Quem ganha com a epidemia do vírus Ebola.

El gobierno de los Estados Unidos implicado en patentamiento de virus del Ebola

 Fabuloso negocio con el mortal virus

 

 

Según la solicitud de patente publicada en octubre de 2012 bajo el número US20120251502 A1, el gobierno de los Estados Unidos posee una invención basada en el aislamiento y la identificación de una nueva especie de virus Ébola en humanos, el “EboBun”, que fue aislado de los pacientes que sufrieron de fiebre hemorrágica en un reciente brote en Uganda”

 


Aunque el EboBun no es la misma variante que en la actualidad ha provocado el virulento brote epidémico en África Occidental, es evidente que el el gobierno de los EEUU necesita ampliar su cartera de patentes para incluir más cepas de Ébola y esa podría ser la razón por la que las víctimas estadounidenses del Ébola han sido trasladadas recientemente a EEUU.

 

A partir de la descripción de la patente sobre el virus EboBun, sabemos que el gobierno de EE.UU.:

1) Extrae el virus del Ébola de los pacientes

2) Afirma haber “inventado” ese virus

3) Pretende tener el monopolio de protección de patentes sobre el virus

 

.

El documento de patente también reivindica claramente que el gobierno de EE.UU. reclama la “propiedad” sobre todos los virus del Ébola que comparten al menos un 70% de similitud con el Ébola que él “inventó”.

 

Esto nos lleva a una pregunta obvia: ¿Por qué querría declarar el gobierno de EE.UU. el haber “inventado” el Ébola y luego reclamar un monopolio exclusivo sobre su propiedad?

 

Según especialistas en propiedad intelectual, esta patente ayuda a explicar por qué algunas víctimas de Ébola están siendo transportadas a los Estados Unidos y sometidas al control del Centro para el Control y la Prevensión de Enfermedades (CDC).

 

Estos pacientes llevan en su cuerpo valiosos activos de propiedad intelectual en forma de variantes del Ébola y el CDC desea ampliar su cartera de patentes mediante la recolección de muestras sanguineas, para estudiarlas y potencialmente patentar nuevas cepas o variantes del virus.

 

Los expertos afirman también que intentar patentar el Ébola es tan extraño como tratar de patentar el cáncer o la diabetes. ¿Por qué una agencia gubernamental reclamaría haber “inventado” una enfermedad infecciosa y luego reclamar el monopolio de su explotación para uso comercial?

 

¿Acaso espera el CDC cobrar royalties sobre las vacunas del Ébola? ¿Está buscando “inventar” más variantes y patentar esas también?

 

No casualmente las acciones de la compañía farmacéutica canadiense Tekmira subieron más de un 11% el pasado viernes cuando se empezó a presionar a la FDA para que acelerara los ensayos de vacunas contra el Ébola creadas por la compañía.

Lo que estamos viendo es un teatro médico, con un guion cuidadosamente escrito.

Un pánico global de pandemia, una patente del gobierno, importación del virus del Ébola a una ciudad importante de EE.UU., una vacuna experimental, la súbita aparición de una compañía farmacéutica poco conocida y una protesta pública contra la FDA (Administración de Alimentos y Medicamentos de EEUU) para que acelere la creación de una vacuna.

 

Imaginemos cómo podría ser el segundo acto de esta obra de teatro.

 

Un “accidente de laboratorio” en EE.UU., el “escape” del Ébola afectando a la población y una campaña nacional de vacunación obligatoria contra el Ébola que enriquece a Tekmira y a sus inversores, colocando a la CDC, con sus patentes de virus, como “salvadores del pueblo estadounidense”…

 

Esta obra ya se representó con anterioridad…la última vez se llamó “gripe porcina” AH1N1

 

La fórmula es siempre la misma: crear alarma, sacar una vacuna al mercado, luego de asustar a los gobiernos para que adquieran por miles de millones de dólares, vacunas que no necesitan.

 

Tekmira, con sede en Vancouver, desarrolla un tratamiento denominado TKM-Ébola del que ha completado una primera fase de pruebas clínicas “con éxito”, dijo en un comunicado y que “dada la gravedad de la situación, estamos evaluando cuidadosamente la opciones” de uso de su medicamento experimental.

“Esto incluye discusiones con agencias gubernamentales y ONG, incluida la OMS, en varios países sobre el uso potencial de TKM-Ébola para tratar individuos infectados con el virus del ébola”.

“No puede haber garantías de que se encuentre un marco adecuado para el uso de este producto. Seguiremos proporcionando información a medida que sea necesario cuando los caminos clínicos y normativos sean confirmados”, añadió la empresa.

El presidente de Tekmira, el doctor Mark Murray, añadió que “seguimos controlando estrechamente el trágico brote infeccioso de ébola. El actual brote subraya la crítica necesidad de un agente terapéutico efectivo para tratar el virus del ébola”.

Las pruebas clínicas de TKM-Ébola fueron realizadas en “voluntarios humanos sanos”.

Tekmira informó que “en julio, recibimos nota de la suspensión del ensayos de nuestro programa TKM-Ébola por parte de la Administración de Alimentos y Medicamentos de Estados Unidos (FDA)”.

Posteriormente FDA modificó la notificación a “suspensión parcial de ensayos, lo que permite “el uso potencial de TKM-Ebola en individuos con una infección de ébola confirmada o sospechada”.

“La compañía sigue en suspensión de ensayos de TKM-Ébola con respecto a la porción de dosis múltiple ascendente de la Fase 1 de estudio clínica en voluntarios sanos” añadió Tekmira.

 

Reproduzido do Observatorio Sudamericano de Patentes

Racista: uma definição que compete à Saúde Mental

O racismo enquanto um problema ignorado pela saúde no Brasil

Há 11 anos eu e Patrício, meu marido, nos conhecemos. Quando me percebi apaixonada, procurei dentro da minha cabeça alguma imagem da infância e da adolescência que indicassem que o companheiro poderia não ser branco, mas não encontrei nenhuma referência a um “príncipe encantado” negro. Essa foi a primeira vez que me percebi inserida numa sociedade racista.

Antes de apresentá-lo aos meus pais, fiquei me questionando se haveria algum problema. Não porque estávamos num relacionamento mais sério, mas porque Patrício, embora não fosse meu primeiro namorado, era o primeiro negro, e também o único cuja cor da pele foi anunciada antes da apresentação.

Antes de conhecer o Patrício, jamais havia sido parada numa batida policial. Na minha primeira vez – não a primeira dele – quando voltávamos da exibição de seu filme “Negro e Argentino”, uma amiga conduzia o carro sozinha na frente e nós dois estávamos no banco de trás (éramos quatro pessoas, mas um amigo havia descido no metrô). Tivemos que sair do carro sob a mira de armas e mostrar nossos documentos. Enquanto Patrício foi revistado com as duas mãos sobre o capô do carro, eu e minha amiga fomos questionadas insistentemente sobre a natureza da carona (perguntaram inúmeras vezes se não era um sequestro).

No dia do ataque do PCC em 2006, quando mais de 500 civis foram mortos (grande parte pela polícia), nós dois voltamos juntos a pé para casa, porque não havia mais ônibus circulando. Descemos a rua completamente vazia às 18 horas da tarde. Segurava com força a mão do Patrício, querendo mostrar que aquele era meu companheiro, como se com essa atitude pudesse protegê-lo, já que em São Paulo, mesmo em condições de normalidade, o assassinato de negros pela polícia tem um índice 3 vezes maior do que o de brancos.

001

O racismo, que muitas vezes se difunde de maneira bastante sutil – em propagandas de produtos médicos mostrando apenas usuários brancos, em coberturas esportivas que mostram apenas mulheres loiras na plateia e que elegem um jogador branco como herói em meio a uma grande maioria negra, em “pesquisas médicas” que sugerem que negros sejam mais violentos em seu DNA – é algo muito difícil, quase impossível de se lidar.

Muitas vezes a defesa da igualdade de direitos provoca uma violência ainda maior contra aqueles que ousam dizer o óbvio: vivemos numa sociedade racista! Inúmeros são os exemplos de publicações denunciando o racismo que recebem como resposta manifestações de ódio ainda piores que as atitudes denunciadas.

Mas este é um problema que não se restringe à esfera social, invade também a esfera da intimidade do negro que, relegado à própria sorte no cuidado com a saúde mental e psicológica, quase nunca encontra suporte profissional para lidar com essas e outras questões do quotidiano que envolvem ser negro numa sociedade racista e desigual. Raras são as menções ao racismo enquanto um problema que envolve a saúde no Brasil.

002

Por isso me chamou a atenção a entrevista com a psicóloga, professora, pesquisadora, escritora e ativista Jaqueline Gomes de Jesus no site Blogueiras Negras, em 25 de julho, Dia da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha, por trazer o racismo como um problema psicossocial.

Destaco da entrevista, que merece leitura completa por sua potência democrática e sensibilidade, o seguinte trecho:

“A saúde, de forma geral, ainda é vista como um fenômeno meramente biológico, sem relações com o mundo psicossocial. Psicólogas e psicólogos têm questionado esse posicionamento que limita a compreensão sobre como as relações sociais e os processos de subjetivação podem ser vetores de adoecimento psíquico, especialmente quando falamos de uma população historicamente discriminada em uma sociedade racista, no que se inserem as pessoas negras.

Pessoalmente, tenho me focado na discussão sobre como a subcidadania é construída socialmente, particularmente por meio de relações degradadas nesse nosso mercado de trabalho tardiamente globalizado, e perniciosamente competitivo, o qual tem raízes profundas nos séculos de escravidão que marcaram a construção das nossas imagens e discursos sobre o humano. Isso não é assunto apenas para historiadores, sociólogos ou jornalistas, como já me responderam em um parecer de artigo científico, mas também para psicólogos.

A Psicologia, como ciência e profissão, enfrenta o desafio de superar a visão eurocêntrica e colonial que ainda silencia acerca do sofrimento vivido pelas negras e negros neste país, seja no âmbito individual quanto no coletivo. Entendo que a Psicologia Social, em particular, tem apresentado contribuições relevantes nesse sentido, nos frequentes estudos sobre estereótipos, preconceito e discriminação de cunho racial, e nos mais raros sobre processos de branqueamento e branquitude, ainda que estejamos distantes de uma Psicologia – como conjunto de saberes-fazeres unificados que reconheça os movimentos sociais e intelectuais pulsantes em produção de conhecimentos, para além dos campos acadêmicos, como os feministas contemporâneos, os antirracistas, os movimentos por terra e moradia, entre outros – que realmente poderíamos chamar de “descolonial”.”

003

O racismo não é um problema do negro – é da sociedade brasileira – mas é no negro que ele deixa suas marcas e sequelas. Portanto, deve ser tratado e debatido também como um problema de saúde, para que soluções sejam encontradas, não apenas no âmbito particular das pessoas negras, mas também em nível nacional.

Débora Aligieri é advogada
Reproduzido do Blog de deboraligieri – Rede HumanizaSUS

O antissemita, o racista, o machista e a inveja

O antissemitismo é antigo, multi causal e multi facetado.

Para alguns pesquisadores seria, basicamente, uma discriminação religiosa.
O racismo seria uma visão equivocada da biologia a serviço de uma determinada supremacia grupal.
Aqui no Brasil é traduzida por uma pretensa superioridade dos brancos sobre índios e negros.
E o machismo seria a idéia preconcebida da superioridade do homem sobre a mulher.


Mesmo organizados, estes grupos discriminados, não conseguem prevenir a ocorrência de atos hostis contra eles.
Inclusive com o recente auxílio do Direito que criminaliza estas condutas.
A inconformidade com os ataques tende a aumentar por não se sentirem inferiores a seus algozes.
E da maior conscientização de que o problema das discriminações está na mente do discriminador. 
E cada vez mais trazem argumentos em que demonstram os valores de seus grupos.
Na expectativa que estes valores previnam essas Condutas Discriminatórias.
Vejamos alguns exemplos desta argumentação, inevitavelmente, ineficaz.


Os judeus argumentam com a grande quantidade de seus membros que já receberam o Premio Nobel.
E que Israel é um dos mais avançados centros tecnológicos da atualidade do qual o mundo todo se beneficia.
Atos racistas são freqüentemente perpetuados contra jogadores de futebol.
Famosos, ricos e muito valorizados pela importância que nós brasileiros damos a este esporte.
E as mulheres também tem uma argumentação de peso.
Todo homem teve uma mulher importante em sua vida que foi sua mãe.
E nem isto inibe a conduta machista.


Todas estas argumentações nos leva a pensar que estas condutas discriminatórias podem ser potencializadas por inveja.
Para muitos o Premio Nobel desperta admiração e inveja.
Ser negro, famoso e rico no Brasil também.
Ter sido gerado, alimentado, criado, educado por uma mulher.
E depender de outra para ter filhos, também pode despertar admiração e inveja.
Conclusão: a criminalização e a argumentação, que é uma forma de educação dirigida, não inibem a Conduta Discriminatória.
 
 
 
Telmo Kiguel
Médico psiquiatra
Psicoterapeuta

Debatendo o Estado Laico com Milton Ribeiro

laico2Milton.

A tua recente matéria me inspirou a um debate.

Focarei principalmente na laicidade e na conduta discriminatória do texto.

E menos na disputa político partidária.

Inicialmente é necessário deixar claro a importância da laicidade para este blog de Saúde Pública: alguns indicadores de discriminação, saúde e sociais são melhores em Estados Laicos, de fato. Não creio que avanços para um Estado Laico, de fato, possam surgir dos nossos partidos políticos. A oposição a ele, como escrevestes, sim.

Em nosso país esta é uma questão de política supra-partidária, infelizmente.
Progressos nesta área, penso, só ocorrerão se os que estiverem verdadeiramente interessados, promoverem debates fora dos parlamentos.
Entre o avanço da laicidade e os interesses da manutenção da governabilidade / sucesso eleitoral, os partidos políticos tem optado pela segunda opção.
Atualmente está em discussão, na Câmara Municipal de Porto Alegre, a retirada de símbolos religiosos.
Infelizmente não há debates públicos sobre o tema.

Quanto a “A dicotomia tipicamente gaúcha” referida por ti.
Infelizmente não temos pesquisas para saber o que, no fundo, significa isto.
Mas depois de alguns anos de dedicação ao tema tenho uma hipótese.
Creio que a nossa desagradável radicalização é devido a sermos um estado discriminador.
Ocorre mais de as pessoas “secarem” o time adversário do que torcerem pelo seu.
Mais de serem contra (anti) o partido adversário do que falar das idéias/propostas do seu.
O componente discriminatório, nesta conduta, deve ser muito importante.

“Isso é empobrecedor demais”, ainda no teu primeiro parágrafo.
Se as questões ficam assim postas é porque não há um bom debate de idéias/argumentos.
No caso o enfrentamento é feito por idéias pré-concebidas, de um ou de ambos os lados.
E idéias pré-concebidas nada mais são do que o Preconceito.
Que, por sua vez, é uma das origens da Conduta Discriminatória.

Espero que esteja iniciando mais um (mini) debate sobre o tão desejado Estado Laico.

Abraço
Telmo

Depois da Copa, futebol salva casamento.

As mulheres, os homens e o futebol

O futebol, pelo menos no caso argentino, é uma área social privilegiada da constituição da subjetividade masculina e de tem grande relevância na vida cotidiana dos homens. Grande parte da fascinação masculina por este esporte reside no que se denomina captura da cena esportiva: a imprevisibilidade, a surpresa, a ambiguidade entre ganhar e perder, a crença dos espectadores de que seu entusiasmo pode mudar as oportunidades de seu time, a suposição de que algo acontecerá aos jogadores quando são olhados pelo público. Captura atrelada a conformação do ideal ligado a masculinidade.

Um pouco antes de começar a pesquisa, comecei a perceber que falar de futebol é falar de um componente muito importante da vida cotidiana em nossa região: é um dos modos nos quais expressa-se o afeto, a paixão e os vínculos. Assim como as construções de gênero, masculinas e femininas. O futebol está “sexuado” e pintado de gênero, com predomínio masculino, mesmo quando há apreciadoras e até mesmo pelo fato de que já se tenha observado uma entrada massiva de mulheres apaixonadas por este esporte.

Em relação aos homens, há uma maneira particular de criação de subjetividade masculina em nosso país, expressa em uma maneira distinta de jogar futebol que tem mudado com o tempo. Poderíamos afirmar que o futebol argentino construiu um tipo particular de gênero masculino em nosso país e, vice-versa, o estilo particular de construção da masculinidade na Argentina marcou um estilo na criação de um futebol nacional. Há uma relação entre futebol e o “tornar-se homem” e “ser homem” na Argentina. E como o próprio conceito de gênero assinala por seu caráter relacional, não é possível falar de um “tornar-se homem” que não seja simultâneo a um processo de “tornar-se mulher”: há uma relação entre futebol e “tornar-se mulher” e “ser mulher” na Argentina; pelo menos nas vicissitudes do “devir mulher” convivendo com homens que têm uma bola de futebol no coração.

Sem dúvida, em nosso país o futebol constituiu-se como um organizador da identidade nacional quase desde seu início, diferenciando-se do futebol estrangeiro, em especial do inglês, do qual é herdeiro. Este esporte se constituiu em um dos modos de transformar os filhos de imigrantes em mestiços, com base nas possibilidades brindadas pela preferência da habilidade, acima da classe social de origem. Deu-se valor ao estilo rio-platense, ligado a arte e a criatividade mais do que a máquina e a potência. O campo de futebol foi caracterizado como espaço do homem livre, da verdade democrática. Esta imagem do homem livre se institui em relação à preservação de uma virtude masculina: o estilo infantil, puro. O campo se constitui em um mundo de crianças traquinas, malandras, “vivos”, que escapam das escolas e dos clubes.

Já em 1928, a revista El Gráfico caracterizava o estilo mestiço como o de um jogador leve, veloz, delicado, com maior habilidade individual e menor ação coletiva; manhoso, que tinha a indolência como virtude e que não precisa da força para impor-se. Estas são as características gerais do futebol nacional que é, fundamentalmente, o contraponto entre a habilidade e a força, sustentado na oposição entre cérebro e corpo. Expressa-se também outro tipo de contradição: entre a aristocracia do futebol e o trabalhador; o primeiro joga para se divertir; enquanto o segundo é descrito como luta e esforço. Assim cabe assinalar a coexistência de diferentes modelos, cada qual com seu estilo, que possui um tipo de corpo e de virtudes masculinas. E o público, os outros homens, identificando-se com os mesmos, dependendo do qual se torne mais próximo e afim.

Pelo menos desde a década de 1920, o futebol faz parte da genealogia masculina de nosso país. Desde então um pai transmite e deixa para seu filho homem três brasões identitários: um nome, um sobrenome e uma camisa. Pertencentes à legião da família, identificada com a camiseta, institui a linhagem em uma busca de se construir um pertencimento nacional. Pertencimento que na atualidade representa um dos poucos organizadores fortes de identidade, ou seja, assistir ao estalo e reordenamentos de vários organizadores da vida instituídos na modernidade. O amor por uma equipe permite um porto identitário de grande relevância frente às outras possibilidades de identidades fortes e depositários da ansiedade moderna, que se revelaram deterioráveis: o matrimônio, o trabalho, os partidos políticos, os pactos, as referências, os líderes.

Parece que o único que mostra-se perene é o futebol, já que, salvo raras exceções, se nasce e morre com a camisa. Um homem contemporâneo pode mudar de mulher, de partido, de chefe e até de país, mas nunca de equipe de futebol. Este fenômeno explica o assombro que produz o fato de que muitos homens que antes não prestavam atenção a este esporte, na atualidade o façam com fervor. Na realidade trata-se de um desfrute do último refúgio gerado pela paixão e que os da uma forte identidade, que permanece com eles. Apelam ao reservatório da genealogia do gênero masculino argentino que não encontra um equivalente na feminilidade: o nome, o sobrenome e a camiseta.

E, na clínica psicanalítica, a pesquisa pela preferência por alguma equipe de futebol e suas vicissitudes é uma boa via de acesso aos avatares da função paterna em um sujeito. “E você, menino, de que time é?”, ouve-se perguntar aos pequenos homens em nosso país, e a pergunta se refere a quem irá se filiar, a que modelo de masculinidade incorporou e qual escolhe incorporar. As respostas podem ser várias. O menino pode decidir pertencer ao clube do pai, ao do melhor amigo do pai, ao do esposo ou amor da mãe, ao do avô materno ou paterno, ao do tio, ao do grupo de amigos (esta parece ser uma escolha secundária), ao de um querido pai de um amigo, pode ser o clube da cidade ou do país para o qual se mudou em uma tentativa de adquirir uma identidade com os homens, como um roteiro de masculinidade.

E esse menino que escolhe pertencer à equipe do tio pode ter tomado a decisão ao perceber o amor que este sente pela camisa. Esse tio era o que levava o menino ao campo, e a condição de ser levado ao campo é de pertencer ao mesmo time que esse adulto. Claro que este mesmo menino pode seguir a profissão de seu pai, sua ideologia política, seus gostos estéticos etc.

Mulheres argentinas

Em relação às mulheres argentinas e o futebol, desde agora pode-se falar de sua relação, tolerante ou não, de apreciadoras ou não, com essa paixão masculina. Claro, não há porque desconhecer a integração gradual e crescente das mulheres em todos os âmbitos da vida social, entre os quais o futebol está incluído. Contudo este esporte não é qualquer âmbito da vida social argentina, mas é atribuidor de uma identidade mais forte e das menos modificáveis nesta pós-modernidade periférica. É um referente que assinala rapidamente quem é sujeito que não é. E deste fenômeno ninguém quer ficar excluído, nem as mulheres. Poderíamos organizar a relação das mulheres com o futebol em dois grupos: as mulheres que gostam de futebol e as que não gostam. As primeiras poderiam ser dividas, por sua vez, em dois subgrupos: as que adentraram ou lutam para ingressar como atoras diretas – jogadoras, árbitras, jornalistas, dirigentes e treinadoras – e as que simplesmente são apreciadoras do espetáculo, vêm as partidas ou as assistem pela televisão.

As que procuram ingressar na atividade devem enfrentar os obstáculos que surgem quando as mulheres decidem entrar em algum ramo de uma atividade social de predomino masculino.

Um atrativo que este esporte tem é o efeito de ser subjetivado em relação a um jogo coletivo que vai além das habilidades individuais, afinal se não há uma equipe não se pode jogar: é a aprendizagem de “passar a bola”, jogar em relação aos outros, e não ser “fominha”. Isto faz referência a uma tradição muito importante que o coletivo de mulheres não tem como acervo, precisamente por ter sido excluído da estimulação para a prática de esportes coletivos.

Em relação às mulheres, as que não gostam de futebol, poderíamos distinguir quatro grandes subgrupos. Um é o das que se sentem incomodadas, consideram-se excluídas de uma atividade que – enquanto dura a partida – tira todo o interesse de seu amado. Elas buscam a todo tempo uma maneira de persuadir seu parceiro de que, em prova de seu amor por elas, deva desistir de ir ao campo ou de ver a partida pela televisão. Nestes casos podemos advertir que o time escolhido é tido como “a outra”.

Também há as indiferentes. Estas mulheres não se importam, nem se incomodam com o futebol; na realidade há muito poucos exemplares que pertençam a este subgrupo. E há aquelas que acompanham. Mulheres que, com suficiente experiência de vida, aprenderam a estratégia de que, visto que não se pode vencer um poderoso inimigo, o mais inteligente é unir-se a ele. E há as perplexas: não se sentem incomodadas, mas não conseguem entender a fascinação masculina em ver vinte e dois sujeitos adultos correndo simultaneamente atrás de uma bola.

O que as pertencentes destes subgrupos parecem compartilhar, muitas vezes inconfessavelmente, é a inveja provocada pela paixão que eles sentem e que elas não encontram equivalente substituto no universo feminino. Em todo caso, interessem-se ou não por ele, como jogo e espetáculo, o futebol não está ausente dos afetos e da história de vida das mulheres que desenvolvem sua existência em um lugar onde o futebol é uma atividade de grande importância social.

Uma paciente, ao falar da relação com seu pai, relata que quando era criança lembra ter experimentado um ódio irreprimível aos domingos pela tarde, quando ele ficava apenas a escutar as partidas pela rádio. Já não ia aos campos porque seu filho homem, o irmão mais velho da paciente, havia deixado de acompanha-lo – os intelectuais nos anos setenta preferiam sair com a companheira do que serem fiéis a camisa -. Então, seu pai escutava o rádio, fosse em case, passeando no carro ou em alguma visita. Ele acompanhava fisicamente o restante da família aos domingos, mas sua cabeça e seu coração ficavam no estádio. Talvez junto às mulheres da casa sentia-se abandonado e sozinho. E, enquanto escutava a partida, o mundo parava. Nada mais o importava, nem sequer sua filhinha da alma. Com o tempo a paciente pôde compreender que esse ódio que acreditava sentir por seu pai era, na realidade, provocado pelo fato de que ele entrava em um mundo que a excluía por ser mulher, um mundo para transmitir e compartilhar apenas com o filho homem.

No relato de algumas das mulheres que participam e gostam de futebol, isto se conecta com sua relação com o pai: como um dom que receberam de seu pai, uma herança com a qual elas se filiaram ainda que não seja um legado típico para as mulheres.

Talvez, para entender as representações psíquicas das mulheres que participam do futebol, devamos apelar para um paralelo com o modelo clínico que é utilizado com a perspectiva de uma psicanálise revisitada a partir dos estudos de gênero, para trabalhar com as identificações vocacionais e trabalhistas das mulheres cujas mães foram donas de casa enquanto seus pais participavam na atividade do mundo do trabalho. Sabemos que estas mulheres, para adquirir sua própria modalidade feminina de inserção no mundo do trabalho, devem apelar para o reservatório de identificações via paterna e, com esse material, construir e agenciar representações próprias. Considero que grande parte da relação das mulheres com o futebol está intimamente conectada com o tipo de vínculo que teve com homens significativos. Nos pais das mulheres que gostam de futebol visualizamos a possibilidade de serem modelo de identificação para suas filhas, sem assimilar as características próprias encontradas em suas herdeiras como um indicador de masculinização das mesmas.

De todo modo, esta conquista só pode coexistir com aspectos paternos de reafirmação de sua diferença em relação às mulheres e de desconhecimento de algum dos atributos agenciados por suas filhas. Por isso estas meninas podem carecer de consciência da coexistência de reconhecimento/desconhecimento até que se vejam envolvidas em aventuras amorosas, trabalhista ou outras, que entrem em contradição com a imagem que formaram de si mesmas.

A paciente em questão, já maior de idade, como outras congêneres, achou mais atraente um homem que não gosta de futebol, para logo compreender, desiludida, que esse lugar pode ser ocupado por qualquer outra paixão. Contudo também chamou sua atenção pelo fascínio feminino do qual fala Lacan, essa experimentada ao ver um homem concentrado e integralmente em uma ação, em um ato. Assim, pode ceder frente aos sentimentos e os sacrifícios ao quais um homem está disposto a passar pela camisa de seus amores. Ela forma parte do coletivo de mulheres que atualmente tem percebido que em uma casa pode haver duas televisões e que existem muitos programas alternativos, amizades e familiares para visitar aos domingos pela tarde. E um desses programas pode incluir acompanhar o amado para ver uma partida. Elas também chegaram à conclusão de que desconhecer o futebol é desconhecer uma parte importante da vida nacional e dos homens argentinos. Sabem que o coração pode ser um músculo muito elástico e que pode abrigar carinho por outra equipe, além do legado deixado por seu pai. Podemos compreender que a consolidação deste processo vai de mãos dadas com as mudanças que estão ocorrendo no exercício da função patena e da democratização das relações ente os gêneros em seu sentido mais amplo.

Débora Tajer é psicoanalista.
Artigo publicado por Página/12 em 10-07-2014.
Tradução: Cepat.
Reproduzido do IUH

SUS: quem usa gosta; imprensa e não usuários não gostam

 O SUS que não se vê… Na Tevê.

Em abril de 2011 saiu na revista RADIS da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) um interessante artigo, intitulado “ O SUS que não se vê.”O texto foi elaborado a partir de análise de resultados de pesquisa feita pelo IPEA, com usuários e não usuários do SUS, que demonstraram a maior insatisfação com o sistema pelos não usuários, ou melhor, que não se reconheceram como tal. Explique-se:  os indivíduos que se auto-intitularam como “não usuários”, desconheciam que muitas vezes utilizavam serviços que o SUS oferece, sem sabê-lo que são do SUS. Já, “A pesquisa do Ipea demonstrou que a avaliação positiva do SUS se dá por quem utiliza os serviços assistenciais”, “Vivemos no Brasil um dilema ético: as pessoas que trabalham e que opinam não são usuárias do sistema, ou melhor, não se reconhecem como tais”,. Em países onde há sistemas universais, como Canadá e Inglaterra há crises e debates, mas as pessoas que criticam são e fazem questão de ser usuárias de seus sistemas públicos. Os gastos e a gestão da assistência médica hospitalar, são o que  normalmente chamam a atenção dos médicos, da população e da mídia.

Poucos sabem que o Sistema Único de Saúde está presente nos três níveis de atenção: Federal (M.S), Estadual ( Secretarias Estaduais de Saúde) e Municipal (Secretarias Municipais de saúde), estas últimas a principal executora das ações de saúde. O SUS inclui: vigilância em saúde, (controle e erradicação de doenças, vigilância sanitária e epidemiológica e vigilância ambiental) além da vacinação universal, estratégia de saúde da família, farmácia popular, dispensa de medicamentos especiais e administração de hemocentros, Serviço de Atenção Municipal de Urgência (SAMU), Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e toda a rede Postos de Saúde espalhados pelos mais de 5 mil municípios brasileiros. Em consonância com os Serviços dos SUS existe o  Sistema Nacional de Laboratórios de Saúde Pública – SISLAB, um conjunto de redes nacionais de laboratórios, organizadas em sub-redes, por agravos ou programas, de forma hierarquizada por grau de complexidade das atividades  relacionadas à vigilância epidemiológica, vigilância ambiental em saúde, vigilância sanitária e assistência  médica. (art. 1º Port. 2.031, de 23/09/04)

Mas,  será que existe no país quem nunca tenha utilizado o SUS? O que os resultados da pesquisa indicaram, indiretamente, é que boa parte dos brasileiros desconhece que o SUS não se restringe ao atendimento prestado em hospitais e/ou em centros e/ou postos de saúde e que, o controle a eliminação ou a erradicação de doenças da população é de responsabilidade do SUS. Também desconhecem que por meio da atenção básica foi possível atingir coberturas vacinais e de pré-natal que se aproximam da universalidade. “A pesquisa do Ipea demonstrou que a  avaliação positiva do SUS se dá por quem utiliza os serviços assistenciais”,

Além do que não se vê, há o  SUS que se vê, mas não se “enxerga”. Ou seja, há reações surpreendentes quando se comenta  que a realização de transplantes somente é possível porque existe o SUS. Que não há custo algum para o paciente, qualquer que seja sua classe social? Imagine-se o caos ético que provocaria a necessidade de pagamento por transplante. No entanto, o custo existe para o Sistema,  mas o benefício é incomensurável.   Vale a pena esmiuçar-se alguns dados. A fonte é www.datasus.gov.br .

No ano de 2012 foram realizados  no Brasil, 13.754  transplantes ), a um custo de R$ 384.328.381,00,( custo médio de R$ 27.493,00 ) enquanto o gasto total com todos os procedimentos hospitalares, clínicos e cirúrgicos  ( 11.092.589 procedimentos)  foi de R$ 11.656.121.321,77 ( custo médio de R$ 1.050,80). A tabela a seguir especifica a alta complexidade desses procedimentos:

Total de transplantes, realizados no Brasil e respectivo custo em 2012

TIPO DE TRANSPLANTE Total Custo em R$
 TRANSPLANTE ALOGÊNICO DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS 645 46.068.452,73
 TRANSPLANTE AUTOGÊNICO DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS 1.024 27.060.765,39
 TRANSPLANTE DE CORNEA 4.402 8.921.293,87
 TRANSPLANTE DE ESCLERA 25 295.563,52
 TRANSPLANTE DE CORAÇÃO 178 7.552.448,83
 TRANSPLANTE DE FÍGADO (ÓRGÃO DE DOADOR VIVO) 76 96.901.703,51
 TRANSPLANTE DE PÂNCREAS 31 1.335.180,42
 TRANSPLANTE DE PULMÃO UNILATERAL 25 1.293.289,36
 TRANSPLANTE DE RIM 4640 139.588.651,09
 TRANSPLANTE SIMULTÂNEO DE PANCREAS E RIM 115 6.887.577,65
 TRANSPLANTE DE PULMÃO BILATERAL 30 2.116.598,85
Total transplantes 11191 338.021.525,22
 TRATAMENTO DE INTERCORRÊNCIAS PÓS TRANSPLANTE 24.102 46.306.856,09
TOTAL 35.293 384.328.381,31

 

Fonte: www.datasus.org

Aí está uma informação que dificilmente aparecerá na TV ou em outros veículos midiáticos. É notório que  imagens e informações divulgadas pela mídia sobre o SUS estão  comumente associadas “às mazelas e dificuldades do setor, quase sempre a partir de uma suposta ineficiência do Estado, incompetência das autoridades ou dos profissionais da área”.

Airton Fischmann é Médico, especialista e mestre em Saúde Pública pela USP, Ex consultor da Organização Panamericana de Saúde e Médico aposentado da Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul.

Reproduzido do blog Imagem Política

O antissemita seria um doente? E o racista?

ILUSÃO E VERDADEO nosso último texto “Não temos previsão de avançar no combate ao racismo” provocou alguns comentários pessoais.

Os que mais repercutiram dentro de mim iam no sentido do pessimismo à falta de sugestões / alternativas / propostas.

Mais práticas, imediatas, palpáveis.

Alguns dias depois leio a publicação sobre o antissemitismo: “Uma doença sem cura” do escritor português e doutor em ciências políticas João Pereira Coutinho.

Ela pode ser vista com seus comentários no link abaixo .

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/joaopereiracoutinho/2014/06/1471253-uma-doenca-sem-cura.shtml

E sua repercussão com muitas outras publicações caso o leitor se disponha a procurar na internet.

É o tipo da ideia / publicação que pode ajudar a inibir a conduta discriminatória.

Certamente muitos dos conteúdos expostos com a finalidade de inibir o antissemitismo poderiam ser veiculados em matérias para inibir os racistas em sua ações discriminatórias.

Muitos negros (e seus simpatizantes) poderiam descrever sofrimentos por atos de racistas, sempre acompanhada de sua percepção em relação às características emocionais dos racistas.

E estes sentimentos talvez sejam semelhantes aos dos judeus em relação aos antissemitas.

Numa perspectiva otimista, se mais grupos discriminados passassem a divulgar esses mesmos tipos de idéias, “definindo” seus discriminadores como doentes mentais, provavelmente outros segmentos da sociedade poderiam se sensibilizar e ajudar a pressionar a ciência a definir o discriminador como agente causador de sofrimento mental.

Para que essa idéia/possibilidade não pareça algo fantasioso/utópico vamos a um exemplo de fato real entre um grupo discriminado e a ciência.

Até os anos 70 o homossexual era definido pela ciência médica como doente mental.
Na época em que essa questão ia ser revista pelos responsáveis pela Classificação Internacional das Doenças, grupos de homossexuais pressionaram, concretamente e presencialmente, para que esta definição fosse modificada.

E conseguiram.

Portanto, nessas questões, a participação de todos segmentos da sociedade pode ser decisivo.

Telmo Kiguel

Médico psiquiatra

Psicoterapeuta

Textos correlatos:

Prevenindo discriminações, totalitarismo, bullying e antissemitismo nas escolas.

Conduta Discriminatória: tentativa de conceituação motiva correspondência entre psiquiatras.

Eis um discriminador racista e antissemita. Reconhecendo é possível prevenir.

Discriminadores: um grupo que aumentará enquanto não houver interesse em prevenção.

Síndrome do Distúrbio Racial: seria um bom diagnóstico para o racista brasileiro? E para o antissemita?

Religião e laicidade: discriminação e violência.

 

Não temos previsão de avançar no combate ao racismo

Prezado Professor Hélio Santos

A sua bela explanação tem muito valor pela sua legítima e nobre preocupação pelo não avanço no combate ao racismo.

(Vejam em http://www.youtube.com/watch?v=BOVGrYcY7cw&feature=youtu.be ).

Aliás, essa percepção é a mesma que já expusemos em vários posts aqui no blog.

A criminalização das condutas discriminatórias e os avanços nas políticas públicas a favor dos grupos discriminados não conseguem ter efeito de prevenção.

Existem três tipos de prevenção: primária, secundária e terciaria.

Quando falamos em prevenção, estamos nos referindo àquela que se antecipa a instalação do preconceito, a primária.

Só teremos avanços verdadeiros e consistentes no combate ao racismo quando consigamos preveni-lo primariamente.

E a prevenção em saúde só é possível quando se consegue conhecer, definir, entender o funcionamento do agente causador do sofrimento humano.

No caso da conduta discriminatória racista, o sofrimento infringido no discriminado é mental, sendo a ação somente verbal.

E quando a ação, além de verbal, é também física, teremos sofrimento mental e físico.

Em medicina, sabe-se que o causador de sofrimento mental e/ou físico pode levar o outro ao suicídio.

Sabe-se, também, que essa conduta não será modificada somente pela educação, pois esta corresponderia à prevenção secundária.

Ao menos, não pela educação formal, rotineira, às quais estamos acostumados em todas as sociedades contemporâneas.

Seria, mais ou menos, como dizer a um drogado que ele não deve se drogar.

Se ela evitasse esse sofrimento, países com melhores indicadores de educação do que os nossos não teriam a ocorrência de condutas discriminatórias.

Inclusive em escalas crescentes.

E, aqui, no Brasil, não teríamos manifestações discriminatórias originadas de pessoas com educação formal avançada/completa.

Quanto a sua interessante hipótese de que crianças nascidas numa ilha, na qual os educadores seriam “instrutores especiais, tais como judeus, ciganos, índios, negros, orientais” e que, em conseqüência, essas mesmas crianças não poderiam ser pessoas discriminadoras, leva-nos a concluir que educadores, de diferentes etnias e não discriminadores, não formariam filhos discriminadores.

 

Porém, constata-se que filhos de casamento “misto” (branco/negro; religioso x não religioso; ocidental/oriental) não ficam imunes de serem discriminadores.

A sua afirmação de que “ninguém nasce racista” é muito pertinente para um bom debate.

Nossa ideia é que, obviamente, o ser humano nasce psicobiologicamente imaturo e sem idéias pré-concebidas.

As primeiras ideias ou conceitos – adequados ou não – são formados em casa e não nas escolas.

E, se não amadurecer em casa para a aceitação/reconhecimento do outro diferente/diverso dele, poderá tornar-se um discriminador.

Um adequado amadurecimento mental de pais/educadores/sociedade, nessa ordem, certamente, pode ajudar a prevenir a formação de discriminadores.

Quanto a sua afirmação que o racismo é a instituição mais antiga do Brasil, caberia salientar o seguinte:

Caso consideremos a imagem da Primeira Missa como uma desconsideração com a religião dos índios, podemos entender aquele ato como uma imposição colonialista e discriminatória.

E, talvez, a conduta discriminatória mais antiga conhecida no Brasil!

Telmo Kiguel

Médico psiquiatra

Psicoterapeuta

Zero Hora distorce novamente conteúdo de pesquisa com que finalidade?

Lições da Zero Hora Para o Rio Grande do Sul?

Estava no acabamento final desse texto, quando li a excelente matéria de Marco Weissheimer no SUL21 “O IDH da RBS e a vida real: escolhas e omissões”, que, felizmente, para mim, reforçam as considerações que faço a seguir e que, pretensiosamente, entendo que  complementam as ideias por ele expostas. Baseei-me bastante na minha experiência adquirida na área de saúde pública e epidemiologia para elaborar o texto a seguir :

Agora, ZH busca dar lições ao Rio Grande do Sul, baseando-se nos resultados    de um novo indicador elaborado pela PUC, o Índice de Desenvolvimento Estadual- iRS, em parceria com Zero Hora, na reportagem à página oito da edição de 30 de maio, com o título: “Lições de Estados que mais avançaram”.(Escrevi a palavra agora, porque  ano passado ZH já “pisou na bola” em texto que publiquei nesse blog “Zero Hora distorce conteúdo de pesquisa com que finalidade?”)

 

Segundo os autores o iRS foi criado para medir desempenhos e mediria melhor a situação de desenvolvimento de uma região do que o Índice de Desenvolvimento Humano, o IDH.

O que sei da construção desse novo índice é o que li no jornal. Não tenho maiores conhecimentos sobre a metodologia para sua elaboração, mas acho que tais iniciativas são bem-vindas, afinal a ideia de aprimoramento  de avaliações deve ser estimulada.

A crítica que faço é referente à interpretação que ZH dá ao comportamento do indicador no período de sete anos de análise (2005 a 2012).

“Enquanto o Rio Grande do Sul permanece em quarto lugar, outras unidades da federação conseguiram dar um salto nos quesitos que compõem o resultado”. Cita que “ Rio de Janeiro, Roraima, Ceará e Pernambuco evoluíram mais” (mas não ultrapassaram o RS). Ou seja, na visão do meio copo d´agua, ZH preocupa-se com a metade vazia.

Nesse tipo de análise, o que ocorre é que os estados com índices mais baixos têm mais espaço para avançar. Explico: usando um dos indicadores que compõem o iRS: mortalidade infantil. O Coeficiente de Mortalidade Infantil (CMI) é medido pelo número de mortes de menores de um ano para cada 1000(mil) nascidos vivos. Pode ser dividido em duas partes: neo-natal (mortes ocorridas no primeiro mês de vida) e infantil tardio ( mortes ocorridas do segundo ao 11º mês de vida).

Quando esse indicador é alto, a proporção maior das mortes ocorre no período infantil tardio, onde as crianças sofrem mais a “agressão” das doenças relacionadas ao meio ambiente, principalmente as diarreias e infecções pulmonares. No período neonatal as mortes estão relacionadas à atenção pré-natal e ao parto. Aqui aparecem as anomalias congênitas, asfixia do recém-nascido, muito baixo peso ao nascer, ou seja, causas de morte cuja eliminação é bem mais complicada.

Quando o CMI baixa para a casa de um dígito -menor que 10 mortes para cada 1000 nascidos vivos- caso dos Estados que estão nas primeiras colocações, reduzir mais ainda é tarefa árdua, que pode ser executada, mas a diminuição é bem mais lenta e somente pequenas frações de redução podem ser obtidas, a cada ano. Quando o CMI é alto, a atuação dos serviços de saúde acessíveis à população mais pobre e medidas sanitárias adequadas como a água potável para todos, podem reduzir mais drasticamente o indicador. É o que provavelmente ocorreu em Estados como Rondônia e Ceará, para mencionar os mesmos  citados por ZH. É o que referi  anteriormente : têm mais “espaço” para avançar. Ainda assim no índice Longevidade onde foi utilizada a mortalidade infantil, o RS está em segundo lugar. Esta seria visão da metade cheia do copo.

O mesmo raciocínio pode ser aplicado ao quesito padrão de vida, que avalia o número de trabalhadores com carteira assinada. Quanto menor o número de carteiras de trabalho assinadas, mais rápido pode ocorrer sua duplicação, no caso Roraima. Quando se tem muito pouco, é claro que a chance de aumentar é maior. Num momento em que os índices de desemprego estão baixíssimos é impossível, no RS,   obter-se um aumento tão grande como o ocorrido em Roraima.

A comparação que é feita com o Rio Grande do Sul é válida para Santa  Catarina e São Paulo, pois nesses a evolução do indicador também foi mais lenta, se comparada com os Estados antes citados. Portanto, a “admoestação” de ZH também deveria servir à Santa Catarina e São Paulo, pois outros estados  também deram um salto maior que SC e SP.

Outro aspecto a considerar é a introdução do Distrito Federal na comparação. Evidentemente, trata-se de uma Unidade Federada. No entanto, se diferencia das demais que são Estados da Federação com características geográficas, ambientais, econômicas, demográficas e culturais, completamente diferentes. Os Estados têm área rural e urbana, produção agrícola e industrial com grandes distâncias a percorrer, problemas com transporte rodoviário, etc .  e são comparáveis entre si,  mas completamente diferentes do DF, uma região urbana onde a maioria dos habitantes é vinculada ao serviço público e com características semelhantes as nossas grandes capitais. Como comparar as características demográficas, sociais  econômicas e  culturais de Estados como O Rio Grande do Sul Santa Catarina e São Paulo, com o Distrito Federal? Desta forma, excluindo-se o DF da comparação, o RS estaria em terceiro lugar entre seus pares, o que, convenhamos é uma boa classificação.

Entendo  que as lições sugeridas por ZH deveriam  ser avaliadas dentro do contexto de uma análise epidemiológica e social, e não somente do ponto de vista jornalístico, para serem melhor compreendidas. Partindo de uma análise equivocada, ZH procura dar uma ideia de estagnação para o RS enquanto outros estados estariam num processo de desenvolvimento. Omitiu que essas Unidades Federadas estão num estágio de desenvolvimento pelo qual  nosso Estado já passou e que, a medida que ocorrem avanços, vão aumentando as  dificuldades para alcançar índices cada vez melhores.

 

 

Airton Fischmann, Médico, Mestre em Saúde Pública, Ex-consultor da Organização Panamericana da Saúde.

Philip Morris quer mandar no Uruguai e no seu pulmão.

caganchaProcesso no Uruguai pode mudar luta contra o fumo

Uma enorme cicatriz atravessa o peito de Carlos Bove, um professor uruguaio de 67 anos. Lembrança deixada por uma cirurgia cardíaca a que acaba de ser submetido.

Ele se move lentamente para se levantar da cama no hospital da Asociación Española, em Montevidéu, porque além dos problemas cardíacos, também luta há anos contra complicações respiratórias.

Segundo seus médicos, o caso de Bove é um exemplo das consequências, para o Uruguai, de o país ter sido, historicamente, um dos maiores consumidores de tabaco da América Latina. Na virada do milênio, o Uruguai já apresentava o maior índice de casos de câncer de pulmão da região.

“Sonho muitas vezes, quando estou com os pulmões atacados, que rasgo as caixas de cigarros e jogo tudo fora”, ele conta.

“Durante muitos anos, não me dei conta de que me faziam mal, até que comecei a ter problemas, foi quando me disseram que os cigarros estavam me matando”.

Bove fumou um maço de cigarros por dia durante quase quatro décadas. Ele deixou de fumar há dez anos.

Foi também nessa época, há cerca de uma década, que o Uruguai, pequeno país sul-americano com apenas 3,3 milhões de habitantes, adotou uma série de restrições ao tabaco que hoje o colocam na vanguarda mundial em políticas antitabagistas.

Algumas dessas medidas colocaram o país em confronto direto com a maior fabricante de cigarros do mundo, a Philip Morris International, dona de marcas como MarlboroFortuna e L&M.

Um embate que pode reverberar em outros países.

Restrições

Em 2006, entrou em vigor no país uma proibição ao fumo em espaços públicos fechados. O Uruguai foi o quinto país no mundo a adotar essa medida. A iniciativa partiu do então presidente, o oncologista Tabaré Vázquez.

Também naquele ano, autoridades de saúde iniciaram as primeiras campanhas advertindo a população sobre as consequências do fumo para a saúde.

Alguns dos anúncios eram chocantes. Imagens de uma boca onde os dentes são substituídos por cinza de cigarro. A foto retocada de um menino fumando, seu rosto pálido e doentio. Ou a foto de um bebê prematuro, minúsculo, na mão de um ginecologista.

Em 2009, essas advertências chegaram a cobrir 80% de todos os maços de cigarro – mais do que em qualquer outro país. Também foram retiradas das embalagens palavras como “light”, “mentolado” ou “gold”, permanecendo apenas a marca do produto.

Foram essas duas medidas que colocaram o Estado uruguaio em rota de choque com a Philip Morris, que as considera um ataque aos seus investidores.

International Centre for Settlement of Investment Disputes (ICSID), organização internacional de arbitragem ligada ao Banco Mundial, declarou-se competente para decidir sobre uma ação movida em 2010 pela empresa.

Em março desse ano, o ICSID ouviu os argumentos da Philip Morris e, em setembro próximo, ouvirá a posição do Uruguai. O caso pode influenciar a jurisprudência em disputas similares em outras partes do mundo.

Segundo a Philip Morris, “essas medidas vão além de todos os regulamentos sobre o tabaco que já existem em praticamente todos os países e não demonstraram ter conseguido reduzir os índices de consumo de cigarro”.

“Além disso”, disse a empresa em um comunicado, “não fazem nada para chamar a atenção para a proliferação do mercado negro de cigarros e, inclusive, poderiam promover o contrabando” de tabaco.

O argumento da gigante do tabaco é que o Uruguai, com suas medidas para cobrir 80% das caixas e a proibição de várias embalagens diferentes, está violando um tratado de proteção a investidores que o Uruguai e a Suíça – países onde a Philip Morris é sediada – assinaram em 1998.

A companhia não respondeu aos pedidos de entrevista feitos pela BBC Mundo.

No entanto, segundo a revista uruguaia Búsqueda, a executiva da Philip Morris Julie Soderlund teria dito que a corporação está pedindo US$ 25 milhões em indenização por perdas comerciais.

“A essência desse caso se foca sobre princípios fundamentais do Estado de direito e sobre se o Uruguai deve ou não manter as promessas que faz”, argumenta a Philip Morris.

Saúde x comércio

Carlos Bove gostaria que os anúncios contra o tabaco tivessem chegado antes.

Mas para o governo uruguaio, essa disputa vai além da questão comercial.

“Não pode haver nenhum tribunal que, ao buscar priorizar direitos, não priorize o direito à vida e à saúde, acima do direito ao comércio, à indústria e ao trabalho”, respondeu o senador e médico Luis Gallo, do partido governista Frente Amplio.

Gallo, que agora promove uma mudança na legislação para restringir ainda mais a propaganda do tabaco, quer que os produtos fiquem fora do campo de visão do público, inclusive em pontos de venda. Ele está convencido de que o tribunal decidirá a favor do governo.

Poder da Imagem

O Uruguai optou por fotos menos agressivas do que as usadas em outros paises (onde aparecem órgãos danificados).

“Nos demos conta de que, às vezes, a gente necessita de sutileza para pensar. O desafio é fazer as pessoas pensarem sobre o tabaco, não simplemente chocá-las com uma imagem que pode ser muito grosseira e grotesca”, disse à BBC o presidente da agência, Selva Andreoli.

Uruguai conta com o apoio da Organização Mundial de Saúde (OMS) e de outras entidades privadas, como a fundação do ex-prefeito de Nova York, Michael Bloomberg.

Recentemente, em visita à Casa Branca, o presidente uruguaio, Jose “Pepe” Mujica, argumentou contra o tabaco e pediu o respaldo de outros países.

“Os governos não têm de participar de disputas privadas, mas aqui há uma batalha pela vida”, disse Mujica, em conversa com Barack Obama acompanhada por jornalistas.

Impacto Mundial

A decisão do centro de arbitragem pode levar anos para ser tomada, mas outros países estarão observando com atenção.

Em vários países em desenvolvimento, como UgandaNamíbia e Togo, as leis contra o cigarro foram rechaçadas por grandes fabricantes de tabaco que denunciaram a violação de seus direitos comerciais.

Segundo a Philip Morris, “buscamos apenas uma compensação justa pelos danos causados por estas medidas”.

Mas Eduardo Bianco, cardiologista à frente do Centro de Investigação da Epidemia do Tabagismo no Uruguai, disse que na realidade o mercado uruguaio gera muito pouco dinheiro.

“A verdadeira razão para que eles (a Philip Morris) tenham decidido atacar o Uruguai foi uma decisão estratégica para assustar o resto dos países, especialmente os não desenvolvidos, para que não adotem medidas similares”.

Esse é um argumento compartilhado pela Organização Mundial de Saúde, que vê esse enfrentamento como uma guerra do tipo Davi e Golias, na qual uma pequena força representada por um pequeno país enfrenta o poder gigante de uma das maiores multinacionais que existem.

Se países pequenos como o Uruguai decidirem agora jogar a toalha temendo processos legais caríssimos e longos contra corporações multimilionárias – adverte a OMS – outros perderão a vontade de abandonar para sempre o tabaco.