desaparecer, simplemente debe dejar de ser el centro para que pueda existir la sociedad democrática.

En el momento en que la religión deja de ser el centro de la sociedad se convierte en la vía de búsqueda de sentido de los individuos. La sociedad da cierto sentido, pero somos mortales y, por eso también necesitamos la religión. La religión va a seguir teniendo un tema porque existe la mortalidad. La religión es una de las mayores transmisoras de sentido que ayudan a las personas a vivir con su finitud. Cada cual debe negociar su vida en ese asunto. La religión es un derecho de buscar sentido a la vida. Esto está en la base de la tolerancia democrática, que era tolerancia religiosa antes que política. Voltaire, asombrado por la tolerancia religiosa de los ingleses, decía: “Los ingleses van al cielo y al infierno cada cual por el camino que quiere”.

Para que la religión sea vista como un derecho no solo es necesario la tolerancia del poder, sino también que el individuo renuncie a la religión como centro de la sociedad. La diferencia entre un fanático y un religioso, es que para el fanático la religión no es un derecho sino un deber para él y para todos los demás. Y además él considera que tiene el deber de hacer que los demás cumplan ese deber.

La Iglesia española dice que hay persecución religiosa cuando lo único que hay es que se les ha prohibido perseguir. Antes existía persecución religiosa porque eran ellos los que perseguían. La homosexualidad, el aborto, el divorcio… además de pecado eran delito.

Para la Iglesia persecución es que le quiten el derecho a decir la última palabra. La religión como derecho debe ser respetada pero como deber no puede serlo. Es incompatible con la democracia. En los países en que la religión es un deber no pueden convivir distintas iglesias, no puede haber tolerancia religiosa.

El Estado debe ser escéptico frente a la religión. El Estado laico trata mejor a las religiones que las tratarían otras religiones en un Estado teocrático. La mayor persecución religiosa ha sido por parte de otras religiones. La lucha por el laicismo está inscrita en la propia lucha democrática. El cristianismo es la religión para salir de la religión. Es la religión por medio de la cual se entra en el mundo laico.

Los dioses romanos cumplían una función estatal. Los romanos acosaban a los cristianos no por tener su propio dios sino por no adorar a los dioses de Roma. Los cristianos ponían por delante la distinción entre el mundo transcendente y el mundo social, que estaban radicalmente separados.

Este es el comienzo de separación entre el mundo social y el mundo de la religión. Cristo fue condenado por el Estado y, por tanto, no puede representarlo. El cristianismo introduce la separación de Iglesia y Estado. Ahora existe el debate de si la Constitución europea debe recoger una mención a la religión cristiana. En mi opinión sí debe recogerla pero no en el sentido que le da la Iglesia. Habría que mencionar al cristianismo para decir que gracias a él Europa es laica.

Respecto a la educación, se dice que sin la religión no podrían entenderse, por ejemplo, los cuadros de Zurbarán. Pero del mismo modo es interesante la mitología griega para comprender los cuadros renacentistas. Todo puede ser enseñado y estaría bien explicar la religión para entender la pintura religiosa, pero no puede ser dado por religiosos. La Iglesia no pretende enseñar la dimensión estética sino la ética.

En la escuela democrática se deben enseñar dos cosas: Una los conocimientos verificables, aceptados científicamente y respaldados dentro de los parámetros de la época. Otra los valores sobre los que hay acuerdo. No los que aceptan unos y otros no, sino los consensuados, las pautas éticas aceptadas.

Lo demás es aceptable pero no debe estar en la enseñanza y mucho menos en la enseñanza pública. La religión es respetable siempre que no contradiga los valores constitucionales. Existe el derecho a aprender la religión pero costeándoselo el mismo individuo. La sociedad no debe costearlo ni mucho menos imponerlo.

La religión tiene derecho a decir qué es pecado pero no ha decir qué es delito. Tampoco es lógico que diga, por ejemplo, que la homosexualidad es una enfermedad. Eso deben decirlo los médicos que son los que entienden de esos temas.

La modernidad consiste en alejarse de la religión como vertebradora de la sociedad. Debe vertebrarse hacia la polémica, la controversia y el debate democrático. La educación sirve para dar la posibilidad a todos de que la religión sea un derecho. Es necesaria una educación sobre contenidos verificables y valores aceptados para que cada cual sea libre de elegir su propia religión. La Iglesia no puede considerar persecución que se le dé el mismo trato que al resto de organizaciones.

Fonte: Red de Blogs Ateos
Por: Fernando Savater
Textos correlatos:
Religião e laicidade: discriminação e violência.
Arcebispo aprova criação do Dia da Laicidade
Encerrando o debate com Flávio Aguiar incluindo editorial do Charlie Hebdo sobre laicidade.
A violência está nos genes da religião?
Pastor evangélico propõe que homossexuais usem roupas com cores especias para serem identificados
Marcha LGBTI avança ao promover a Laicidade*

Aceitarias retirar um órgão saudável para evitar o câncer?

Profilaxia. Genética estuda cada vez mais famílias com genes propícios a tumores. Deixou de ser raro retirar órgãos antes de ter cancro

“Durante um mês não consegui tomar banho, pentear-me ou deitar-me sozinha. Retiraram-me músculo dorsal para suportar as próteses e pele das costas para fazer a auréola do peito. Correu bem, apesar das cicatrizes que ficam nas costas”, conta Filipa, 43 anos. Casou-se um ano depois da cirurgia, aos 40, e nunca lhe faltou o apoio do marido: “Disse-me sempre que preferia que eu estivesse viva a ter mamas.”

profi
Era mais um turno no Hospital Dona Estefânia, em Lisboa. Tamara foi chamada para ajudar uma jovem de 27 anos, mãe recente de duas crianças, a quem tinha sido retirado o peito cancerígeno. Enfermeira experimente, daquela vez deixou-se comover, e isso salvou-a. A ela e a outras mulheres.

A doente viria a morrer dois anos depois. Tamara esteve presente na morte, que desde então tem sido a sua vida: “Prometi-lhe que não ia deixar que voltasse a acontecer, que mais mulheres morressem desnecessariamente por ignorância.” O caso da jovem despertou Tamara para uma realidade que agora partilha: há quem nasça com genes mais suscetíveis ao cancro, mas essa fragilidade pode ser descoberta a tempo de agir. Foi o que Tamara fez.

Estudou a história familiar e percebeu que estava em perigo. A mãe teve cancro da mama e duas tias paternas tiveram tumores da mama e ovário, que atingiu ainda a avó paterna. Com origem germânica, Tamara fez os testes na Alemanha e confirmou o pior. Herdara do pai uma mutação que lhe dava 87% de risco.

Em 2009, com 41 anos e um ano depois do decisivo turno no hospital, submeteu-se a uma intervenção preventiva. A cirurgia para retirar a mama foi realizada no IPO-Lisboa, onde regressou aos 42 anos para extrair o útero, os ovários e as trompas. Com duas filhas e quatro sobrinhas, Tamara Milagre já lhes explicou o perigo que vivem.

Foi com o mesmo objetivo de informar que em 2011 fundou a associação EVITA, para os “‘previventes’, sobreviventes à pré-exposição de desenvolver cancro”. “Tentamos salvar vidas”, afirma Tamara Milagre, apelido que adotou do marido português. Tem conhecimento de 40 mulheres que, como ela, optaram por ficar sem mama, um procedimento há vários anos praticado no Serviço Nacional de Saúde e que o caso da atriz americana Angelina Jolie publicitou.

O cancro hereditário tem origem em mutações genéticas que se transmitem entre gerações e representa 10% de todas as neoplasias (tumores malignos). Este valor pode vir a aumentar à medida que são identificadas mais ligações entre genes e tumores malignos. A genética tem cada vez mais testes para determinar os níveis de risco de cancro impostos pelas mutações nos genes. A comunidade científica é consensual em considerar ameaçadores valores acima de 80%.

Em Portugal faltam números, mas nos três institutos do IPO e, por exemplo, no São João, as famílias estudadas e os utentes que optaram pela cirurgia profilática já não são residuais.
No estudo do risco para as neoplasias da mama — as mais comuns — só o IPO-Lisboa soma cerca de cinco mil famílias, com mais de 700 pessoas portadoras de mutações. Em Coimbra são mais de 2000 agregados familiares, 90 com alterações que lhes conferem risco aumentado, e no IPO-Porto vão além de 120. No vizinho São João, também são mais de 100 as famílias sob avaliação.

O cenário repete-se noutros tumores, embora com uma expressão menor. No cancro do cólon e reto, o IPO-Lisboa segue 300 a 400 famílias, com alterações genéticas definidas, e o São João tem cinco agregados com uma mutação rara que aumenta a suscetibilidade a tumores malignos em vários órgãos.

Sobre os procedimentos cirúrgicos preventivos, igualmente sem dados precisos, os especialistas admitem que os hospitais mais diferenciados, como as unidades do IPO, fazem cerca de 20 extrações por ano, sobretudo de mama, ovário, útero e cólon. “Desde 2016, fizemos 33 mastectomias, a maior parte em mulheres saudáveis”, diz Fernando Castro, responsável pela área de risco familiar do IPO-Porto. A média é semelhante à registada em Coimbra: “Temos cerca de 20 cirurgias redutoras de risco por ano”, explica a administração.

Nas intervenções para retirar o cólon (intestino grosso), os números são próximos. Isabel Claro, gastrenterologista do IPO-Lisboa e responsável pela unidade de avaliação de risco nesta área, adianta que “nos últimos anos realizou-se, pelo menos, uma dezena de cirurgias profiláticas por ano no contexto das síndromes hereditários de cancro do cólon e reto”. Mesmo em casos muito raros, como a alteração que dita o cancro do estômago, há registo de extrações preventivas. “Temos sete famílias com a mutação E Caderina e 26 utentes aceitaram a gastrectomia”, diz Margarida Damasceno, diretora da Oncologia do Hospital de São João.

“O cancro hereditário é o cancro com o maior potencial de prevenção e o ‘enteado’ da oncologia porque não há dados. E, não havendo dados, não há progressos nem argumentação junto 
do poder político”, critica Tamara Milagre. “Temos conhecimento de tempos de espera muito longos, com mais de um ano para saber o resultado do teste.”

O IPO-Lisboa é o pioneiro e aquele que oferece a resposta mais completa na avaliação do risco familiar de cancro, com uma clínica dentro do IPO só para esta área, e mesmo assim tem lista de espera. “Em casos sem urgência — que quando existe, o utente tem a consulta e o teste feito em três meses — a espera pode ultrapassar seis meses”, reconhece a diretora da clínica, Fátima Vaz.

Esperar meio ano para saber se é um alvo fácil pode parecer muito, mas a maioria dos médicos desvaloriza porque é um contexto sem doença. Para alguns doentes a espera ajuda a pensar. Extrair um órgão saudável tem consequências, muitas inimagináveis para quem não é profissional de saúde.

“Durante um mês não consegui tomar banho, pentear-me ou deitar-me sozinha. Retiraram-me músculo dorsal para suportar as próteses e pele das costas para fazer a auréola do peito. Correu bem, apesar das cicatrizes que ficam nas costas”, conta Filipa, 43 anos. Casou-se um ano depois da cirurgia, aos 40, e nunca lhe faltou o apoio do marido: “Disse-me sempre que preferia que eu estivesse viva a ter mamas.”

Filha de uma vítima de cancro aos 38 anos, Filipa herdou a perigosa mutação e quis mudar o destino. “O primeiro pensamento quando acordei da cirurgia foi que poderia chegar a velhinha. Já não tinha duas bombas-relógio no meu corpo.” Mas saber que o risco é muito elevado nem sempre muda tudo.

Ana, 41 anos, ainda não deu o passo para retirar o peito. “Não consigo ficar quieta, há a questão dos filhos e a própria estética. Estou em espera para retirar os ovários, que fui adiando…”, conta. Viu a mãe morrer depois de três recidivas, sabe que tem a mesma mutação mas confia nos exames sistemáticos que faz desde os 24 anos. “Claro que todas as vezes que vou ao IPO levo o medo: será que é desta?”

Tamara reconhece que a maioria das mulheres prefere a vigilância apertada à cirurgia preventiva e a falta de informação é um argumento. “Estamos a tentar ter um registo de cancro hereditário. Não é fácil porque a lei não permite o acesso a alterações genéticas germinais”, explica o responsável pela estratégia nacional para as doenças oncológicas, Nuno Miranda. O oncologista sublinha, no entanto, a importância da prevenção: “Quando podemos intervir antes da doença, esse é só mais um motivo para lhe atribuirmos prioridade.”

Saber que se é mais vulnerável a ter um cancro e poder decidir retirar um órgão saudável para reduzir o risco é uma vantagem para uns e uma maldição para outros. Tamara tem uma resposta pronta, uma pergunta. “Embarcava se soubesse que o avião tinha 80% de probabilidades de cair?”

Fonte: Expresso Pt
Por: Vera Lúcia Arreigoso
Textos correlatos:
Como prevenir 40% dos cânceres
Algumas questões que você deveria saber como seu médico pensa
Como a indústria farmacêutica influi nas prescrições médicas
Preço de medicamento de doença grave é inflacionado se não há tratamento alternativo
Philip Morris quer mandar no Uruguai e no seu pulmão.
Mulheres e drogas: relações pessoais, sociais e tratamento.

O partidarismo* está se tornando uma “discriminação religiosa”

Evangélicos, musulmanes, ateos y cristianos ¿De dónde se originan los prejuicios religiosos?
Froese dijo que el partidismo se está convirtiendo en un marcador de diferencias tan fuerte como la religión. “Cada vez más estamos llegando a la conclusión de que la identidad de un partido es una identidad cultural, tal y como lo es la religión”,…part 1
A los evangélicos no les gusta los valores de los ateos. La gente no religiosa teme que los cristianos conservadores quieran limitar sus libertades. Los republicanos temen que los musulmanes representen una amenaza para su seguridad física.

En resumen, muchos grupos de identidad estadounidense están muy preocupados unos de otros. Ese es el punto de partida de una nueva encuesta publicada por la Universidad de Bayler que analizó a los estadounidenses acerca de sus percepciones sobre sus conciudadanos.

Parte del estudio, llamado Miedo del otro, examinó las actitudes negativas hacia cuatro grupos: los ateos, los cristianos conservadores, los judíos y los musulmanes. Tras ese análisis encontró que los estadounidenses, generalmente, albergan miedos y prejuicios sobre los cuatro grupos. Sin embargo, esos temores eran diferentes según la clasificación.

part 2“La gente cree que los ateos tienen unos valores terribles, pero no son una amenaza física. También se piensa que los musulmanes tienen unos valores inferiores y son un peligro físico”, recalcó Paul Froese sociólogo del Instituto Universitario de Estudios de Religión de Baylor y director de la encuesta. “La gente hace distinciones entre “eres una persona desviada” versus “eres una persona peligrosa”. Más de un tercio de los estadounidenses no temen por su seguridad cuando se trata de cristianos conservadores, pero piensan que están limitando su libertad. Tienen esa dinámica interesante: diferentes tipos de amenazas”, agregó.

La encuesta mostró quién teme o desconfía de quién. Por ejemplo, el 40 por ciento de las personas religiosas no afiliadas a una congregación dijeron que los cristianos conservadores tienen valores inferiores, mientras que cerca del 20 por ciento de los protestantes y solo el 3 por ciento de los judíos estaban de acuerdo con esa declaración.

part 3Cerca del 52 por ciento de los evangélicos blancos dijeron que los musulmanes querían limitar su libertad, mientras que el 46 por ciento dijo lo mismo de los ateos. Otros grupos eran mucho menos propensos a estar de acuerdo, pero el 50 por ciento de los judíos y el 66 por ciento de las personas que admitieron no tener ninguna afiliación religiosa vieron a los cristianos conservadores como una amenaza a su libertad.

Cuando se trata de seguridad física, la mayoría de los grupos aún no estaban de acuerdo. Los evangélicos, protestantes y católicos vieron a los musulmanes como la mayor amenaza. Los protestantes negros veían a los ateos como la mayor amenaza a su seguridad física, mientras que los judíos y los no religiosos veían a los cristianos conservadores como los más peligrosos.

Las percepciones negativas de los judíos eran menos comunes, pero aún prevalecen entre algunos estadounidenses: alrededor del 10 por ciento de las personas que no tienen afiliación religiosa dijo que los judíos querían limitar su libertad y tener valores inferiores, y un número similar de evangélicos y protestantes negros con cuerda con al menos una de esas declaraciones.

part 4El estudio demostró que el partidismo también tiene un fuerte efecto cuando se trata de predecir las opiniones de los pueblos sobre estos temas. Los republicanos tienen opiniones más negativas sobre los musulmanes y los ateos, y los demócratas tienen opiniones más negativas de los cristianos conservadores.

Froese dijo que el partidismo se está convirtiendo en un marcador de diferencias tan fuerte como la religión. “Cada vez más estamos llegando a la conclusión de que la identidad de un partido es una identidad cultural, tal y como lo es la religión”, apostilló.

* Partidarismo

Fonte: The Washington Post
Por: Julie Zauzmer y Michelle Boorstein
Textos correlatos:
Religião e laicidade: discriminação e violência.
Os Estados Unidos tem uma longa história de simpatia pelos nazistas
As Discriminações são abordadas de forma diferente nas “paróquias brancas e negras”
A Psicanálise, as Discriminações e as Religiões
Condutas discriminatórias precisam de diagnóstico compatível com o crime, defende psiquiatra
Trajetória ateista de Sigmund Freud (1856-1939)* (4)

“As maracutaias da indústria do açúcar”

A indústria do açúcar está há décadas manipulando a ciência

Esta semana, uma equipe da qual participam Cristin Kearns e Stanton Glantz, pesquisadores da Universidade da Califórnia em São Francisco conhecidos por apontar as maracutaias do negócio açucareiro, recuperou antigos documentos que mostram sua forma de trabalhar.

açucar

A indústria do açúcar ocultou durante cerca de 50 anos estudos efetuados com animais que sugeriam os efeitos negativos que a sacarose tem na saúde. MARK R. CRISTINO EFE

Durante a história da humanidade morrer de câncer de pulmão era uma verdadeira raridade. No entanto, o consumo em massa de tabaco, que começou no final do século XIX, causou uma epidemia mundial. A relação entre o hábito de fumar e o câncer começou a ser demonstrada nos anos 40, e no final dos 50 as provas já eram irrefutáveis. Em 1960, porém, somente um terço dos médicos dos Estados Unidos acreditavam que o vínculo entre a doença e o tabagismo fosse real. Para essa confusão dos médicos e da população a ciência também contribuiu. Em 1954, o pesquisador Robert Hockett foi contratado pelo Comitê de Investigação da Indústria do Tabaco, dos EUA, para pôr em dúvida a solidez dos estudos sobre os malefícios dos cigarros.

Apesar dos esforços daquela indústria, a acumulação de provas conseguiu fazer com que a consciência sobre os perigos de fumar seja quase universal e que as campanhas tenham reduzido significativamente o número de fumantes. Mas o negócio do tabaco não é o único que manipulou a ciência para proteger seus lucros. Como o tabagismo, o consumo desenfreado de açúcar é um hábito doentio moderno. E embora a consciência sobre os danos do açúcar seja algo muito mais recente, parece que a própria indústria está ciente deles há muito tempo. De fato, Hockett, antes de buscar a proteção do tabaco por meio da confusão, tinha feito o mesmo com o açúcar. Nesse caso, ao não poder negar a relação entre a sacarose e as cáries, tentava promover intervenções de saúde pública que reduzissem os dados no açúcar em vez de restringir seu consumo.

Esta semana, uma equipe da qual participam Cristin Kearns e Stanton Glantz, pesquisadores da Universidade da Califórnia em São Francisco conhecidos por apontar as maracutaias do negócio açucareiro, recuperou antigos documentos que mostram sua forma de trabalhar. Segundo explicam em um artigo publicado na revista PLOS Biology, a Sugar Research Foundation (SRF), conhecida agora como Sugar Association, financiou em 1965 uma revisão no New England Journal of Medicine na qual eram descartados indícios que relacionavam o consumo de açúcar, os níveis de gordura no sangue e doenças cardíacas. Essa mesma fundação também realizou estudos em animais em 1970 para analisar esses vínculos. Seus resultados encontraram um maior nível de colesterol em ratos alimentados com açúcar em relação a outros alimentados com amido, uma diferença que atribuíam a distintas reações dos micróbios de seu intestino. Quando a SRF conheceu os dados, que indicavam uma relação entre o consumo de açúcar e as doenças cardíacas, e até um maior risco de câncer de bexiga, interrompeu as pesquisas e nunca publicou seus resultados.

Glatz e seus colegas comentam que este tipo de trabalho propagandístico, direcionado a semear dúvidas sobre qualquer relação entre o consumo de sacarose e as doenças crônicas, continua hoje. Como exemplo citam uma nota à imprensa divulgada pela Sugar Association em 2016 como resposta a um estudo publicado na revisa Cancer Research. Nela, eram questionados os dados obtidos por uma equipe do Centro para o Câncer MD Anderson da Universidade do Texas, nos quais se observou em ratos que o consumo de açúcar favorecia o crescimento de tumores e a metástase.

Estratégias em vigor

As estratégias da indústria açucareira do passado continuam vigentes. Como quando Hockett propunha mitigar o impacto do consumo do açúcar nas cáries sem reduzir seu consumo, hoje, empresas como a Coca-Cola focam na necessidade de se fazer exercícios para reduzir a obesidade, deixando de lado a de diminuir o consumo de açúcar.

Em uma entrevista a El País, Dana Small, uma cientista da Universidade Yale que trabalha para entender a maneira como o entorno moderno, desde a alimentação à poluição, favorece a obesidade, comentou sua experiência colaborando com a Pepsi. Apesar de reconhecer que os dirigentes da empresa tinham boas intenções quando começaram a financiar projetos sobre alimentação e saúde, conta que tudo andou bem até que tiveram “resultados que indicavam que seus produtos poderiam estar causando danos”. Não podiam assumir que conheciam os perigos de seus produtos para a saúde porque essa informação poderia ser utilizada contra eles em futuras ações judiciais. “Deixaram de financiar-me na semana seguinte e confiscaram os computadores dos cientistas com os quais estava trabalhando”, relatou.

Glanz considera que a atitude das entidades açucareiras “questiona os estudos financiados pela indústria do açúcar como uma fonte confiável de informação para a elaboração de políticas públicas”. Small, no entanto, considera que a indústria do açúcar e a da alimentação em geral são grandes demais para serem ignoradas. Em sua opinião é necessário buscar meios de proteger este tipo de colaboração de tal maneira que ambas as partes possam trabalhar de forma honesta “sem ter que se preocupar com segredos comerciais ou ser alvo de ações judiciais”.

Fonte: El país
Por: Daniel Mediavilla
Textos correlatos:
Como prevenir 40% dos cânceres
Como a indústria farmacêutica influi nas prescrições médicas
Philip Morris quer mandar no Uruguai e no seu pulmão.
A saúde e as propagandas enganosas.
Tática sofisticada para vender mais alcoolismo.
A Indústria Farmacêutica, os “homicídios involuntários” e os “cadáveres nos armários”.